s
Portal Café Brasil
Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Palestra Planejamento Antifrágil
Palestra Planejamento Antifrágil
Aproveite o embalo, pois além de ouvir a história, você ...

Ver mais

Café Brasil 787 – Reações ao Cuzão
Café Brasil 787 – Reações ao Cuzão
O Café Brasil anterior, o 786 – O Cuzão, rendeu, viu? ...

Ver mais

Café Brasil 786 – O cuzão.
Café Brasil 786 – O cuzão.
Cara, como é complicada a vida de podcaster, bicho! A ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 784 – Avatar
Café Brasil 784 – Avatar
Se você está achando complicado lidar com ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
E a educação brasileira, como é que vai, hein? Mal, não ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Menos Marx, mais Mises
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Menos Marx, mais Mises  “Apesar de ainda ser muito pouco conhecido entre os jovens brasileiros em comparação com Karl Marx, o nome do economista austríaco Ludwig von Mises se tornou um dos ...

Ver mais

Você ‘tem fé’ no Estado democrático de direito?
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Hoje, num grupo de professores, um velho colega me escreveu que “tem fé” no “Estado democrático de direito” e na “separação dos poderes”. Mas com uma ressalva: ...

Ver mais

Percepções diferentes na macro e na microeconomia
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Percepções diferentes na macro e na microeconomia “Na economia, esperança e fé coexistem com grande pretensão científica e também um desejo profundo de respeitabilidade.” John Kenneth Galbraith ...

Ver mais

Não pode nem rir
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Todo mundo (ou quase) viu nas redes sociais e nos grupos de whatsapp; vídeo de uma mulher careca de ares muito sérios discorrendo didaticamente sobre a necessidade de mudarmos nossa forma de ...

Ver mais

Cafezinho 421 – A normose
Cafezinho 421 – A normose
É confortante saber que somos normais, não é? Pois é. ...

Ver mais

Cafezinho 420 – A regra dos 30
Cafezinho 420 – A regra dos 30
Pé quente, cabeça fria, numa boa. Mas cuidado porque ...

Ver mais

Cafezinho 419 – Pau que só dá em Chico.
Cafezinho 419 – Pau que só dá em Chico.
Há quem chame isso de dissonância cognitiva, mas não é. ...

Ver mais

Cafezinho 418 – Na esquina da sua rua.
Cafezinho 418 – Na esquina da sua rua.
Você pode causar um impacto imediato, poderoso e ...

Ver mais

Walter Wanderley

Walter Wanderley

Luciano Pires -

Iniciou sua carreira profissional em Pernambuco.

No final da década de 1950, mudou-se se para São Paulo, onde passou a atuar com o conjunto do Bar Claridge.

Mais tarde, atuou com o conjunto da Boate Oásis, levado por Isaura Garcia, com quem veio a se casar.

Sua primeira gravação foi registrada em 1959, tocando órgão na faixa “E daí?” (Miguel Gustavo), em disco de Isaura Garcia lançado pela gravadora Odeon.

Atuou nas boates Michel e Rêverie, tocou em bailes e apresentou-se em programas de televisão.

Em 1960, foi convidado para trabalhar no Captain’s Bar do Hotel Comodoro, com o grupo que passou a se chamar Walter Wanderley e seu Conjunto, com o qual acompanhou, em gravações e programas de televisão, diversos cantores como Isaura Garcia, com quem foi casado, Dóris Monteiro, João Gilberto, Morgana e Francisco Egídio, entre outros.

No início da década de 1960, gravou os LPs “Eu, você e Walter Wanderley” (1960), “Walter Wanderley” (1961) e “Sucessos dançantes em ritmo de romance” (1961).

Em 1962, lançou os LPs “O sucesso é samba” e “Samba é samba com Walter Wanderley”, que incluiu “O barquinho” (Menescal e Bôscoli) e “Palhaçada” (Haroldo Barbosa e Luis Reis), entre outras.

Em 1963, lançou o LP “O samba é mais samba com Walter Wanderley”, registrando “Corcovado” (Tom Jobim) e “A mesma rosa amarela” (Capiba e Carlos Pena Filho), e o LP “Walter Wanderley e o bolero”, com destaque para as faixas “Sabor a mi” (Álvaro Carrilho) e “Solamente una vez” (Agustin Lara), e “Samba no esquema de Walter Wanderley”.

Em 1964, mudou a formação de seu conjunto.

Apresentou-se no Juan Sebastian Bar e fechou contrato com a gravadora Philips, que lançou, ainda nesse ano, os LPs “Entre nós” e “Órgão, sax e sexy”, com Portinho, e “O toque inconfundível de Walter Wanderley”.

No ano seguinte, gravou os LPs “O autêntico Walter Wanderley”, “Samba só” e “Quarteto Bossamba”.

Em 1966, lançou o LP “Sucessos + Boleros = Walter Wanderley”. Transferiu-se, nesse ano, para os Estados Unidos, onde viveu até o final de sua vida. Ainda em 1966, gravou “Samba de Verão” (c/ Paulo Sérgio Valle), alcançando o 2º lugar nas paradas de sucesso norte-americanas.

São também da década de 1960 seus LPs “Rainforest” (1966), “A certain smile, a certain sadness”, gravado com Astrud Gilberto, “Chegança” (1967), “Popcorn” (1967), com Luiz Henrique, “Kee-ka-roo” (1967), “Batucada” (1968), “When it was done” (1968) e “Moondreams” (1969).

Na década de 1970, lançou os LPs “The return of the original Walter Wanderley sound” (1971) e “Brazil’s greatest hits!” (1972).

Em 1981, gravou o LP “Perpetual motion love”.

Faleceu em São Francisco, no dia 1 de setembro de 1986. Dez anos depois, foram lançadas as coletâneas “The fantastic Walter Wanderley – Boss of the bossa nova” e “Samba swing!”.


Walter Wanderley

[youtube]i9aftG6pyb[/youtube]
[youtube]39m2lt5q7Qk[/youtube]