s
Portal Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Tenho feito uma série de lives que chamei de ‘Bora pra ...

Ver mais

Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Outro daqueles acidentes estúpidos vitimou mais uma ...

Ver mais

Café Brasil 795 – A Black Friday
Café Brasil 795 – A Black Friday
Uma vez ouvi que a origem do apelido Black Friday seria ...

Ver mais

Café Brasil 794 – O Paradoxo da Tolerância
Café Brasil 794 – O Paradoxo da Tolerância
Eu acho que você concorda que para ter uma sociedade ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Quadrinhos em alta
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Quadrinhos em alta Apesar do início com publicações periódicas impressas para públicos específicos, as HQs não se limitam a atender às crianças. Há quadrinhos para adultos, de muita qualidade, em ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Tipos e Regras de Divisão Lógica (parte 7)
Alexandre Gomes
Antes de tratar das regras da divisão lógica – pois pode parecer mais importante saber as regras de divisão que os tipos de divisão – será útil revisar alguns tópicos já tratados para ...

Ver mais

Simplificar é confundir
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Alexis de Tocqueville escreveu que “uma idéia falsa, mas clara e precisa, tem mais poder no mundo do que uma idéia verdadeira, mas complexa”.   Tocqueville estava certo. Em todos os ...

Ver mais

País de traficantes?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não é segredo que o consumo de drogas é problema endêmico no País, bem como o tráfico delas. O Brasil não apenas recebe toneladas de lixo aspirável ou injetável para consumo interno, como ainda ...

Ver mais

Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
A baixa cultura faz crescer a bunda, melhorar o ...

Ver mais

Cafezinho 440 – Alta e baixa cultura
Cafezinho 440 – Alta e baixa cultura
Baixa cultura é aquela que me faz bater o pé, mexer a ...

Ver mais

Cafezinho 439 – O melhor investimento da Black Friday
Cafezinho 439 – O melhor investimento da Black Friday
Uma coisa é comprar um televisor. Outra é adquirir cultura!

Ver mais

Cafezinho 438 – O homem cordial
Cafezinho 438 – O homem cordial
Brasileiro Cordial é aquele que age conforme a emoção, ...

Ver mais

Maria do Céu

Maria do Céu

Luciano Pires -

Maria do Céu por ela mesma

Nasci no Rio e meu primeiro instrumento musical foi o piano aos 5 anos de idade. Aos 7 entrei para Iniciação Musical na Escola Nacional de Música. Até os 13 mantive os estudos regulares de repertório exclusivamente erudito. Nessa época minha família e eu morávamos numa casa no Jardim Botânico e tínhamos um cachorro que escapulia do quintal e da vigilância e vinha deitar do lado esquerdo do piano logo que ouvia o som do piano quando eu começava a estudar. Era a minha platéia.

Meu pai e alguns patrícios, que tocavam algum instrumento, se reuniam lá em casa e faziam um som da terra deles – Portugal – e eu tocava triângulo. Mas eu gostava mais quando ele, sozinho, dedilhava fados no violão ou na guitarra portuguesa e aquele som que tirava nos dedilhados me fazia sentir saudade de alguma coisa… e acho que foi isso que acabou me aproximando do violão. Experimentei alguns acordes que ele me ensinou, aproveitei que meu irmão já fazia aulas de violão e tinha um caderno com aqueles desenhozinhos das posições e fui achando os acordes para as músicas que eu gostava de cantar. E o piano ….bem, só fui voltar a tocar nas aulas de Teclado na Faculdade, quando já fazia o curso de Bacharelado em Violão. Isso depois de ter me formado em Psicologia na UFRJ em 1981 e descoberto que o meu negócio era Música mesmo.

Entrei para a Escola de Música Villa-Lobos para estudar Violão Clássico em 1982. Durante esse ano também tive aulas com Odair Assad que conheci em Volta Redonda quando o Duo Assad fez uma apresentação. Nessa época eu morava lá e passava os fins de semana no Rio. Tinha aula na EMVL na segunda-feira e na terça de manhã eu ía para Campo Grande (zona oeste do Rio) ter aula com Odair e de lá seguia para a rodoviária para pegar o ônibus para Volta Redonda. Fiz o vestibular e passei nas duas faculdades federais de Música – optei pela UNIRIO. Completei o Bacharelado em Violão na classe de Turíbio Santos em 1988.

A carreira profissional começou em 1984 com a Orquestra de Violões do Rio de Janeiro (inicialmente com os 26 alunos de Violão das duas faculdades e no final com 12, já formados). Em 1986 o Turíbio me chamou junto com mais 3 violonistas para, com ele, participar da abertura do FREE JAZZ FESTIVAL de São Paulo, no “Tributo a Villa-Lobos” e fizemos ainda mais algumas outras apresentações. Durante esse ano também fui estagiar no Museu Villa-Lobos trabalhando na catalogação das obras do compositor e, na Faculdade, um grupo de 8 alunas de vários instrumentos formamos um grupo para apresentar músicas de Chiquinha Gonzaga com nossos arranjos.

Em 1987 a violonista Raquel Ramalhete, que eu não conhecia, me telefonou propondo formarmos um grupo de Choro só de mulheres. Mas eu nunca tinha tocado Choro, a não ser algumas músicas do João Pernambuco e aquele evento da Chiquinha… foi o que eu disse a ela – mas ela insistiu dizendo que seria bom ter uma violonista solista e que lia cifras, não teria problema ….. Fazíamos arranjos juntas, éramos 5: Raquel, eu, Monique (cavaquinho), Flávia Brito (pandeiro) e Inês Coelho (flauta) e uma das músicas da Chiquinha Gonzaga acabou por se tornar o nome do grupo: Água do Vintém. A formação variou no cavaquinho e na flauta e durou até 1992. Íamos a Pilares tocar na casa do compositor Claudionor Cruz que escrevia os arranjos de suas músicas para nós e se apresentou com a gente na ABI.

Assim comecei a conhecer e tocar Choro.

Depois do Água do Vintém passei a selecionar Choros escritos para violão e em 1995 recebi do Airton Soares algumas partituras junto com algumas fitas k7 com gravações do compositor Francisco Soares de Souza, seu tio. Ele tomou a frente na divulgação da obra do F. Soares enviando esse material para os violonistas que davam concerto no Rio ou na cidade onde ele estivesse e também para universidades, centros culturais e bibliotecas.

Assim conheci o compositor que desde então venho apresentando no meu repertório.

Ele nasceu em 1907 em Quixadá e faleceu em 1986 em Fortaleza e desde então tem permanecido no esquecimento. Foi excelente violonista e divulgador do instrumento, fundou o Clube do Violão no Ceará, entre outras coisas.

Lancei o CD CHOROS DO CEARÁ em 2000, onde gravei 12 de suas composições com Rodrigo Sebastian (baixo elétrico) e Di Lutgardes (percusssão). Com esse trabalho fui selecionada para o Programa de Bolsa Virtuose e Bolsa do RIOARTE em 2002. Cataloguei e editei todas as partituras (são 47 para violão solo e 8 para piano e canto) e escrevi uma pequena biografia. Essa pesquisa foi realizada na UNIFOR com orientação do Prof. Dr. Carlos Velásquez Rueda.

Nessa época conheci D. Núbia Soares de Souza, a viúva de F. Soares (agora com 92 anos) e suas filhas e fizemos uma amizade tão grande que me considero parte da família.

Algumas faixas desse CD também foram incluídas na coletânea em MP3 do projeto RUMOS MUSICA do Instituto Cultural Itaú e no segundo CD da AV-Rio (Associação de Violão do Rio de Janeiro).

Atualmente estou lançando o CD CEARÁ DE CHORO E VALSA onde gravei 15 músicas selecionadas nessa pesquisa, com direção musical de Luiz Otávio Braga e arranjos dele, de Jayme Vignoli, Paulo Aragão, Josimar Carneiro e Nicanor Teixeira. Eles também participaram como instrumentistas junto com: André Acker (cavaquinho e produtor do CD), André Boxexa (bateria), Clarisse Magalhães (pandeiro), Fabiano Salek (percussão e bateria), Felipe Prazeres (violino), Giovana Melo (flauta), Lipe Portinho (baixo acústico), Marcelo Caldi (acordeón), Márcio Almeida (cavaquinho), Naomi Kumamoto (flauta), Rui Alvim (clarinete) e Thiago Trajano (guitarra). A idéia do Luiz Otávio foi relançar a maneira como Radamés Gnattali arranjava, escrevendo as partes de cada instrumento e incluindo instrumentos que não eram comuns nas formações de Choros.

Assim, com a contribuição de tanta gente boa, vamos abrindo espaço no cenário musical brasileiro para mais um grande violonista compositor que merece ser conhecido e admirado no nosso país.

http://www.mariadoceu.com/


Maria do Céu