s
Portal Café Brasil
Isca Intelectual – O Tema da Vitória
Isca Intelectual – O Tema da Vitória
Senna foi o típico exemplo de que para saber algo, só ...

Ver mais

5o. Sarau Café Brasil
5o. Sarau Café Brasil
Depois da Pandemia, está de volta o #Sarau Café Brasil, ...

Ver mais

Isca Intelectual: o poder da autenticidade
Isca Intelectual: o poder da autenticidade
Coisas que só acontecem quando somos autênticos, quando ...

Ver mais

Isca Intelectual: a emoção de se mostrar humano
Isca Intelectual: a emoção de se mostrar humano
É a emoção de se mostrar humano que fará com que você ...

Ver mais

Café Brasil 821 – O amor que nunca morre
Café Brasil 821 – O amor que nunca morre
A Pandemia causou prejuízos em todas as esferas de ...

Ver mais

Café Brasil 820 – My Generations
Café Brasil 820 – My Generations
O conflito de gerações está presente desde o princípio ...

Ver mais

Café Brasil 819 – Num sei por que tô tão feliz
Café Brasil 819 – Num sei por que tô tão feliz
E aí? Como é que você tá, hein? Apanhando da vida? Ela ...

Ver mais

Café Brasil 818 – A cultura do cancelamento
Café Brasil 818 – A cultura do cancelamento
Você sabe o que é cultura do cancelamento? Na ...

Ver mais

LíderCast 235 – Gilberto Lopes
LíderCast 235 – Gilberto Lopes
Hoje a conversa é com Gilberto Lopes, o Giba, que é CEO ...

Ver mais

LíderCast 234 – Danilo Cavalcante
LíderCast 234 – Danilo Cavalcante
Hoje o convidado é o Danilo Cavalcante, que se diz ...

Ver mais

LíderCast 233 – Flavia Zülzke
LíderCast 233 – Flavia Zülzke
Flavia Zülzke é Head de Marketing, Branding, ...

Ver mais

LíderCast 232 – Giovanna Mel
LíderCast 232 – Giovanna Mel
Hoje a convidada é Giovanna Mel, comunicadora e ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 7 – Silogismo Simples (parte 1)
Alexandre Gomes
Como mencionado na lição anterior, vamos agora tratar de silogismo – que é o raciocínio mais associado à lógica.   Definição: O silogismo é um ATO DE RACIOCÍNIO pelo qual a mente ...

Ver mais

Ser ou não ser criativo: eis a questão
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Ser ou não ser criativo? Eis a questão  “Criatividade é a inteligência se divertindo.” Albert Einstein Nos eventos voltados ao lançamento do livro Economia + Criatividade = Economia Criativa, ...

Ver mais

Diferentes gerações, diferentes traumas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Inflação e crescimento: diferentes gerações, diferentes traumas “Vejo o Brasil como um país que viveria os ideais do crescimento sustentável. É o lugar mais bonito do mundo e integrar o mundo ...

Ver mais

Segura o Tchan
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O Carnaval de 1996 coroou o sucesso da banda de axé É o Tchan/Gera Samba, liderada por Compadre Washington, com a música-chiclete Segura o Tchan. Além da letra – digamos – exótica, a dançarina ...

Ver mais

Cafezinho 490 – Seja ignorante, por favor!
Cafezinho 490 – Seja ignorante, por favor!
A única certeza que podemos ter é que nas questões ...

Ver mais

Cafezinho 489 – Lucrando na crise
Cafezinho 489 – Lucrando na crise
Há muito tempo compreendi que as pessoas apreendem ...

Ver mais

Cafezinho 488 – Quanta porcaria.
Cafezinho 488 – Quanta porcaria.
Parece que estamos sob um surto psicótico planetário, ...

Ver mais

Cafezinho 487 – A ditadura de precisão
Cafezinho 487 – A ditadura de precisão
Foi-se o tempo da truculência, do tiro, porrada e ...

Ver mais

Zé da Velha e Silvério Pontes

Zé da Velha e Silvério Pontes

Luciano Pires -

Nascido em Sergipe, Zé da Velha (José Alberto Rodrigues Matos) foi influenciado musicalmente pelo pai, alfaiate profissional e flautista e saxofonista amador. Já morando no Rio, aos 15 anos começou a tocar trombone, primeiro de pistão, mais tarde de vara. Logo cedo se enturmou com músicos de gafieira, sambistas e chorões da Velha Guarda, de onde veio o apelido que virou nome artístico. Paralela à atividade de instrumentista, trabalhou em companhias aéreas por mais de 40 anos, até se aposentar.

O trompetista Silvério Pontes, 20 anos mais jovem que Zé da Velha, transita pela área do choro e tocou ao lado de artistas como Luiz Melodia, Tim Maia, Elza Soares e integra o naipe de metais do grupo de reggae Cidade Negra. A parceria entre Silvério e Zé da Velha começou em 1991, e deu tão certo que os dois passaram a se apresentar juntos e em 1995 gravaram o disco “Só Gafieira”, indicado para o prêmio Sharp. Em 1999 veio o segundo CD, “Tudo Dança — Choros, Maxixes, Sambas”, trazendo faixas como “Bole Bole” (Jacob do Bandolim), “O Bom Filho a Casa Torna” (Bonfiglio de Oliveira) e “Pra Machucar Meu Coração” (Ary Barroso). No ano seguinte veio “Ele e Eu”, com repertório de choros e sambas.

O trombonista Zé da Velha e o trompetista Silvério Pontes são dois representantes do que há de melhor na música brasileira. Junta há 21 anos, a dupla já participou de inúmeras gravações importantes, de nomes como Ney Matogrosso, Beth Carvalho, Martinho da Vila e Yamandu Costa. Desde que foi criada, em 2001, a Biscoito Fino – a gravadora que mais vem dando espaço à MPB esquecida pelas multinacionais – já convidou Zé da Velha e Silvério Pontes para vários projetos, entre eles o tributo Ao Jacob, Seus Bandolins, com regravações dos maiores clássicos do chorão.

Jacob do Bandolim, aliás, não é  personagem estranho para Zé da Velha, que tocou com ele e outros gênios do choro como Paulo Moura, Waldir Azevedo e o mestre Pixinguinha.

Mas, sozinha, a dupla gravou pouco. Foram apenas quatro discos, sendo que o primeiro, Só Gafieira, saiu apenas em 1995, pelo selo Kuarup. “No Brasil, quando se toca música instrumental, não acreditam na gente enquanto não gravamos nosso primeiro disco”, lamenta Silvério Pontes, lembrando que, mesmo assim, para o primeiro disco a Kuarup queria apenas a presença de Zé da Velha. “Mas ele bateu o pé e exigiu minha presença. Até hoje esse é o nosso disco mais vendido.”

O mais recente trabalho da dupla é Samba Instrumental, gravado em novembro de 2002 no Teatro Municipal de Niterói e lançado em 2003 por um selo da Prefeitura do município fluminense. O nome do disco já diz tudo. Mantendo seu clima de gafieira característico, Zé da Velha e Silvério Pontes – acompanhados por Charles da Costa (violão), Alessandro Cardoso (cavaquinho), Carlinhos Sete Cordas (violão 7 cordas) e Jacaré, Rodrigo de Jesus, Netinho e Marcelo Pizzotti (percussão) – relêem grandes clássicos do samba em forma de choro.

http://zedavelhaesilveriopontes.blogspot.com/


Zé da Velha e Silvério Pontes

[youtube]fuHAe2VIQAI[/youtube]
[youtube]64rUfSSs4f0[/youtube]
[youtube]3L1zB6IbHjw[/youtube]