s
Iscas Intelectuais
Encontro Roberto Motta e Luciano Pires
Encontro Roberto Motta e Luciano Pires
Roberto Motta e Luciano Pires numa manhã de conversas ...

Ver mais

Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

Café Brasil 930 – A Escolha de Sofia
Café Brasil 930 – A Escolha de Sofia
Tomar decisões é uma parte essencial do dia a dia, ...

Ver mais

Café Brasil 929 – Desobediência Civil
Café Brasil 929 – Desobediência Civil
O livro "Desobediência Civil" de Henry David Thoreau é ...

Ver mais

Café Brasil 928 – Preguiça Intelectual
Café Brasil 928 – Preguiça Intelectual
Láááááááá em 2004 eu lancei meu livro Brasileiros ...

Ver mais

Café Brasil 927 – Quando a água baixar
Café Brasil 927 – Quando a água baixar
A história de Frodo Bolseiro em "O Senhor dos Anéis" ...

Ver mais

LíderCast 324 – Cristiano Corrêa
LíderCast 324 – Cristiano Corrêa
Hoje trazemos Cristiano Corrêa, um especialista no ...

Ver mais

LíderCast 323 – Sérgio Molina
LíderCast 323 – Sérgio Molina
O convidado de hoje é Sérgio Molina, – atual CEO do ...

Ver mais

LíderCast 322 – Rodrigo Rezende
LíderCast 322 – Rodrigo Rezende
Rodrigo Rezende, carioca, empreendedor raiz, um dos ...

Ver mais

LíderCast 321 – Rafael Cortez
LíderCast 321 – Rafael Cortez
Tá no ar o #LC321 O convidado de hoje é Rafael Cortez, ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial   “O capitalismo é, essencialmente, um processo de mudança econômica (endógena). O capitalismo só pode sobreviver na ...

Ver mais

Inteligência de mercado (Business intelligence)
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A importância da inteligência de mercado[1] Considerações iniciais Este artigo tem por objetivo ressaltar a importância da inteligência de mercado no competitivo mundo contemporâneo, por se ...

Ver mais

Americanah
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Americanah   “O identitarismo tem duas dimensões, uma dimensão intelectual e uma dimensão política, que estão profundamente articuladas, integradas. A dimensão intelectual é resultado ...

Ver mais

Cafezinho 328 – Crimes de Honra
Cafezinho 328 – Crimes de Honra
A Corte Constitucional da França recentemente declarou ...

Ver mais

Cafezinho 627 – O Pum da Vaca
Cafezinho 627 – O Pum da Vaca
O físico Richard Feynman tem uma frase ótima: "A ...

Ver mais

Cafezinho 626 – A Globo já era?
Cafezinho 626 – A Globo já era?
A internet mudou tudo. Ela acabou com os ...

Ver mais

Cafezinho 625 – Fake news que matam
Cafezinho 625 – Fake news que matam
Há tempos eu digo que saímos da Sociedade da Informação ...

Ver mais

Defendam Douglas também

Defendam Douglas também

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Não conhece Douglas Leandro Clizesqui? Sem problemas. Ninguém conhece. Ele é pai de Douglas Murilo, uma das oito vítimas fatais no massacre da escola estadual em Suzano; o caso todos conhecem. Douglas pai está preso em Flórida Paulista e pediu para ir ao enterro do filho, assassinado pela dupla de monstros que aterrorizou a tranquila escola. Como preso, teria direito a se despedir do filho. Não pôde. Não havia escolta para levá-lo na viagem de 650 quilômetros até Suzano.

A LEP (lei de execuções penais) regula a vida do condenado durante o cumprimento da pena, até que pague sua dívida com a sociedade. Em seu artigo 120, prevê que o preso pode (atenção, PODE) acompanhar o funeral do cônjuge, filhos, pais ou irmãos. E só; a lista é taxativa. A lei não diz que o preso certamente irá, sob qualquer circunstância, ao funeral de seu ente querido. Então, Douglas pai, paciência. Há que se lamentar por seu filho, assassinado de forma cruel e covarde por dois monstros, mas você cometeu vários crimes e está pagando por ele desde 2010. Não seria possível deslocar toda uma força tarefa policial somente para você, numa distância tão grande, mesmo diante de um massacre de comoção internacional como o da escola estadual Raul Brasil. Triste, mas essa é a vida de um condenado à prisão no Brasil. Se a moda pega, o Brasil teria de bancar toda uma força aérea, um exército de escolta e uma imensa frota de veículos para levar e trazer presos de todos os cantos do País para participar de enterros. Simplesmente impossível, certo?

Mas nem sempre é assim. Não, senhor.

Curitiba dista 424 quilômetros de São Bernardo do Campo, em SP. Distância bem menor que os 650 quilômetros que Douglas pai topou percorrer num caminhão de presos para o último adeus a Douglas filho. Lula, preso na capital paranaense, conseguiu algo que a lei não prevê: Sair da cadeia para o funeral do neto. Essa situação simplesmente não existe no elenco taxativo da LEP. Mas Lula foi. Em avião cedido pelo governo do Paraná, e depois num helicóptero da polícia federal. Para esse deslocamento, o criminoso contou com um aparato de segurança digno de uma visita papal ou de um líder extraterrestre; muitos policiais garantiram seu adeus ao neto, e a abjeta cena de discurso sobre sua delirante “inocência”. O preso Lula, autor do maior desfalque de dinheiro público da história humana, não só foi favorecido por privilégios absolutamente inexplicáveis, nem ao menos sonhados por presos comuns, como ainda usou de forma absolutamente nauseante, revoltante, o cadáver de uma criança inocente para novamente se fazer de vítima diante de uma plateia de fanáticos cada vez mais reduzida.

O uso do funeral para alavancar Lula a qualquer custo ficou claro que seu ex-braço direito, Paulo Okamotto, chamou o velório de “festa”. Como disse meu amigo Carlão, o inconsciente traiu Okamotto. Pra quem não viu a imundície: https://www.youtube.com/watch?v=J6swFX_pBBc

Bom, nada melhor se poderia esperar diante dessa seita, dirigida com mão de ferro por um presidiário que ainda tem muita cana pra puxar.

Mas e os outros antigos defensores dos direitos dos presos? Dos direitos humanos, e de tudo que é sagradíssimo? Deviam se manifestar agora. Quando Lula solicitou sua saída, uma procissão dos melhores juristas do país guiou tese segundo a qual não só seria um direito “garantido” de qualquer preso (não é) como serviria de “exemplo” para que todos os outros engaiolados pudessem fazer o mesmo num momento tão triste. Em resumo, alegaram que faziam a defesa de Lula pensando mesmo nos mais pobres. O sarcasmo, bem como o riso, é livre, mesmo que reveladoramente involuntário como a “festa” de Okamotto.

Engraçado é ver todos aqueles defensores dos pobres caladíssimos diante da ausência de Douglas pai no enterro de Douglas filho. Onde estão os oportunistas defensores dos tais “direitos humanos”? Cadê as Marias do Rosário e tantos outros “lutadores da igualdade”, sempre em defesa das “vítimas da sociedade”? Parece que nesse caso todo mundo concorda que lugar de preso é na cadeia. Ou só às vezes?

Vitimismo oportunista só pode ser teatralmente utilizado pelo lulismo. O resto que se dane, procure seu advogado e vá chorar na cama do presídio. Esse é o recado da seita.

Nessas horas, os riquíssimos medalhões brasileiros que até anteontem bradavam por justiça “aos pobres” desaparecem sem pistas; por Lula, brandiam tratados internacionais, leis canônicas e o código de Hamurabi. Direito interplanetário foi ventilado, sem esquecer precedentes da justiça de Júpiter. Agora, sobra apenas a crueza da realidade. Incrível como, num caso como esse, até o mais aguerrido lulista, “defensor” das minorias só de fachada, quer mais é que pobre se exploda.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes