s
Iscas Intelectuais
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 926 – Definição de Gaúcho – Revisitado
Café Brasil 926 – Definição de Gaúcho – Revisitado
Então... diante dos acontecimentos dos últimos dias eu ...

Ver mais

Café Brasil 925 – No Beyond The Cave
Café Brasil 925 – No Beyond The Cave
Recebi um convite para participar do podcast Beyond The ...

Ver mais

Café Brasil 924 – Portugal dos Cravos – Revisitado
Café Brasil 924 – Portugal dos Cravos – Revisitado
Lááááááááá em 2007, na pré-história do Café Brasil, ...

Ver mais

Café Brasil 923 – O Corcunda de Notre Dame
Café Brasil 923 – O Corcunda de Notre Dame
"O Corcunda de Notre Dame", obra-prima de Victor Hugo, ...

Ver mais

LíderCast 320 – Alessandra Bottini
LíderCast 320 – Alessandra Bottini
A convidada de hoje é Alessandra Bottini, da 270B, uma ...

Ver mais

LíderCast Especial – Rodrigo Gurgel – Revisitado
LíderCast Especial – Rodrigo Gurgel – Revisitado
No episódio de hoje a revisita a uma conversa que foi ...

Ver mais

LíderCast 319 – Anna Rita Zanier
LíderCast 319 – Anna Rita Zanier
A convidada de hoje é Anna Rita Zanier, italiana há 27 ...

Ver mais

LíderCast 318 – Sidney Kalaes
LíderCast 318 – Sidney Kalaes
Hoje recebemos Sidney Kalaes, franqueador há mais de 30 ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Americanah
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Americanah   “O identitarismo tem duas dimensões, uma dimensão intelectual e uma dimensão política, que estão profundamente articuladas, integradas. A dimensão intelectual é resultado ...

Ver mais

A tragédia e o princípio da subsidiariedade
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A tragédia e o princípio da subsidiariedade “Ações que se limitam às respostas de emergência em situações de crise não são suficiente. Eventos como esse – cada vez mais comuns por ...

Ver mais

Percepções opostas sobre a Argentina
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Percepções opostas sobre a Argentina “A lista de perrengues diários e dramas nacionais é grande, e a inflação, com certeza, é um dos mais complicados. […] A falta de confiança na ...

Ver mais

Economia + Criatividade = Economia Criativa
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Economia + Criatividade = Economia Criativa Já se encontra à disposição no Espaço Democrático, a segunda edição revista, atualizada e ampliada do livro Economia + Criatividade = Economia ...

Ver mais

Cafezinho 624 – Desastres não naturais
Cafezinho 624 – Desastres não naturais
Ao longo dos anos, o Brasil experimentou uma variedade ...

Ver mais

Cafezinho 623 – Duas lamas, duas tragédias
Cafezinho 623 – Duas lamas, duas tragédias
O Brasil está vivenciando duas lamas que revelam muito ...

Ver mais

Cafezinho 622 – Sobre liderança e culhões
Cafezinho 622 – Sobre liderança e culhões
Minhas palestras e cursos sobre liderança abrem assim: ...

Ver mais

Cafezinho 621 – Obrigado por me chamar de ignorante
Cafezinho 621 – Obrigado por me chamar de ignorante
Seja raso. Não sofistique. Ninguém vai entender. E as ...

Ver mais

Delírios indianos

Delírios indianos

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Não é de hoje que os seguidores mais fanáticos de Lula vivem uma realidade paralela; mas essa fantasia megalômana, essa ficção de salto alto chegou a uma fase ainda pior, transformando-se num novo esporte: Fingir, no enorme picadeiro voador de Lula, que o mestre sempre tem razão. É de assustar o cinismo em voga. Todos se esforçando para sobrepujar o outro em bajulação. E quanto mais nariz-marrom, melhor.

Pra quem voltou de Marte ainda ontem, é preciso explicar que, entre o delírio puro e simples, a vontade de aparecer ou o aldeído em excesso, Lula comete gafes absolutamente inacreditáveis, principalmente no exterior, onde pensa ser um estadista respeitado, uma espécie de grande líder. A última dessa série, tão dantesca quanto interminável, originou-se em seu incurável vício de defender ditadores e assassinos a qualquer custo e por motivos nunca esclarecidos. Vai dizer que é por simpatia? Aham. Sei.

Depois de defender com garras e presas assassinos imundos como Muamar Kadafi, Fidel Castro, Mahmoud Ahmadinejad, Hugo Chávez, Daniel Ortega e outros desse quilate bostalhufo, Lula entusiasmou-se e mandou uma asneira terremótica na Índia, local de seu último passeio inútil e caro. Disse que o criminoso de guerra Vladimir Putin não seria preso caso viesse ao Brasil. A imprensa indiana – a mundial idem, menos aqui – caiu de pancada sobre o falastrão; como assim “não seria preso”, se Putin tem sobre sua cabeça podre uma ordem de prisão emitida pelo Tribunal Penal Internacional (TPI) em razão do sequestro de centenas de crianças ucranianas durante a guerra que ele próprio inventou? E como o Brasil, signatário do Estatuto de Roma, portanto obrigado a seguir as decisões do TPI, deixaria de cumprir o mandado de prisão, previsto em nossa Constituição, no parágrafo 4º do artigo 5º?

O turista nada acidental resolveu emendar sua asneira da pior forma possível. Primeiro alegou que nem sequer conhecia o TPI (mentira, afirmou várias vezes que queria Bolsonaro julgado por ele e que pretendia aumentar o raio de ação do tribunal internacional no Brasil). Depois, confrontado com a realidade (algo que o enfurece profundamente), alegou que só “bagrinhos” (!) assinaram o acordo de Roma e que os “países importantes” estavam de fora. Ou seja, chamou países como Holanda, Bélgica, Reino Unido, Alemanha, Itália, França, Suécia e tantos outros de paisecos sem expressão. Detalhe: Muitos são nossos grandes parceiros, tanto comercial quanto militarmente.Novamente confrontado com a dura realidade, acuado e furioso, resolveu postar-se de ditador e disse que poderia tirar o País do acordo internacional. Foi imediatamente apoiado pelo ministro Flávio Dino, que, esbaforido e ávido por agradar o chefe, quase executou uma dança do acasalamento ao confirmar a “ideia”. Um pouquinho mais realista, o ministro dos Direitos Humanos optou por, diplomaticamente, expedir uma nota praticamente ininteligível pra explicar a roda quadrada. Pelamor.

Não, não há hipótese de abandonar o TPI. É uma cláusula pétrea de nossa Constituição desde a emenda 45, de 30 de dezembro de 2004, aprovada no governo do próprio Lula.Porém, incansavelmente, as Tertas do turista-mor correm a concordar com qualquer coisa que ele grunha. Ainda na Índia, horas depois, Lula afirmou que o recente terremoto no Marrocos foi causado pelas mudanças no clima. De jurista internacional se transformou em geólogo dando aula sobre placas tectônicas. Taspariu. Essa doeu tanto que até seus puxa-sacos com ranking olímpico acharam melhor ignorar. Mas nada é impossível para esse sujeito. Certa vez afirmou que Napoleão fora várias vezes à China; noutra, que a Democracia é um conceito relativo. É um compêndio ambulante de sandices.

Agora é aguardar o próximo passeio internacional do sujeito, torrando milhões em hotéis caríssimos e limusines blindadas. Novas e maiores asneiras virão, certamente, com os bajuladores em eterno e apaixonado plantão. Detalhe: Lula exige (palavra escolhida pelo próprio) um novo avião (mais um!) para suas eternas férias. Tem de contar com cama de casal, escritório e chuveiro. Tudo pago por nós, obviamente. Preço? Uma bobagenzinha de US$ 80 milhões, ou mais de R$ 400 milhões. Os áulicos de sempre garantem que o malandrão merece. Não é uma fofura?

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes