s
Iscas Intelectuais
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 928 – Preguiça Intelectual
Café Brasil 928 – Preguiça Intelectual
Láááááááá em 2004 eu lancei meu livro Brasileiros ...

Ver mais

Café Brasil 927 – Quando a água baixar
Café Brasil 927 – Quando a água baixar
A história de Frodo Bolseiro em "O Senhor dos Anéis" ...

Ver mais

Café Brasil 926 – Definição de Gaúcho – Revisitado
Café Brasil 926 – Definição de Gaúcho – Revisitado
Então... diante dos acontecimentos dos últimos dias eu ...

Ver mais

Café Brasil 925 – No Beyond The Cave
Café Brasil 925 – No Beyond The Cave
Recebi um convite para participar do podcast Beyond The ...

Ver mais

LíderCast 322 – Rodrigo Rezende
LíderCast 322 – Rodrigo Rezende
Rodrigo Rezende, carioca, empreendedor raiz, um dos ...

Ver mais

LíderCast 321 – Rafael Cortez
LíderCast 321 – Rafael Cortez
Tá no ar o #LC321 O convidado de hoje é Rafael Cortez, ...

Ver mais

LíderCast 320 – Alessandra Bottini
LíderCast 320 – Alessandra Bottini
A convidada de hoje é Alessandra Bottini, da 270B, uma ...

Ver mais

LíderCast Especial – Rodrigo Gurgel – Revisitado
LíderCast Especial – Rodrigo Gurgel – Revisitado
No episódio de hoje a revisita a uma conversa que foi ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Americanah
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Americanah   “O identitarismo tem duas dimensões, uma dimensão intelectual e uma dimensão política, que estão profundamente articuladas, integradas. A dimensão intelectual é resultado ...

Ver mais

A tragédia e o princípio da subsidiariedade
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A tragédia e o princípio da subsidiariedade “Ações que se limitam às respostas de emergência em situações de crise não são suficiente. Eventos como esse – cada vez mais comuns por ...

Ver mais

Percepções opostas sobre a Argentina
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Percepções opostas sobre a Argentina “A lista de perrengues diários e dramas nacionais é grande, e a inflação, com certeza, é um dos mais complicados. […] A falta de confiança na ...

Ver mais

Economia + Criatividade = Economia Criativa
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Economia + Criatividade = Economia Criativa Já se encontra à disposição no Espaço Democrático, a segunda edição revista, atualizada e ampliada do livro Economia + Criatividade = Economia ...

Ver mais

Cafezinho 625 – Fake news que matam
Cafezinho 625 – Fake news que matam
Há tempos eu digo que saímos da Sociedade da Informação ...

Ver mais

Cafezinho 624 – Desastres não naturais
Cafezinho 624 – Desastres não naturais
Ao longo dos anos, o Brasil experimentou uma variedade ...

Ver mais

Cafezinho 623 – Duas lamas, duas tragédias
Cafezinho 623 – Duas lamas, duas tragédias
O Brasil está vivenciando duas lamas que revelam muito ...

Ver mais

Cafezinho 622 – Sobre liderança e culhões
Cafezinho 622 – Sobre liderança e culhões
Minhas palestras e cursos sobre liderança abrem assim: ...

Ver mais

China, Índia e o poder da Ásia na economia mundial

China, Índia e o poder da Ásia na economia mundial

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

A Ásia pede passagem

“A Índia tem sido, há cerca de 20 anos, a grande economia com o segundo maior ritmo de crescimento no mundo (atrás da China). Nos anos recentes, porém, a Índia tem conseguido acelerar o crescimento em razão de uma série de revoluções.”

Fareed Zakaria

A recente viagem à China do presidente Luiz Inacio Lula da Silva e a notícia da Organização das Nações Unidas de que a Índia ultrapassou a China como país mais populoso do mundo fizeram com que o noticiário fosse inundado com matérias sobre esses dois países.

Dentre essas matérias, chamaram especialmente minha atenção os recentes artigos sobre esses dois gigantes e sua influência na economia mundial publicados no jornal O Estado de S. Paulo de autoria de dois dos mais respeitados analistas de política internacional, Thomas Friedman e Fareed Zakaria.  No dia 23 de abril, Friedman, que é articulista do New York Times, referiu-se à rivalidade das duas superpotências da atualidade no artigo “A raiz da crise de confiança entre EUA e China”. No dia 29 de abril, Zakaria, que é colunista do Washington Post, referiu-se à Índia, no artigo “A hora da Índia finalmente chegou”.

No artigo sobre a China, onde esteve pela primeira vez desde o início da covid, Friedman aponta o rápido azedamento das relações entre China e Estados Unidos alimentado por questões episódicas como a guerra entre Rússia e Ucrânia e a independência de Taiwan, e alerta para o peso da tecnologia na disputa, lembrando que a situação mudou quando a maior parte do que a China vende para o resto do mundo deixou de ser em sua maioria de bens simples e de pouco valor agregado.

Já no artigo sobre a Índia, onde esteve na segunda quinzena de abril, Zakaria chamou atenção para o fato de o país já ser atualmente o mais populoso do mundo, superando a China, e prevê que deve se tornar também a economia de mais rápido crescimento, graças, sobretudo a três revoluções: o programa de identificação mais sofisticado do mundo, de acordo com Paul Romer, chamado Aadhaar; o amplo e fácil acesso à internet propiciado pelos telefones e pacotes de dados baratos, chamado Jio; e, por fim, a revolução em infraestrutura, resultante de investimentos maciços em estradas, aeroportos, estações de trem, capacidade portuária e outros projetos.

A leitura dos dois artigos revela algumas semelhanças, entre as quais o desafio de transformar crescimento econômico, que leva em conta apenas aspectos quantitativos, indicados pela variação do PIB, em desenvolvimento, que além dos aspectos quantitativos, leva em conta também os qualitativos, indicados pela melhora do padrão de vida do grosso da população, incluindo fatores como saúde, educação e renda per capita, variáveis utilizadas pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) ao calcular o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH).

A semelhança entre China e Índia pode ser observada no enorme desafio enfrentado pelos dois países de distribuir melhor a riqueza, uma vez que as posições destacadas dos dois países quando se considera apenas o PIB de cada um se altera completamente quando se considera o IDH. No último ranking divulgado pelo PNUD, a China ocupava o 79º lugar, enquanto a Índia se encontrava apenas no 132º lugar[1].

Já ao examinar as principais diferenças dos modelos adotados nos dois países, Zakaria e Friedman destacam o aspecto político. Enquanto a China mantém um regime autoritário com domínio absoluto do Partido Comunista, a Índia se sobressai como a maior democracia do mundo, com diversos partidos e razoável alternância no poder.

A força da China e da Índia na economia mundial reflete um processo que se iniciou na década de 1970, quando o Japão, poucos anos depois de ter sido arrasado na Segunda Guerra Mundial, emergiu como uma das mais poderosas economias do mundo, ameaçando a hegemonia norte-americana. Na década seguinte, o destaque ficou para os chamados tigres asiáticos, graças ao expressivo crescimento da Coreia do Sul, Hong Kong, Singapura e Taiwan. A partir dos anos 1990, os holofotes se voltaram para a China, graças às seguidas taxas de crescimento da ordem de 10% ao ano resultantes das reformas implementadas por Deng Xiaoping a partir de 1978. Paralelamente ao crescimento desses países, testemunhamos também o bom desempenho da Indonésia, da Malásia e, em menor escala, Filipinas e Vietnã. A forte arrancada da Índia nos últimos anos significa, portanto, mais uma etapa desse processo de fortalecimento da Ásia na economia mundial.

 

Iscas para ir mais fundo no assunto 

Referências e indicações bibliográficas e webgráficas

DRÈZE, Jean e SEN, Amartya. Glória incerta: a Índia e suas contradições. Tradução de Ricardo Doninelli Mendes e Laila Coutinho. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

FRIEDMAN, Thomas. A raiz da crise de confiança entre EUA e China. O Estado de S. Paulo, 23 de abril de 2023. Disponível em https://www.estadao.com.br/internacional/eua-china-e-uma-crise-de-confianca-entre-as-superpotencias-leia-a-coluna-de-thomas-friedman/.

ÍNDIA passa a China e se torna o país mais populoso do mundo, confirma projeção. Disponível em https://www.estadao.com.br/internacional/india-passa-a-china-e-se-torna-o-pais-mais-populoso-do-mundo-confirma-projecao/.

 

MORO, Javier. O sári vermelho: a história real da mulher que desafiou a Índia por amor. Tradução de Sandra Martha Dolinski. São Paulo: Editora Planeta do Brasil, 2009.

ZAKARIA, Fareed. A hora da Índia finalmente chegou. O Estado de S. Paulo, 29 de abril de 2023, p. A 15.

[1] A respeito do expressivo crescimento econômico da Índia não acompanhado pela melhora correspondente de seus indicadores sociais, recomendo a leitura de Glória incerta, de Drèze e Amartya Sen.

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado