s
Portal Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 788 – Love, Janis
Café Brasil 788 – Love, Janis
Janis Joplin era uma garota incompreendida, saiu da ...

Ver mais

Café Brasil 787 – Reações ao Cuzão
Café Brasil 787 – Reações ao Cuzão
O Café Brasil anterior, o 786 – O Cuzão, rendeu, viu? ...

Ver mais

Café Brasil 786 – O cuzão.
Café Brasil 786 – O cuzão.
Cara, como é complicada a vida de podcaster, bicho! A ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
E a educação brasileira, como é que vai, hein? Mal, não ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Menos Marx, mais Mises
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Menos Marx, mais Mises  “Apesar de ainda ser muito pouco conhecido entre os jovens brasileiros em comparação com Karl Marx, o nome do economista austríaco Ludwig von Mises se tornou um dos ...

Ver mais

Você ‘tem fé’ no Estado democrático de direito?
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Hoje, num grupo de professores, um velho colega me escreveu que “tem fé” no “Estado democrático de direito” e na “separação dos poderes”. Mas com uma ressalva: ...

Ver mais

Percepções diferentes na macro e na microeconomia
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Percepções diferentes na macro e na microeconomia “Na economia, esperança e fé coexistem com grande pretensão científica e também um desejo profundo de respeitabilidade.” John Kenneth Galbraith ...

Ver mais

Cafezinho 423 – Capital social? Só se der lucro.
Cafezinho 423 – Capital social? Só se der lucro.
Estamos perdendo aquilo que o cientista político e ...

Ver mais

Cafezinho 422 – A política do ódio
Cafezinho 422 – A política do ódio
Não siga a maioria só porque é maioria. Não siga a moda ...

Ver mais

Cafezinho 421 – A normose
Cafezinho 421 – A normose
É confortante saber que somos normais, não é? Pois é. ...

Ver mais

Cafezinho 420 – A regra dos 30
Cafezinho 420 – A regra dos 30
Pé quente, cabeça fria, numa boa. Mas cuidado porque ...

Ver mais

Sylvester Stallone

Sylvester Stallone

Luciano Pires -

Em sua vida familiar, Stallone é o mais velho de dois filhos do cabeleireiro Frank Stallone Sr, imigrante italiano e da dançarina Jacqueline “Jackie” Labofish, astróloga americana com descendência judaica.

As marcas registradas de Sylvester Stallone são seus olhos caídos, sua voz rouca, sua boca parcialmente paralisada . Tudo isso sendo resultado pela danificação de um nervo facial, atingido pelo fórceps durante o parto. Essas anormalidades, unidas ao seu nome, fizeram com que tivesse algumas dificuldades durante sua infância em Nova Iorque. Sly foi expulso de catorze escolas na sua infância, devido ao mau comportamento.

Quando tinha quinze anos, ele finalmente chegou a Devereaux Manor, uma escola particular para jovens problemáticos em Berwyn, na Pensilvânia. Seu fraco desempenho na vida acadêmica lhe deixou poucas opções de faculdade. Muito jovem para se alistar na Marinha, Stallone entrou numa escola de beleza, onde tempos depois descobriu que tinha poucas habilidades para o ofício.

Conseguiu uma bolsa de estudos para um colégio americano na Suíça, onde pagava suas aulas de arte dramática ensinando educação física a garotas. Voltou aos Estados Unidos e entrou no departamento de artes dramáticas da Universidade de Miami. Seus professores tentaram desencorajá-lo da carreira de ator e pouco antes de se formar, Stallone desistiu e foi para Nova Iorque. Sua mãe havia previsto, baseada em cálculos astrológicos, que iria batalhar muito por sete anos e que, depois, ele faria sucesso como roteirista.

Stallone começou a escrever roteiros, a maioria com os pseudônimos Q. Moonblood e J.J. Deadlock. Fez diversos trabalhos extras para pagar seu aluguel, como por exemplo, limpar a jaula dos leões no zoológico e atuar como lanterninha de cinema.

Os primeiros papéis de Stallone foram inexpressivos. A carreira de Stallone começou com uma atuação em um filme pornô softcore, Party at Kitty and Stud’s. O filme era originalmente hardcore, mas a segunda versão da fita foi censurada, fazendo com que a cena fosse cortada assim que houvesse alguma ação hardcore. Tempos depois, quando Stallone já estava consagrado, trocou-se o nome do filme para “O Garanhão Italiano” (Italian Stallion).

Atuou como um bandido de metrô em Bananas, de Woody Allen, no ano de (1971) e teve uma ponta em The Prisoner of Second Avenue (br: O Prisioneiro da Segunda Avenida), lançado em (1974). Também fez um dos papéis principais de The Lords of Flatbush, no mesmo ano de 1974. Já no ano de 1975, atuou em Farewell, My Lovely (br: O Último dos Valentões), Capone e Death Race 2000 (br: Corrida da Morte – Ano 2000). Stallone também teve pequenas aparições em seriados de TV como Police Story e Kojak.

O pequeno papel em The Lords of Flatbush o convenceu a tentar carreira em Hollywood. Tentando conseguir um trabalho como roteirista, o jovem resolveu assistir a uma luta entre Muhammad Ali e Chuck Wepner, um boxeador pouco conhecido. Quando a luta terminou, Stallone teve a ideia de um roteiro e levou somente três dias para escrever a história do boxeador Rocky Balboa. Stallone escreveu o roteiro e tentou vendê-lo para um estúdio de Hollywood por anos. Quando conseguiu, impôs a condição de ser o protagonista.

Diversos produtores se interessaram pela história, mas relutavam em aceitar Stallone no papel principal (eles estavam tentando contratar Ryan O’Neal). Sly conseguiu o que queria e Rocky foi filmado com poucas verbas em menos de um mês. O filme foi um estrondoso sucesso de bilheteria em 1976, sendo indicado a dez Oscars, e chegou a ganhar três deles (melhor filme, melhor edição e melhor direção) e Rambo (1982), seguido posteriormente continuações de Rambo II (1985), Rambo III (1988) e Rambo IV (2007). Rocky (br: Rocky, um Lutador) custou por volta de 1,1 milhão de dólares para ser produzido e arrecadou 225 milhões de dólares por todo o planeta. Stallone escreveu, dirigiu e atuou em todas as quatro continuações da série (apenas Rocky V contou com o diretor original do primeiro filme, John G. Avildsen).

Essa ligação com o boxe o levou a participar anos depois do reality show The Contender. As tentativas de Stallone de ampliar seu sucesso, produzindo, dirigindo e ajudando a escrever alguns filmes, tais como: Tango & Cash, e Staying Alive (br: Os Embalos de Sábado Continuam), acabaram não dando muito certo, fazendo com que ele tivesse de voltar à série Rocky diversas vezes, incluindo os anos de (1979, 1982, 1985 e 1990) para cobrir os fracassos.

Em Dezembro de 2006 lançou o sexto filme (quinta continuação), com o nome de Rocky Balboa, que fechou a saga. Em 2007 ele filmou a continuação de outro grande sucesso seu, Rambo IV, que estreou no Brasil em 29 de fevereiro de 2008.

Em 2008, visitou o Rio de Janeiro para encontrar locações para seu novo filme, The Expendables (br: Os Mercenários), que é histórico por ter a inédita parceria entre Sly e seu ex-rival Arnold Schwarzenegger, bem como por um conjunto de astros de filmes de ação: Jet Li, Jason Statham, Dolph Lundgren e a brasileira (de origem mexicana) Giselle Itié, entre outros. As suas filmagens começaram em meados de 2009, com o elenco indo à Mangaratiba, interior do estado do Rio.

http://sylvesterstallone.com/ – em inglês

http://www.stallonebrasil.com/


Sylvester Stallone

[youtube]S_UC2AyhYQk[/youtube]
[youtube]aQPdHJG2Emw[/youtube]
[youtube]cDthbMdZkpI[/yotube]