s
Iscas Intelectuais
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
É improvável – embora não impossível – que os ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

Café Brasil 932 – Não se renda
Café Brasil 932 – Não se renda
Em "Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith", ...

Ver mais

LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
O convidado de hoje é Bruno Gonçalves, um profissional ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Rubens Ricupero
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Memórias de um grande protagonista   “Sem as cartas, não seríamos capazes de imaginar o fervor com que sentíamos e pensávamos aos vinte anos. Já quase não se escrevem mais cartas de amor, ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Cafezinho 633 – O Debate
Cafezinho 633 – O Debate
A partir do primeiro debate entre Trump e Biden em ...

Ver mais

Cafezinho 632 – A quilha moral
Cafezinho 632 – A quilha moral
Sua identidade não vem de suas afiliações, ou de seus ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

Da Virada

Da Virada

Jorge De Lima - Iscas Olhos&Alma -

-Sobre a dissolução parte 1-

A primeira vez que ouvi que a Terra teria seu eixo virado foi em minha puberdade por volta de 1982. Seria um cataclismo de proporções inimagináveis. O mar invadiria a terra, o mundo como conhecemos acabaria e pouco do que existe restaria. Da puberdade à minha vida adulta sempre o mesmo mito ressurge no imaginário coletivo e vários fins apoteóticos apareceriam: na virada de 1999 para 2000; no cataclismo do tsunami no oceano Índico em 2004; em 2012 com o fim do calendário Maia.

Sempre apareceu e existiu  um maluco a bradar que a humanidade está no fim. E sempre existiram discípulos que abobadamente, para destilar sua raiva torciam que o fim chegasse, para então constituir a humanidade prometida, como povo eleito pelos céus. Mas virou?

Novamente nos deparamos com pessoas sem capacidade de percepção real dos movimentos subjetivos do universo, interpretando literalmente as coisas. Falando de portais dimensionais, de alienígenas, de fim de mundo, tentando dar um pequeno sentido à sua vida sem graça, pra poder talvez se diferenciar em alguma coisa não muito bem definida. Tudo bem, vou apanhar na rua pelo chefe da frota intergaláctica de Naimaizum.

Ao fazer uma reflexão sobre nosso momento histórico, em especial com o fim de 2014, vi que mundo do mundo que acreditava e conhecia que ele foi extinto. E nisto tudo virou. Eu um dia acreditei que a política teria conserto, que as manifestações populares talvez acordassem o gigante; que teríamos um governo que iria combater a corrupção; que a esquerda ao chegar no poder não se venderia a bancos, às empresas de telefonia, aos esquemas de lavagem de dinheiro de empreiteiras.

2014 foi um ano problemático. Foi o ano da humilhação:  dos 7 a 1 na derrota no futebol para a Alemanha; foi o ano de estampar a vergonha de ser brasileiro; de assistir diariamente nos noticiários mega esquemas de corrupção; foi o ano em que testemunhamos o fim do judiciário – que beneficiou os políticos do mensalão; foi o ano da certeza da impunidade para bandidos; um ano de arrocho de estagnação do crescimento, de dificuldade econômica; de recorde de arrecadação tributária e ao mesmo tempo do  desaparecimento deste dinheiro público. Ano em que a saúde se torna complicada e que a educação tem seus piores índices na história. Ano em que a esquerda dá lucro a autarquias como a FIFA, isentando a de tributação. 2014 foi o ano do fim, da queda das máscaras, da desculpa que não cola mais, da transparência, da evidência clara do lado oculto de cada um que foi posto em outdoor. Foi o ano de reeleger bandidos e de lhes dar a senha do cofre. Foi o ano em que o embate político evidenciou não existir escrúpulos e que as mentiras prevalecem.

Eu quero comemorar a chegada de 2015 para tentar esquecer o pesadelo de 2014. Talvez abrir uma garrafa de espumante pra gritar comemorando a subida de mais impostos neste  período. Nosso mundo virou, o que hoje ele é não sabemos, mas que os antigos discursos que já não existem, isto é o fato que teremos de lidar…

Ver Todos os artigos de Jorge De Lima