s
Iscas Intelectuais
Encontro Roberto Motta e Luciano Pires
Encontro Roberto Motta e Luciano Pires
Roberto Motta e Luciano Pires numa manhã de conversas ...

Ver mais

Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

Café Brasil 930 – A Escolha de Sofia
Café Brasil 930 – A Escolha de Sofia
Tomar decisões é uma parte essencial do dia a dia, ...

Ver mais

Café Brasil 929 – Desobediência Civil
Café Brasil 929 – Desobediência Civil
O livro "Desobediência Civil" de Henry David Thoreau é ...

Ver mais

Café Brasil 928 – Preguiça Intelectual
Café Brasil 928 – Preguiça Intelectual
Láááááááá em 2004 eu lancei meu livro Brasileiros ...

Ver mais

Café Brasil 927 – Quando a água baixar
Café Brasil 927 – Quando a água baixar
A história de Frodo Bolseiro em "O Senhor dos Anéis" ...

Ver mais

LíderCast 324 – Cristiano Corrêa
LíderCast 324 – Cristiano Corrêa
Hoje trazemos Cristiano Corrêa, um especialista no ...

Ver mais

LíderCast 323 – Sérgio Molina
LíderCast 323 – Sérgio Molina
O convidado de hoje é Sérgio Molina, – atual CEO do ...

Ver mais

LíderCast 322 – Rodrigo Rezende
LíderCast 322 – Rodrigo Rezende
Rodrigo Rezende, carioca, empreendedor raiz, um dos ...

Ver mais

LíderCast 321 – Rafael Cortez
LíderCast 321 – Rafael Cortez
Tá no ar o #LC321 O convidado de hoje é Rafael Cortez, ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial   “O capitalismo é, essencialmente, um processo de mudança econômica (endógena). O capitalismo só pode sobreviver na ...

Ver mais

Inteligência de mercado (Business intelligence)
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A importância da inteligência de mercado[1] Considerações iniciais Este artigo tem por objetivo ressaltar a importância da inteligência de mercado no competitivo mundo contemporâneo, por se ...

Ver mais

Americanah
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Americanah   “O identitarismo tem duas dimensões, uma dimensão intelectual e uma dimensão política, que estão profundamente articuladas, integradas. A dimensão intelectual é resultado ...

Ver mais

Cafezinho 328 – Crimes de Honra
Cafezinho 328 – Crimes de Honra
A Corte Constitucional da França recentemente declarou ...

Ver mais

Cafezinho 627 – O Pum da Vaca
Cafezinho 627 – O Pum da Vaca
O físico Richard Feynman tem uma frase ótima: "A ...

Ver mais

Cafezinho 626 – A Globo já era?
Cafezinho 626 – A Globo já era?
A internet mudou tudo. Ela acabou com os ...

Ver mais

Cafezinho 625 – Fake news que matam
Cafezinho 625 – Fake news que matam
Há tempos eu digo que saímos da Sociedade da Informação ...

Ver mais

De volta para o presente…

De volta para o presente…

Filipe Aprigliano - Iscas do Apriga -

 

O que seria o tempo explicado de forma simples? Não falo aqui do contínuo espaço-tempo (inclusive, se você não sabe do que se trata, vá pesquisar, porque é muito interessante), falo apenas do tempo que podemos experimentar como seres humanos.

A primeira visão do tempo é bem popular e aceita em qualquer boteco. Imagine que seria um fluxo unidirecional de momentos, e na perspectiva do indivíduo, seria a cadeia de eventos que se sucederam desde o momento em que se tornou consciente de si.

A segunda visão, que faz mais sentido para mim, já gera grande polêmica pelos bares desse Brasil. Nessa perspectiva o tempo como experiência não existe, a única coisa que podemos experimentar é o presente, um eterno presente, onde a vastidão e implacabilidade do tempo teórico são irrelevantes. Nessa visão, todas as experiências de passado e futuro não são reais, ou seja, são produtos da mente, produzidas sob os parâmetros de cada um, nas circunstâncias momentâneas de cada um.

Pois bem, qual a relevância dessa discussão? Quem leu minha isca “Existo, logo penso” (e não se ofendeu com o conteúdo) sabe da minha teoria de que quase tudo que pensamos ser é pura ilusão. Ao contrário do que anos de construções equivocadas nos levam a crer, não somos nossos pensamentos, nossa personalidade e nossos corpos, e sim os observadores e criadores da nossa própria existência.

Enfim, para quem interessar possa, gostaria de propor algumas mudanças de perspectiva mais práticas, deixando um pouco de lado a diarreia mental.

A mais importante proposição é essa: Saia da máquina do tempo mental! Volte para o presente, ou seja, abandone os delírios da sua mente e volte para o mundo real.

Muitos são os motivadores para esse movimento, e eu poderia desenvolvê-los mais, mas como isso é uma isca, vou apenas elencá-los:

 

  1. Se o seu passado foi bom, revivê-lo com frequência é uma fuga, provavelmente pelo medo da mudança;
  2. Se o seu passado foi ruim, revivê-lo com frequência também é uma fuga, provavelmente pelo medo dos sofrimentos e fracassos se repetirem;
  3. Se o futuro que você projeta é bom, visitá-lo com frequência não é a melhor forma de torná-lo realidade;
  4. Se o futuro que você projeta é ruim, visitá-lo com frequência é a melhor forma de torná-lo realidade.

 

Em todos os casos, seja vivendo no passado ou no futuro, não estar no presente vai privá-lo de enxergar oportunidades que estão bem na frente do seu nariz. Além de consumir energia que podia estar direcionada a executar coisas de uma forma mais consciente.

Isso é muito importante, a consciência, vamos voltar a esse conceito logo em seguida. Mas antes perceba que o medo é uma constante em todos os impulsos de não viver no presente: o medo de errar, o medo de perder, o medo de sofrer, o medo da mudança.

Para se livrar do medo são precisas algumas posturas simples, mas que você deve se forçar a exercitar com frequência, até que se tornem hábitos subconscientes:

 

  1. Sempre aceitar as coisas sobre as quais não tem controle: assim que uma dessas coisas for identificada, não gaste nem mais um segundo da vida sofrendo por isso, reserve sua energia para algo produtivo;
  2. Sempre agradecer por todas as coisas: apreciar o emprego, a casa, a saúde, a família, os amigos, os talentos e também os eventos ruins e desafiadores, mas que trazem frutos de crescimento e evolução pessoais. Se você deseja algo mais, sempre compare o valor desse algo mais com todo o resto que você já tem, e seja sempre grato;
  3. Sempre dar chance a empatia antes de julgar: quando alguém te irritar, pense como seria estar no lugar dela física e emocionalmente, se isso não for possível, pense como seria se alguém que você ama estivesse no lugar dela;
  4. Sempre praticar o bom humor: procure pelo absurdo em tudo, mude a perspectiva de um problema, de um desafio, de um drama, até encontrar uma que seja absurda para essa situação, e se for adequado, não deixe de compartilhar com quem está a sua volta. Tudo na vida tem um lado absurdo, é só procurar.

 

São muitas recomendações iniciadas com o “sempre”, e é aí que entra a tal da consciência. Nenhuma dessas tarefas é possível enquanto você viaja no tempo, é preciso estar presente, atento a tudo que ocorre, percebendo e corrigindo constantemente seus pensamentos e emoções.

Nesse sentido somos observadores e criadores. Conscientes de tudo que ocorre no presente, podemos alocar energia nas emoções certas, na hora certa, e criar o mundo que desejamos, sem ansiedade e com prazer pela vida, encontrando realização no próprio processo de viver.

Esse é o primeiro passo, talvez o mais importante, tornar-se consciente de que existe um presente, rico em prazeres e oportunidades, que passou despercebido até agora. Os próximos passos envolvem a evolução dessa consciência, a tomada de total responsabilidade pela própria vida, e a capacidade de vislumbrar e construir qualquer futuro que se deseje.

Se você acha que essas são apenas frases de efeito, você precisa urgentemente abandonar a imagem que tem de si próprio e começar essa jornada.

Gostaria apenas de finalizar agradecendo ao Leo Gura, do site actualized.org, que me ajudou a organizar minha própria jornada em níveis que nunca imaginei possíveis. Entre as coisas mais impactantes que ele me ensinou:

A sociedade em que vivemos (da cultura pop e das redes sociais) torna os nossos sonhos muito rasos. A primeira coisa a fazer é abandonar  a crença de que existe um limite para o que podemos realizar como indivíduos.

Obrigado pelo seu tempo. Quem sabe nos falamos novamente?

Ver Todos os artigos de Filipe Aprigliano