s
Portal Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 788 – Love, Janis
Café Brasil 788 – Love, Janis
Janis Joplin era uma garota incompreendida, saiu da ...

Ver mais

Café Brasil 787 – Reações ao Cuzão
Café Brasil 787 – Reações ao Cuzão
O Café Brasil anterior, o 786 – O Cuzão, rendeu, viu? ...

Ver mais

Café Brasil 786 – O cuzão.
Café Brasil 786 – O cuzão.
Cara, como é complicada a vida de podcaster, bicho! A ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
E a educação brasileira, como é que vai, hein? Mal, não ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Menos Marx, mais Mises
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Menos Marx, mais Mises  “Apesar de ainda ser muito pouco conhecido entre os jovens brasileiros em comparação com Karl Marx, o nome do economista austríaco Ludwig von Mises se tornou um dos ...

Ver mais

Você ‘tem fé’ no Estado democrático de direito?
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Hoje, num grupo de professores, um velho colega me escreveu que “tem fé” no “Estado democrático de direito” e na “separação dos poderes”. Mas com uma ressalva: ...

Ver mais

Percepções diferentes na macro e na microeconomia
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Percepções diferentes na macro e na microeconomia “Na economia, esperança e fé coexistem com grande pretensão científica e também um desejo profundo de respeitabilidade.” John Kenneth Galbraith ...

Ver mais

Cafezinho 424 – Desimportância
Cafezinho 424 – Desimportância
Hoje, com todas as facilidades na mão, estamos fugindo ...

Ver mais

Cafezinho 423 – Capital social? Só se der lucro.
Cafezinho 423 – Capital social? Só se der lucro.
Estamos perdendo aquilo que o cientista político e ...

Ver mais

Cafezinho 422 – A política do ódio
Cafezinho 422 – A política do ódio
Não siga a maioria só porque é maioria. Não siga a moda ...

Ver mais

Cafezinho 421 – A normose
Cafezinho 421 – A normose
É confortante saber que somos normais, não é? Pois é. ...

Ver mais

Vicente Leporace

Vicente Leporace

Luciano Pires -

Muito inteligente e vivo, ainda era quase um menino, quando começou sua carreira na Rádio Clube  Hertz de Franca, a convite do amigo Blota Junior. Entrou na profissão com um apetite voraz pelo trabalho. E fez de tudo.

Começou como varredor de estúdio, mas logo passou a  radioator.   Quis  também ser discotecário e programador.  Em seguida ,Leporace e seu amigo e conterrâneo Xisto Guzzi, quiseram fazer vôo maior. Foram para Santos, pois a cidade praiana tinha movimento de cassinos, e cafés. Era uma época áurea. Lá estava Leporace, que realmente tinha pendor e qualidades para a profissão. Ao mesmo tempo trabalhava na Rádio Atlântica de Santos. E fez uma peça teatral, sob a direção de Armando Rosas .

Em 6 de maio de 1937, numa quinta feira, Leporace   na capital paulista, recebia 200 convidados para a inauguração da Sociedade Brasileira de Rádio-Difusão, PRH9, com  a companhia entusiasmada de José Nicolini, nome importante em São Paulo, no mundo radiofônico. Um lindo palco, todo ornamentado para a festa de inauguração e uma programação elitista, como desejava Nicolini. Leporace, porém, logo quis popularizar a emissora e contratou cantores, para irem fazendo o crescimento da audiência. Assim contratou um grupo musical, a que deu o nome de Demônios da Garôa. Foi um sucesso.

Leporace não parava. Logo já era  o discotecário chefe. Entendia muito de música. E achou tempo também para participar de vários filmes, como ator.  Participou de: “Luar do Sertão”; “Sai da Frente”; “Nadando em Dinheiro”; “Sinha Moça”;”Uma Pulga na Balança”; “É Proibido Beijar”; “Na Senda do Crime”; “Carnaval em Lá Maior”.Fez alguns filmes de Mazzaropi.

Passou por diversas emissoras e percebeu que o que gostava mais era de jornalismo.Em janeiro de 1951 lançou na PRB9-Rádio Record de São, o programa jornalístico “Jornal da Manhã”, um informativo que ele mesmo escrevia  e apresentava. Ali  ficou onze anos. Depois disso passou,para ter melhoria financeira, para a Rádio Bandeirantes.

Foi na Bandeirante que ele lançou o seu “Trabuco”. E estourou. O programa tinha noticias gerais, era um informativo, mas tinha também o comentário de Vicente Leporace. Quando ele “empunhava ” o seu trabuco e censurava alguém, ou algum acontecimento político ou social, todos tremiam. Ele sempre se responsabilizou por suas opiniões, mas nem por isso deixou de ser chamado inúmeras vezes para a Delegacia de Ordem Política e Social, de onde ficou hóspede  muitas vezes.. Tornou-se um símbolo da defesa os oprimidos.

Ele apresentava o “Trabuco” de peito aberto, mesmo que sob a mira de um fuzil.Isso aconteceu principalmente durante o período do regime militar de 1964. Durante 16 anos seguidos Leporace apresentou seu programa, sendo até hoje conhecido como: “o homem do trabuco”.

Vicente Leporace foi também da televisão. Ele esteve por vários anos na TV Bandeirantes. Foi o apresentador do “Gincana Kibon”, ao lado de Clarisse Amaral. Era  um programa para crianças , onde o apresentador se transformava e era muito querido de todos. E que ficou também 16 anos no ar.

Apresentou também, ao lado de nomes importantes, como Maurício Loureiro Gama , José Paulo de Andrade, Murilo Antunes Alves e outros,o jornal: “Titulares da Notícia”.

Vicente Leporace foi um ícone do rádio e da televisão brasileira. Seu nome ainda é citado como referência. Nunca houve, nem há, quem o critique. Só elogios, nos seus 50 anos de profissão.

Vicente Leporace faleceu em 16 de abril de 1978,  na capital  paulista. No bairro de Campo Belo há uma  rua com o nome do radialista Vicente Leporace.


Vicente Leporace