s
Iscas Intelectuais
Encontro Roberto Motta e Luciano Pires
Encontro Roberto Motta e Luciano Pires
Roberto Motta e Luciano Pires numa manhã de conversas ...

Ver mais

Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

Café Brasil 931 – Essa tal felicidade
Café Brasil 931 – Essa tal felicidade
A Declaração de Independência dos Estados Unidos foi um ...

Ver mais

Café Brasil 930 – A Escolha de Sofia
Café Brasil 930 – A Escolha de Sofia
Tomar decisões é uma parte essencial do dia a dia, ...

Ver mais

Café Brasil 929 – Desobediência Civil
Café Brasil 929 – Desobediência Civil
O livro "Desobediência Civil" de Henry David Thoreau é ...

Ver mais

Café Brasil 928 – Preguiça Intelectual
Café Brasil 928 – Preguiça Intelectual
Láááááááá em 2004 eu lancei meu livro Brasileiros ...

Ver mais

LíderCast 325 – Arthur Igreja
LíderCast 325 – Arthur Igreja
O convidado de hoje é Arthur Igreja, autor do ...

Ver mais

LíderCast 324 – Cristiano Corrêa
LíderCast 324 – Cristiano Corrêa
Hoje trazemos Cristiano Corrêa, um especialista no ...

Ver mais

LíderCast 323 – Sérgio Molina
LíderCast 323 – Sérgio Molina
O convidado de hoje é Sérgio Molina, – atual CEO do ...

Ver mais

LíderCast 322 – Rodrigo Rezende
LíderCast 322 – Rodrigo Rezende
Rodrigo Rezende, carioca, empreendedor raiz, um dos ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial   “O capitalismo é, essencialmente, um processo de mudança econômica (endógena). O capitalismo só pode sobreviver na ...

Ver mais

Inteligência de mercado (Business intelligence)
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A importância da inteligência de mercado[1] Considerações iniciais Este artigo tem por objetivo ressaltar a importância da inteligência de mercado no competitivo mundo contemporâneo, por se ...

Ver mais

Americanah
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Americanah   “O identitarismo tem duas dimensões, uma dimensão intelectual e uma dimensão política, que estão profundamente articuladas, integradas. A dimensão intelectual é resultado ...

Ver mais

Cafezinho 629 – O luto político
Cafezinho 629 – O luto político
E aí? Sofrendo de luto político? Luto político é quando ...

Ver mais

Cafezinho 628 – Crimes de Honra
Cafezinho 628 – Crimes de Honra
A Corte Constitucional da França recentemente declarou ...

Ver mais

Cafezinho 627 – O Pum da Vaca
Cafezinho 627 – O Pum da Vaca
O físico Richard Feynman tem uma frase ótima: "A ...

Ver mais

Cafezinho 626 – A Globo já era?
Cafezinho 626 – A Globo já era?
A internet mudou tudo. Ela acabou com os ...

Ver mais

Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial

Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial

 

“O capitalismo é, essencialmente, um processo de mudança econômica (endógena). O capitalismo só pode sobreviver na atmosfera das revoluções industriais marcada pelo ‘progresso’. Nesse sentido, o capitalismo estabilizado é uma contradição em termos.”

Joseph Schumpeter

 

Com a disseminação das diversas ramificações da inteligência artificial e suas  inúmeras aplicações, ressurge a preocupação com a sobrevivência dos empregos diante da eminente ameaça de desaparecimento de algumas ocupações.

O tema não é novo e ganhou destaque sempre que ocorreu o surgimento de inovações que tiveram forte repercussão na atividade produtiva.

No presente artigo vou me referir a apenas alguns aspectos deste tema, ousando deixar explícita minha opinião no final.

Entendendo a inovação como um produto ou serviço resultante da ação criadora do homem, é possível identificar nomes consagrados que se dedicaram ao assunto.

No livro Economia + Criatividade = Economia Criativa, os autores enfatizam dois aspectos da relação entre criatividade e inovação. A primeira delas diz respeito à a precedência da primeira em relação à segunda. Essa anterioridade da criatividade à inovação não passou despercebida pelo psicólogo Mihaly Csikszentmihalyi. Em Gestão qualificada: a conexão entre felicidade e negócio, observa:

Na verdade, a criatividade é uma fonte interminável de inovação – sempre surge uma maneira melhor de fazer algo tradicional. É igualmente um processo muito democrático: não é preciso ser abastado, rico, bem relacionado ou nem mesmo bem educado para destacar-se com base numa boa ideia. Seja com uma franquia de pizza ou em uma companhia de biotecnologia, o potencial de crescimento está sempre presente. Construir uma visão de excelência é uma possibilidade sempre aberta a qualquer um que pretenda fazer bons negócios.

A segunda refere-se às formas de transformar uma ideia criativa num negócio concreto, seja ele um produto ou um processo criativo. Para os autores, embora existam incontáveis formas, pode-se dizer que duas formas são básicas e resumem bem as possibilidades. Uma delas seria a inovação; a outra, a adaptação. A diferença entre as duas não é difícil de ser entendida. Transformar uma ideia criativa num produto ou processo inovador significa criar algo totalmente diferente do que já existe, numa verdadeira mudança de paradigma, de acordo com o livro clássico de Thomas Kuhn, A estrutura das revoluções científicas. Apesar de difícil de ocorrer, é algo que tem grande impacto mercadológico e que costuma provocar um grande alvoroço no segmento de atividade do referido processo ou produto. Os pesquisadores contemporâneos costumam chamar as mudanças radicais que caracterizam as inovações de disruptivas. Entre eles, merece especial ênfase o nome de Clayton Christensen, autor de O dilema da inovação, considerado, no ano de sua publicação, um dos mais importantes livros do segmento de negócios.

Transformar uma ideia criativa numa adaptação, por sua vez, significa incorporar algum tipo de aperfeiçoamento a um produto ou processo já existente, diferenciando-o da concorrência, tornando-o mais atrativo para o consumidor e garantindo, dessa forma, a sua fidelização. Seria uma transformação realizada por meio de mudanças incrementais, aquilo que os japoneses chamam de kaizen. Para quem não sabe, foi exatamente assim que o Japão conseguiu se transformar numa das maiores potências industriais do mundo, a ponto de pôr em risco a fantástica supremacia norte-americana. O “milagre” japonês, conseguido apenas três décadas depois do país sair arrasado da 2ª Guerra, não se deu por meio de um salto, através do qual o país dormiu num estágio atrasado e, de repente, acordou no dia seguinte super desenvolvido. A transformação do Japão num dos mais produtivos países do mundo foi resultado de um amplo processo de mudanças, que teve, como um de seus principais ingredientes, a conscientização de cada habitante – estudante, trabalhador, executivo ou empresário – para a necessidade de fazer melhor, a cada dia, a tarefa de sua responsabilidade.

Muito antes de Clayton Christensen, porém, outro nome tornou-se referência ao examinar a importância da inovação e do empreendedorismo, não apenas como fatores de obtenção de vantagem competitiva, mas como forças determinantes para o desenvolvimento e, por extensão, para a própria sobrevivência do capitalismo. Seu nome: Joseph Schumpeter.

Em O essencial de Joseph Schumpeter, Russel S. Sobel e Jason Clemens observam:

Para Joseph Schumpeter, o desenvolvimento econômico é o resultado da inovação realizada pelos empreendedores que descobrem combinações novas e mais valiosas de recursos. Essa busca é incentivada e guiada pelo sistema de lucros e prejuízos. Além de satisfazer melhor os desejos dos consumidores a um custo menor, os empreendedores também os ajudam a descobrir novos desejos e preferências. Mas esse processo é disruptivo. Novos bens e serviços entram no mercado e competem com os existentes, às vezes, fazendo desaparecer a velha forma de fazer as coisas.

Prosseguem Sobel e Clemens:

Inovações como o automóvel e o avião foram mais do que simplesmente novas combinações de recursos para satisfazer desejos existentes dos consumidores; foram saltos em direção ao progresso econômico. Tais saltos são a chave do desenvolvimento econômico, mas também ameaçam indústrias existentes, como milhares de negócios e seus trabalhadores no ramo de charretes logo descobriram − e esse processo pelo qual o empreendedorismo [e a inovação] ameaça produtores existentes, e as consequências dessa ameaça constituem-se na destruição criativa.

Para Schumpeter, a destruição criativa significa uma incessante tempestade essencial para entender o dinamismo do sistema capitalista. No seu livro mais conhecido, Capitalismo, socialismo e democracia, publicado em 1942, ele faz as seguintes colocações:

O impulso fundamental que inicia e mantém o movimento da máquina capitalista decorre dos novos bens de consumo, dos novos métodos de produção ou transporte, dos novos mercados, das novas formas de organização industrial que a empresa capitalista cria […] que incessantemente revoluciona a estrutura econômica a partir de dentro, incessantemente destruindo a velha, incessantemente criando uma nova. Esse processo de destruição criativa é o fato essencial acerca do capitalismo. É nisso que consiste o capitalismo e é aí que têm de viver todas as empresas capitalistas.

Escrevendo sobre o tema no final da primeira metade do século XX, é natural que Schumpeter tenha ilustrado seu argumento com exemplos anteriores a essa época. Efetivamente, em seus livros, ele utiliza o exemplo do automóvel e da iluminação elétrica que tiveram impacto brutal nos proprietários e trabalhadores − e suas famílias − da indústria de charretes, dos criadores de cavalos, dos cortadores de árvores que utilizavam a madeira para construir charretes, dos ferreiros que colocavam ferraduras nos cavalos, das selarias que produziam arreios e equipamentos, da indústria de velas e dos acendedores de lampiões responsáveis pela iluminação pública.

Trazendo o argumento para tempos mais recentes, verificamos outros exemplos de destruição criativa que significaram enorme progresso, por um lado, mas o desaparecimento − ou acentuada redução − de uma série de negócios, profissões e ocupações. Basta lembrar do que ocorreu com produtos e serviços que de uma hora para outra testemunharam mudanças abruptas como ocorreu com a indústria de filmes fotográficos dominada pela Kodak, com as locadoras de filmes dominada pela Blockbuster ou no segmento musical, em que os discos de vinil foram substituídos por fitas-cassete e CDs, e esses, por downloads de músicas e, hoje, por serviços populares de streaming.

Fazendo um pequeno esforço de memória, constataremos que as revoluções tecnológicas (ou revoluções industriais) tiveram o mesmo efeito: na  primeira revolução industrial, iniciada na Inglaterra na segunda metade do século XVIII, simbolizada pela máquina a vapor; na segunda, que teve como símbolos a eletricidade e o uso do petróleo e de seus derivados, na passagem do século XIX para o século XX; na terceira, simbolizada pelo uso dos computadores de grande porte, em meados do século XX; e na quarta, simbolizada pela miniaturização dos computadores e pelo aparecimento da internet no final do século XX. Em todos esses casos, os impactos propiciados pelas novas formas de produção provocaram o temor do desemprego em massa, com terríveis consequências sociais.

Para muitos analistas, a inteligência artificial é um dos símbolos de uma nova revolução tecnológica, agora com efeitos mais devastadores. Seu argumento está relacionado às novas possibilidades criativas e inovadoras abertas pela maior eficiência gerada pela integração da inteligência artificial na indústria de softwares.

Nesse particular, merece especial atenção o rápido crescimento da popularidade de um ramo específico da inteligência artificial chamado de Inteligência Artificial Generativa (IAGen), que parece ter potencial ainda mais significativo no contexto que vem sendo explorado neste artigo, por oferecer novas formas de criar conteúdo, inovação e experiências únicas.

Sem sombra de dúvida, já é possível afirmar que a integração da Inteligência Artificial Generativa na economia criativa disponibiliza ferramentas poderosas para ampliar a capacidade criativa, explorar novas direções e agregar valor aos processos criativos. No entanto, é importante considerar questões éticas, como a autoria e a responsabilidade, ao usar algoritmos e softwares especializados para gerar esse conteúdo “criativo”.

Uma preocupação, certamente, está presente na cabeça de muita gente: será possível a IAGen substituir a criatividade humana em algum momento?

Em seu depoimento no livro Economia + Criatividade = Economia Criativa, Maurício Andrade de Paula, um dos autores afirma que “a resposta não é simples, pois a comparação entre a Inteligência Artificial Generativa e a criatividade humana é complexa, uma vez que envolve diferentes aspectos da expressão criativa”.

Evidentemente, a preocupação envolvendo a substituição do homem pela máquina, com implicações óbvias na trabalhabilidade e empregabilidade[1], persistirá ocupando a mente de muita gente.

Mauricio Andrade de Paula acredita que ainda não estamos diante dessa possibilidade:

Embora a IAGen venha fazendo avanços significativos na simulação da criatividade de forma geral e genérica, a criatividade humana continua a ser única em sua complexidade, profundidade emocional e capacidade de criar significado. Certamente, a colaboração entre humanos e sistemas de IAGen resultará em sinergias poderosas, aproveitando o melhor de ambas as abordagens para alcançar resultados criativos notáveis. Seguiremos acompanhando!

De minha parte, acredito que haverá a repetição do mesmo fenômeno ocorrido nas revoluções tecnológicas anteriores. Teremos uma fase de transição em que as preocupações assumirão grandes proporções, um verdadeiro rodamoinho que envolverá parcela significativa da sociedade. Passada essa fase, constataremos que houve evolução e não retrocesso. O padrão de vida médio será superior e as novas oportunidades abertas pela evolução tecnológica serão maiores do que as perdas daqueles que serão prejudicados no processo.

Em outras palavras, confio no vigor do capitalismo alimentado pela destruição criativa de Joseph Schumpeter.

Espero estar certo!

 

Iscas para ir mais fundo no assunto

Referências

CHRISTENSEN, Clayton M. O dilema da inovação. Tradução de Edna Emi Onoe Veiga. São Paulo: Makron Books, 2001.

CSIKSZENTMIHALYI, Mihaly. Gestão qualificada: a conexão entre felicidade e negócio. Tradução de Raul Rubenich. Porto Alegre: Bookman, 2004.

DAVILA, Anapaula Iacovino; MACHADO, Luiz Alberto; PAULA, Mauricio Andrade de; SANTOS, Sonia Helena. Economia + Criatividade = Economia Criativa (2ª edição revista, ampliada e atualizada). São Paulo: Scriptum, 2024. 

KUHN, Thomas. A estrutura das revoluções científicas. Tradução de Beatriz Vianna Boeira e Nelson Boeira. São Paulo: Perspectiva, 1982.

MIRSHAWKA, Victor. Trabalhabilidade: a obrigatoriedade da adaptação. São Paulo: DVS, 2022.

PAULA, Mauricio Andrade de. Aventuras criativas com a tecnologia. Em DAVILA, Anapaula Iacovino; MACHADO, Luiz Alberto; PAULA, Mauricio Andrade de; SANTOS, Sonia Helena. Economia + Criatividade = Economia Criativa (2ª edição revista, ampliada e atualizada). São Paulo: Scriptum, 2024, pp. 125-138. 

SCHUMPETER, Joseph. Capitalismo, socialismo e democracia. Introdução de Tom Bottomore. Tradução de Sérgio Góes de Paula. Rio de Janeiro: Zahar, 1984.

SOBEL, Russell S.; CLEMENS, Jason. O essencial de Joseph Schumpeter. Tradução de Matheus Paccini. São Paulo: Faro Editorial, 2021.

 

 

[1] De acordo com Victor Mirshawka, no livro Trabalhabilidade: a obrigatoriedade da adaptação, empregabilidade e trabalhabilidade indicam a capacidade de uma pessoa gerar renda para si a partir de seus talentos e por toda a vida. A trabalhabilidade ocorre quando uma pessoa se preocupa com o trabalho que ela pode desenvolver, dependentemente ou não, do emprego. Assim, a trabalhabilidade está num patamar superior ao da empregabilidade, que continua sendo muito importante, mas está atrelada à capacidade de ter uma boa colocação durante a carreira profissional. Portanto, enquanto a empregabilidade limita-se ao emprego formal − que passa já há algum tempo por um processo de enfraquecimento −, a trabalhabilidade vai além, englobando também o trabalho informal, as prestações de serviços tipicamente individuais, atividades de consultoria, assessoria, mentoria e coaching, além dos empreendimentos individuais.

 

 

 

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado