s
Iscas Intelectuais
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

Café Brasil 932 – Não se renda
Café Brasil 932 – Não se renda
Em "Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith", ...

Ver mais

Café Brasil 931 – Essa tal felicidade
Café Brasil 931 – Essa tal felicidade
A Declaração de Independência dos Estados Unidos foi um ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

LíderCast 325 – Arthur Igreja
LíderCast 325 – Arthur Igreja
O convidado de hoje é Arthur Igreja, autor do ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial   “O capitalismo é, essencialmente, um processo de mudança econômica (endógena). O capitalismo só pode sobreviver na ...

Ver mais

Cafezinho 632 – A quilha moral
Cafezinho 632 – A quilha moral
Sua identidade não vem de suas afiliações, ou de seus ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

Cafezinho 629 – O luto político
Cafezinho 629 – O luto político
E aí? Sofrendo de luto político? Luto político é quando ...

Ver mais

Cansei de escritórios divertidos

Cansei de escritórios divertidos

Mauro Segura - Transformação -

Um dos meus primeiros empregos foi numa indústria no subúrbio do Rio de Janeiro. Eu trabalhava com pessoas maravilhosas que me ensinaram muito, com camaradagem e generosidade, todas simples e com um sorriso eterno no rosto. Meu chefe era um sujeito complexo, cheio de manias, mas tinha um coração maior que ele próprio. O lugar era pequeno, espartano, mal iluminado, com máquinas antigas, algumas obsoletas, e limpeza não era um grande destaque. Apesar de tudo, eu adorava aquilo. Até hoje essa experiência ocupa um lugar carinhoso na minha memória.

Nos últimos anos, a grande mídia passou a publicar matérias celebrando locais de trabalho alternativos, alguns repletos de equipamentos para diversão, até com escorregadores, mesas de jogos e puffs em formatos bem estranhos. Em alguns escritórios rola até comida grátis ao longo do dia. Tudo isso é muito bacana. Eu realmente acho legal e acredito que muitos considerarão isso como um enorme diferencial para escolher um lugar para trabalhar. O que me incomoda é a supervalorização dada a esse mundo de entretenimento e lazer. Afinal, as paredes coloridas não valem de nada se os seus colegas de trabalho são cinza.

Recentemente, dentro do avião, numa ponte área do Rio para Sampa, li uma matéria na revista da Gol número 171 chamada “Aqui é trabalho!”. A matéria começa assim: “Imagine trabalhar olhando para o mar azul transparente das Filipinas, com direito a mergulhos esporádicos entre um e-mail e outro. Parece bom demais para ser verdade. Pois foi assim que o casal de publicitários Manoela Pontual e Raphael Rotta, 27 anos, decidiu viver. Eles não tiraram um ano sabático nem largaram tudo. Apenas perceberam que, graças à tecnologia, poderiam fazer seu trabalho de qualquer canto do mundo”. A matéria segue falando de gente que trabalha em lugares diferentes, com jornada hiper blaster flexível no trabalho, home office e ambientes de trabalho super transados. A matéria basicamente louva a flexibilidade no trabalho e enaltece quem pode ser dono do próprio tempo e não ter a presença de um chefe.

Obviamente que escritórios com espaços para diversão e home office são coisas legais, realmente agregam mais qualidade de vida e satisfação no trabalho, mas não são tão essenciais quanto todas essas matérias falam. Trabalhar num lugar com móveis transados é bacana, mas o importante não é o lugar onde você trabalha, mas é com quem você trabalha, e qual é o real propósito da empresa na qual você sua a camisa todos os dias. Essas são as partes mais importantes da equação.

Um artigo chamado Para Modernizar as Organizações, Precisamos Muito Mais do que Paredes Coloridas e Comida Grátis, assinado por Ligia Zotini, faz uma reflexão maravilhosa e traduz exatamente o que penso a respeito dessa ode exagerada às paredes coloridas. De que valem as paredes e o mobiliário moderno sem as pessoas? Na verdade, o que faz o ambiente de trabalho ficar colorido são as pessoas.

São as pessoas que devem ser coloridas e divertidas. Pessoas alegres, confiantes e com propósito são capazes de colorir qualquer ambiente cinza. Você trabalha em um lugar que te permite se desenvolver profissionalmente? Existe um ambiente saudável de confiança e relacionamento? O seu chefe é seu parceiro nos bons e maus momentos? A empresa na qual trabalha tem um propósito digno que vai muito além de meramente buscar o lucro? O seu trabalho ajuda você a se tornar um ser humano melhor? Essas são questões importantes, independentemente da cor da parede e do estilo da cadeira.

Portanto, prometi a mim mesmo que não vou mais ler matérias sobre escritórios molico, paredes coloridas no trabalho, bilhares, comida grátis e escritórios no mar azul das Filipinas. Já deu! Em vez de ler sobre paredes coloridas, eu quero ler sobre pessoas coloridas.

Ver Todos os artigos de Mauro Segura