s
Portal Café Brasil
Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Palestra Planejamento Antifrágil
Palestra Planejamento Antifrágil
Aproveite o embalo, pois além de ouvir a história, você ...

Ver mais

Café Brasil 787 – Reações ao Cuzão
Café Brasil 787 – Reações ao Cuzão
O Café Brasil anterior, o 786 – O Cuzão, rendeu, viu? ...

Ver mais

Café Brasil 786 – O cuzão.
Café Brasil 786 – O cuzão.
Cara, como é complicada a vida de podcaster, bicho! A ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 784 – Avatar
Café Brasil 784 – Avatar
Se você está achando complicado lidar com ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
E a educação brasileira, como é que vai, hein? Mal, não ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Menos Marx, mais Mises
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Menos Marx, mais Mises  “Apesar de ainda ser muito pouco conhecido entre os jovens brasileiros em comparação com Karl Marx, o nome do economista austríaco Ludwig von Mises se tornou um dos ...

Ver mais

Você ‘tem fé’ no Estado democrático de direito?
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Hoje, num grupo de professores, um velho colega me escreveu que “tem fé” no “Estado democrático de direito” e na “separação dos poderes”. Mas com uma ressalva: ...

Ver mais

Percepções diferentes na macro e na microeconomia
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Percepções diferentes na macro e na microeconomia “Na economia, esperança e fé coexistem com grande pretensão científica e também um desejo profundo de respeitabilidade.” John Kenneth Galbraith ...

Ver mais

Não pode nem rir
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Todo mundo (ou quase) viu nas redes sociais e nos grupos de whatsapp; vídeo de uma mulher careca de ares muito sérios discorrendo didaticamente sobre a necessidade de mudarmos nossa forma de ...

Ver mais

Cafezinho 421 – A normose
Cafezinho 421 – A normose
É confortante saber que somos normais, não é? Pois é. ...

Ver mais

Cafezinho 420 – A regra dos 30
Cafezinho 420 – A regra dos 30
Pé quente, cabeça fria, numa boa. Mas cuidado porque ...

Ver mais

Cafezinho 419 – Pau que só dá em Chico.
Cafezinho 419 – Pau que só dá em Chico.
Há quem chame isso de dissonância cognitiva, mas não é. ...

Ver mais

Cafezinho 418 – Na esquina da sua rua.
Cafezinho 418 – Na esquina da sua rua.
Você pode causar um impacto imediato, poderoso e ...

Ver mais

Roberto Ribeiro

Roberto Ribeiro

Luciano Pires -

Sambista do Império Serrano, Roberto Ribeiro construiu uma respeitável carreira de intérprete e compositor desde a segunda metade da década de 1960. De voz bem timbrada e enxuto fraseado, seu repertório incluíam sambas de todos os tipos, como afoxés, ijexás, maracatus e outros ritmos africanos. Tem mais de 20 discos gravados, com sucessos populares como as canções “Acreditar”, “Estrela de Madureira”, “Todo Menino É um Rei”, “Malandros Maneiros”, “Fala Brasil” e “Amor de Verdade”.

Filho de Antônio Ribeiro de Miranda (um jardineiro) e Júlia Maciel Miranda, Roberto era um carioca típico, apaixonado por futebol e samba. Aos nove anos de idade, trabalhava como entregador de leite. Naquele tempo, já frequentava a Escola de Samba Amigos da Farra, da cidade de Campos dos Goytacazes, e participava das festas do tradição “Boi Pintadinho”.

Ele foi jogador de futebol profissional em sua cidade natal. Depois de passagens por equipes amadoras (Cruzeiro e Rio Branco), ele se tornou goleiro do Goytacaz Futebol Clube. Era conhecido pelo apelido de “Pneu”. Em 1965, Roberto mudou-se para a cidade do Rio de Janeiro em busca de um lugar em um clube grande carioca.

Chegou a treinar no Fluminense, mas acabou desistindo da carreira e começou a trabalhar com música, a se apresentar no programa “A Hora do Trabalhador”, da Rádio Mauá, do Rio de Janeiro. Sua performance chamou a atenção da compositora Liette de Souza (que viria a ser sua esposa), irmã do compositor Jorge Lucas. Ela resolveu apresentá-lo aos sambistas da Império Serrano e Roberto passou a frequentar as rodas de samba da tradicional escola de Madureira. A diretoria da Império convidou-o para ser o puxador de samba-enredo da escola no Carnaval de 1971.

Ele aceitou, mas se afastou nos dois carnavais seguintes para gravar seus primeiros discos como cantor. A partir de 1974, Roberto Ribeiro firmou-se como puxador oficial da Império, defendendo a agremiação até o Carnaval de 1981. Dentre os grandes destaques nos desfiles cariocas, estão os sambas-enredo “Brasil, Berço dos Imigrantes”, de 1977 (feito em parceria com o cunhado Jorge Lucas), e em “Municipal Maravilhoso, 70 Anos de Glórias”, de 1979 (parceria com Jorge Lucas e Edson Passos).

Sua carreira como cantor ganhou impulso a partir de 1972 com gravações de três compactos em parceria com Elza Soares pela Odeon. Satisfeita com o sucesso dos compactos, o selo lançou o LP “Elza Soares e Roberto Ribeiro”. No ano seguinte, Roberto gravou um LP, “Simone et Roberto Ribeiro – Brasil Export 73 Agô Kelofé”, junto com a Simone, lançado pela Odeon exclusivamente para o mercado externo.

Em 1975, a mesma gravadora lançou o compacto duplo “Sucessos 4 sambas”, no qual Roberto Ribeiro interpretou “Leonel/Leonor” (de Wilson Moreira e Neizinho). Ainda neste ano, foi lançado o disco “Molejo”, que despontou com os sucessos “Estrela de Madureira” (de Acyr Pimentel e Cardoso) e “Proposta amorosa” (de Monarco) e chamou a atenção da crítica. No ano seguinte, foi lançado “Arrasta Povo”, LP que destacou mais dois grandes sucessos nas rádios de todo o Brasil: “Tempo É” (de Zé Luiz e Nelson Rufino) e “Acreditar” (de Dona Ivone Lara e Délcio Carvalho).

Gravou em 1977 o LP “Poeira Pura”, onde se destacou “Liberdade” (de Dona Ivone Lara e Délcio Carvalho). Um ano depois, foi lançado o álbum “Todo Menino É Um Rei”, que o colocou outra vez nas lista dos discos mais vendidos, puxado pelos sucessos da faixa-título (de Nelson Rufino e Zé Luiz), de “Amei demais” (de Flávio Moreira e Liette de Souza), de “Isso não são horas” (de Catoni, Chiquinho e Xangô da Mangueira) e de “Meu drama” (de Silas de Oliveira e J. Ilarindo) – esta incluída também na trilha sonora da novela “Pai Herói”, da Rede Globo. Em 1979, foi a vez do lançamento do LP “Coisas da Vida”, que teve entre as mais tocadas “Vazio” (de Nelson Rufino), também conhecida na época como “Está faltando uma coisa em mim”, e “Partilha” (de Romildo e Sérgio Fonseca).

No início da década de 1980, Roberto gravou “Fala meu povo”. Neste LP, de 1980, constavam algumas composições de sua autoria como “Vem” (parceria com Toninho Nascimento) e sucessos como “Só chora quem ama” (de Wilson Moreira e Nei Lopes) e “Quem lucrou fui eu” (Monarco). Em 1981, foi lançado “Massa, raça e emoção”, com o sucesso “Santa Clara Clareou” (de Zé Baiano do Salgueiro).

Em 1983, foi lançado o disco “Roberto Ribeiro”, com o sucesso “Algemas” (parceria com Toninho Nascimento). Em 1984, no seu LP “De Palmares ao tamborim”, obteve êxito com “Lágrima Morena” (outra parceria sua com Toninho Nascimento). Naquele ano participou do disco “Partido alto nota 10”, de Aniceto do Império, no qual interpretaram em dueto a faixa “Chega Devagar”, de autoria de Aniceto do Império.

Em 1985, foi lançado o LP “Corrente de Aço”, que contou com a participação de Chico Buarque de Hollanda na música “Quem te viu, quem te vê” (do próprio Chico) e de Nei Lopes, em “Malandros maneiros” (Nei Lopes e Zé Luiz). Em 1987, Roberto Ribeiro gravou o disco “Sorri pra Vida”, obtendo sucesso com a faixa “Ingrata Paixão” (de Mauro Diniz, Adílson Victor e Ratinho) e, um ano depois, “Roberto Ribeiro”, que contou com a participação especial de Alcione na faixa “Mel pra minha dor” (de Nelson Rufino e Avelino Borges) e do Grupo Raça, em “Malandro mais um” (de Ronaldinho e Carlos Moraes).

Passou a sofrer de um seriíssimo problema de vista e, em Janeiro de 1996, faleceu em virtude um atropelamento no bairro de Jacarepaguá, Rio de Janeiro. Perdeu um olho em razão de uma contaminação por fungo agravada pelo diabetes).

Um ano antes, em 1995, a EMI-Odeon lançou a coletânea “O Talento de Roberto Ribeiro”, na qual compilou 22 sucessos de seus vários discos. Roberto participara ainda naquele ano do disco-homenagem “Clara Nunes com Vida”, produzido por Paulo César Pinheiro, no qual interpretou (com sua voz acrescida posteriormente) um dueto com Clara Nunes, “Coisa da Antiga” (de Wilson Moreira e Nei Lopes).

Sua vida foi contada em livro de autoria de sua própria esposa, Liette de Souza Maciel, com o título “Dez anos de saudade” (Potiguar Editora).

http://www.dicionariompb.com.br/roberto-ribeiro


Roberto Ribeiro

[youtube]oHv-m7YlSqc[/youtube]
[youtube]dm2u9T9nc74[/youtube]
[youtube]dduV3HNuq2U[/youtube]