s
Iscas Intelectuais
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Isca Intelectual: Onde você estava naquele dia?
Isca Intelectual: Onde você estava naquele dia?
Exatamente 22 anos atrás o mundo assistia boquiaberto a ...

Ver mais

Isca Intelectual: Enriqueça o seu canto
Isca Intelectual: Enriqueça o seu canto
Gostamos tanto de livros que decidimos entrar de ...

Ver mais

Isca Intelectual: Humor de gênio dispensa palavras
Isca Intelectual: Humor de gênio dispensa palavras
Jerry Lewis foi um famoso ator, comediante, diretor e ...

Ver mais

Café Brasil 902 – O casamento
Café Brasil 902 – O casamento
Cara eu nunca imaginei que alguém poderia me chamar ...

Ver mais

Café Brasil 901  – Adultescência
Café Brasil 901  – Adultescência
Quem ouviu meu relato no Café Brasil 875 sobre o que ...

Ver mais

Café Brasil 900 – How Deep Is Your Love
Café Brasil 900 – How Deep Is Your Love
900 semanas atrás foi ao ar o primeiro episódio do ...

Ver mais

Café Brasil 899 – A Torre de Babel
Café Brasil 899 – A Torre de Babel
A Torre de Babel é um modelo clássico de orgulho humano ...

Ver mais

LíderCast 299 – Ralf Germer
LíderCast 299 – Ralf Germer
No episódio de hoje temos Ralf Germer, que é CEO e ...

Ver mais

LíderCast 298 – Vladimir Pershine
LíderCast 298 – Vladimir Pershine
Hoje trazemos Vladimir Pershine, que se graduou em ...

Ver mais

LíderCast 297 – Dr. Francisco Cardoso
LíderCast 297 – Dr. Francisco Cardoso
O convidado de hoje é o Dr. Francisco Eduardo Cardoso ...

Ver mais

LíderCast 296 – Renato Arakaki
LíderCast 296 – Renato Arakaki
No episódio de hoje temos Renato Arakaki, que é ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

A aposta dos argentinos
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A aposta dos argentinos “Milei herdou uma economia devastada pelo populismo, patrimonialismo e fisiologismo. Esse modelo peronista, assentado na tradicional fórmula da expansão do gasto ...

Ver mais

Observando o Passado
alexsoletto
Iscas Científicas
OBSERVANDO O PASSADO Texto de Alex Soletto É possível viajar no tempo? Essa pergunta tem sido feita há anos. Pelo menos pelas mentes mais curiosas… É quase um sonho. Ou para vislumbrar o futuro, ...

Ver mais

Ser estrangeiro
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Ser estrangeiro   “Quando vemos no noticiário crianças sírias ou de países africanos que morrem afogadas tentando chegar à Europa em botes, ou dezenas de pessoas sufocadas dentro de ...

Ver mais

Liberdade e prosperidade
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O impacto da liberdade na prosperidade das nações   “Os cubanos, sob um sistema socialista, permanecem pobres e comem alimentos insossos. A noventa quilômetros de distância, os cubanos que ...

Ver mais

Cafezinho 600 – Falando merda
Cafezinho 600 – Falando merda
Obrigado a você que tem prestigiado meu cafezinho. Aqui ...

Ver mais

Cafezinho 599 – O elefante na sala
Cafezinho 599 – O elefante na sala
Notícia no Estadão diz que a Magalu reconhece em ...

Ver mais

Cafezinho 598 – Modelagem é roubo
Cafezinho 598 – Modelagem é roubo
Recentemente, assistindo a uns vídeos de Youtubers me ...

Ver mais

Cafezinho 597 – Como lidar com críticas?
Cafezinho 597 – Como lidar com críticas?
Luciano, como é que você lida com as críticas, hein? ...

Ver mais

Contrastes maranhenses

Contrastes maranhenses

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Lições de viagem 13

Contrastes maranhenses

“Maranhão.

 

O reggae ecoa na voz

e evolui no coração

a África somos nós

na ginga de cada irmão

que se atira nos lençóis

que enriquece o Maranhão”

Guibson Medeiros

Acabo de concluir uma viagem de 10 dias ao estado do Maranhão, sete dos quais passados nas deslumbrantes paisagens dos Lençóis Maranhenses.

Foi minha quinta visita ao estado, que se caracteriza, entre outras razões por acentuados contrastes. Foi também a primeira exclusivamente a turismo, já que nas vezes anteriores estive no Maranhão a trabalho por um, dois,  três ou, no máximo, quatro dias.

Minha primeira ida ao Maranhão ocorreu no início da década de 1980. Na ocasião, fui ministrar cursos para lideranças sindicais em São Luís e em Codó. Embora tenha ficado pouco tempo no estado, recordo-me que minha impressão não foi positiva. O Centro Histórico, onde ficava o hotel em que me hospedei, ostentava graves problemas de deterioração, de tal forma que o interior por trás de algumas belas fachadas com azulejos em estado de conservação satisfatório era desolador, não passando de ruína ou acelerado processo de abandono, em que predominavam a pobreza e a sujeira. Se a impressão da capital não foi favorável, a de Codó, cidade localizada a 290 quilômetros de distância da capital, foi ainda pior.

Além dessas impressões, dois fatores ficaram gravados em minha memória. O primeiro diz respeito à pobreza reinante no estado, que não raras vezes chegava à miséria absoluta, superior a tudo que eu já havia visto em meus quase trinta anos de vida, nos quais já conhecera quase todas as capitais e algumas cidades do interior de diversos estados brasileiros do sul, sudeste, centro-oeste e nordeste (não havia conhecido até então os estados do norte do País). O segundo foi que nas duas noites em que dormi em Codó, choveu muito, ocasionando a queda de uma ponte na estrada de lá para São Luís. Como não era possível voltar a São Luís para pegar o voo para São Paulo, o jeito foi ir para Teresina. Achei que não haveria problema, uma vez que o voo de São Luís para São Paulo fazia escala na capital piauiense. Para minha surpresa, o funcionário da companhia aérea – não tenho certeza se Vasp ou Transbrasil – não queria me deixar embarcar de jeito nenhum. Expliquei a situação a ele, informando que seria impossível voltar a São Luís por conta da queda da ponte, mas ele se manteve irredutível. Já com o avião pousado, expliquei o problema a um funcionário mais graduado, que ligou para a Polícia Rodoviária e, obtendo a confirmação da queda da ponte, autorizou meu embarque.

Nas três vezes seguintes, cheguei num dia, ministrei palestra na mesma noite e retornei no dia seguinte. Pude perceber apenas que a deterioração do Centro Histórico permanecia a mesma e que a gentileza das pessoas locais, em especial dos dirigentes do Conselho Regional de Economia, propiciava momentos agradabilíssimos.

Nesta minha última experiência em terras maranhenses, permaneci por sete dias nos Lençóis Maranhenses e os restantes em São Luís e em Alcântara.

Com mais tempo, pude conhecer melhor algumas peculiaridades que fazem do Maranhão um estado com extraordinários contrastes.

Nos primeiros dias desfrutei das paradisíacas paisagens dos Lençóis Maranhenses, pernoitando nas três mais conhecidas cidades da região: Barreirinhas, Atins e Santo Amaro. A exuberância da natureza, repleta de deslumbrantes dunas e lagoas, somada ao intenso turismo, dá à região uma condição especial, neutralizando ou disfarçando os problemas da infraestrutura local.

Uma das lagoas em Santo Amaro

Em São Luís, a melhora concentra-se na região das praias, com modernos edifícios, hotéis, shopping centers e restaurantes de boa qualidade. No Centro Histórico, porém, a deterioração e a pobreza predominam, situação atenuada atualmente pelos enfeites e atividades das festas juninas, autodenominadas de “Maior São João do Mundo”.

Alcântara, situada no continente a cerca de 30 quilômetros de São Luís, percorridos em pouco mais de uma hora por barcos que partem do Cais da Praia Grande, foi uma das cidades mais ricas do Brasil entre os séculos XVII e XVIII, quando sua economia girava em torno do algodão, da cana-de-açúcar e do trabalho escravo. Depois da abolição da escravatura veio a decadência e os barões abandonaram a cidade. Nos dias de hoje,  é uma cidade pitoresca, que vale a pena ser visitada para se ter uma noção de sua importância histórica, conhecer suas ruínas e casarões que marcaram a época da colonização do Brasil e parte do folclore local voltado às festas religiosas, com destaque para a festa do Divino. Quem permanecer por mais tempo pode visitar também as comunidades quilombolas e testemunhar a hospitalidade de seu povo.

A Base de Alcântara, centro de lançamento de foguetes reconhecido internacionalmente por sua localização geoestratégica, não é aberta à visitação.

Praça da Matriz de São Matias em Alcântara

Seguem-se alguns dados para ilustrar os contrastes do Maranhão.

Levantamento da FGV Social realizado em 2021 mostra que o Maranhão é o estado com maior percentual de pobres do País, abrangendo cerca de 29,62% da população brasileira, como pode ser visto na tabela 1.

Tabela 1 

Estados mais pobres do Brasil[1]

Lugar Estado Percentual
MA 57,00%
AM 51,42%
AL 50,36%
PE 50,32%
SE 48,17%
BA 47,33%
PB 47,18%
PA 46,85%
AP 46,80%
10º RR 46,16%
11º CE 45,89%
12º PI 45,81%
13º AC 45.53%
14º RN 42,86%

Outro estudo, realizado pelo IBGE, também em 2021, utilizando o critério do Banco Mundial que considera extremamente pobres as famílias que dispõem de menos de US$ 1,90 por dia, equivalente a uma renda per capita de R$ 168,00, aponta que das 50 cidades mais pobres do Brasil, três ficam na Bahia, duas no Pará,  duas no Ceará, duas no Amazonas, uma em Minas Gerais e 40 no Maranhão, dez das quais em situação de extrema pobreza. No outro extremo, as três cidades mais ricas do Maranhão por PIB são São Luís, Imperatriz e Balsas.

Em contraste com a pobreza reinante em boa parte do estado, levantamento recente da Companhia Brasileira de Abastecimento (Conab) mostrou que o Maranhão cresceu no cenário da produção agrícola nacional. De acordo com este levantamento, o estado está entre os dez maiores produtores do Brasil e é o segundo maior da região nordeste (atrás apenas da Bahia).

Parte significativa dessa produção vem do sul do estado, que ano a ano bate novos recordes de produtividade. Para melhorar a produtividade, os agricultores investem em tecnologia do campo e melhoramento genético das variedades de soja e milho, sem se esquecer de treinar os trabalhadores sobre técnicas de plantio e segurança no trabalho. Grandes agricultores trocam os campos pelos auditórios, durante o período de entressafra, para assistirem palestras, nas quais conhecem novas tecnologias na aplicação de defensivos, tirando o melhor proveito das máquinas. Esses investimentos colocam o pólo agrícola de Balsas entre as principais regiões agrícolas produtoras de grãos do país, com destaque para a soja.

Com a importante contribuição do Maranhão, temos a fronteira agrícola que mais cresce em área plantada no Brasil, segundo o Ministério da Agricultura e da Pecuária. Conhecida como Matopiba, formada pelos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia, a região se beneficia da combinação favorável de áreas planas, luminosidade, amplitude térmica e logística.

 

[1] Considerando pobre quem vive com até R$ 497,00 por mês (ou US$ 5,50 por dia)

 

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado