s
Portal Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 788 – Love, Janis
Café Brasil 788 – Love, Janis
Janis Joplin era uma garota incompreendida, saiu da ...

Ver mais

Café Brasil 787 – Reações ao Cuzão
Café Brasil 787 – Reações ao Cuzão
O Café Brasil anterior, o 786 – O Cuzão, rendeu, viu? ...

Ver mais

Café Brasil 786 – O cuzão.
Café Brasil 786 – O cuzão.
Cara, como é complicada a vida de podcaster, bicho! A ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
E a educação brasileira, como é que vai, hein? Mal, não ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Menos Marx, mais Mises
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Menos Marx, mais Mises  “Apesar de ainda ser muito pouco conhecido entre os jovens brasileiros em comparação com Karl Marx, o nome do economista austríaco Ludwig von Mises se tornou um dos ...

Ver mais

Você ‘tem fé’ no Estado democrático de direito?
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Hoje, num grupo de professores, um velho colega me escreveu que “tem fé” no “Estado democrático de direito” e na “separação dos poderes”. Mas com uma ressalva: ...

Ver mais

Percepções diferentes na macro e na microeconomia
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Percepções diferentes na macro e na microeconomia “Na economia, esperança e fé coexistem com grande pretensão científica e também um desejo profundo de respeitabilidade.” John Kenneth Galbraith ...

Ver mais

Cafezinho 424 – Desimportância
Cafezinho 424 – Desimportância
Hoje, com todas as facilidades na mão, estamos fugindo ...

Ver mais

Cafezinho 423 – Capital social? Só se der lucro.
Cafezinho 423 – Capital social? Só se der lucro.
Estamos perdendo aquilo que o cientista político e ...

Ver mais

Cafezinho 422 – A política do ódio
Cafezinho 422 – A política do ódio
Não siga a maioria só porque é maioria. Não siga a moda ...

Ver mais

Cafezinho 421 – A normose
Cafezinho 421 – A normose
É confortante saber que somos normais, não é? Pois é. ...

Ver mais

Mauricy Moura

Mauricy Moura

Luciano Pires -

alt
Mauricy Moura

Nascido em São Vicente – SP, a 03 de janeiro de 1926, faleceu aos 51 anos de idade.

Apelidado de Cicica por sua mãe Georgina, adicionava à sua voz personalíssima a facilidade do seu próprio acompanhamento ao violão e ainda a de solista exímio. Era olhado por muitos apenas como um boêmio sem remédio.Mas boemia está inerente à arte; uma coisa não viveria sem a outra.

Trazido à carreira artística ainda muito novo pelas mãos de sua própria mãe (profunda conhecedora que era da arte vocal), formou com seu irmão Mauricio (outro fora de série), Gentil da Silva, Edésio e Jarina Resende (e posteriormente Avelino e Rachel Tomaz) o famoso Conjunto Calunga.

Já como profissional e solista do conjunto, sempre orientados pela sua mãe Georgina, obtiveram autorização do juiz de menores para abrilhantarem as noitadas do antigo Cassino Ilha Porchat, programas na Rádio Piratininga e outros “shows” por esse Brasil afora. Mais tarde, com a dissolução do conjunto, Cicica ingressou na Rádio Atlântica de Santos, onde já havia, em criança, participado do famoso “Programa de Dª. Dindinha Sinhᔠe daí, levado pelas mãos de Silvio Caldas, em 1950, foi para São Paulo, para fazer parte do “cast” da Rádio Excelsior (antiga denominação da Rádio Nacional), juntando-se na época a Francisco Egídio; Sólon Sales; Oscar Ferreira; Cauby Peixoto; Roberto Luna; Homero Marques (outro da Baixada Santista) e logo após, para a Rádio Record, onde lhe foi oferecido programação exclusiva conquistando o famoso troféu “Roquete Pinto” como revelação do ano.

Permaneceu em São Paulo durante quase 30 anos, vivendo somente da música, e era tido como um grande nome da noite.

Filósofo por natureza tinha, paradoxalmente, na sua aparente irresponsabilidade a sua grande responsabilidade: jamais quis contrair compromisso mais sério com o amor, mas sim com a noite, com quem se acasalava nas suas serestas românticas, junto aos amigos e sob sacadas que deixavam descer corações, igualmente enamorados. Mauricy era a noite, era o canto, era a boemia pura revestida de arte, era o descompromisso com a vida com a qual estava sempre de braços dados.

Mauricy era uma pessoa que não dependia de dinheiro: desprezava-o. Ele e seu próprio valor eram medidos pela presença sempre útil, valiosa e concentradora em qualquer ambiente que freqüentasse.

Profissional e promocionalmente, não era muito divulgado, pelo seu desapego às coisas materiais, não havia dentro da noite paulistana quem o desconhecesse, tal a voz marcante que ao ser entoada o silêncio se impunha e o barulho desaparecia. Era o respeito a um canto inigualável.

Outra peculiaridade de Mauricy era que não portava documentos de espécie alguma: ele era a sua própria identificação; sua própria personalidade.

Como cantor possuía todos os dotes que alguém necessita para ser completo: grave, agudo e nuances vocais irrepreensíveis. Dava às canções que interpretava uma forma totalmente pessoal e talentosa, e não era à toa que era considerado por Silvio Caldas, Alfredo Borba, Ciro Monteiro, Elizeth Cardoso, Evaldo Rui, Wilson Batista e outros cultores da nossa música, como o mais completo seresteiro do Brasil.

Dentre inúmeras gravações, deixou interpretações primorosas de músicas que são ouvidas com emoção: “Flor de Maç㔠de Denis Brean e O. Guilherme, “Irmã da Saudade” de Portinho e João Pacifico, “Meus Tempos de Criança” de Ataulpho Alves, “Maria da Piedade” de Evaldo Rui, “Mulata”, “Vou brigar com ela”, “Nunca” e “Homenagem” de Lupiscínio Rodrigues, “Mulher” de Jorge Duarte.

Não se casou, não deixou descendente. Morreu no Hospital Santa Verônica em São Paulo, a 23 de agosto de 1977.
Está sepultado no cemitério de São Vicente, no mesmo túmulo onde repousam seus pais e o irmão Mauricio.

http://www.samba-choro.com.br/artistas/mauricymoura

http://va.mu/UiXm – Mauricy Moura – o falso boêmio

http://www.dicionariompb.com.br/mauricy-moura

http://www.baudelongplaying.com/archives/1714