s
Iscas Intelectuais
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
É improvável – embora não impossível – que os ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

Café Brasil 932 – Não se renda
Café Brasil 932 – Não se renda
Em "Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith", ...

Ver mais

LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
O convidado de hoje é Bruno Gonçalves, um profissional ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Rubens Ricupero
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Memórias de um grande protagonista   “Sem as cartas, não seríamos capazes de imaginar o fervor com que sentíamos e pensávamos aos vinte anos. Já quase não se escrevem mais cartas de amor, ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Cafezinho 633 – O Debate
Cafezinho 633 – O Debate
A partir do primeiro debate entre Trump e Biden em ...

Ver mais

Cafezinho 632 – A quilha moral
Cafezinho 632 – A quilha moral
Sua identidade não vem de suas afiliações, ou de seus ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

Encontro de Cidades Criativas

Encontro de Cidades Criativas

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Encontro de Cidades Criativas

 “As cidades surgem como espaço de encontro; uma cidade é um conjunto de pessoas com oportunidades distintas.”

Ana Carla Fonseca

A XIV Conferência da Rede de Cidades Criativas da UNESCO foi realizada na cidade de Santos, de 18 a 22 de julho, sendo encerrada com o compromisso do combate à desigualdade social por meio da economia criativa.

O evento, previsto para 2020 e postergado por conta da pandemia da Covid 19, reuniu cerca de 300 participantes, entre prefeitos e vice-prefeitos e representantes de 106 cidades criativas de 90 países, para discutir, entre outros tópicos, a construção de cidades mais inclusivas e sustentáveis, especialmente no período pós-pandemia.

Entre as delegações internacionais, estiveram representadas cidades como Jacarta (Indonésia), Istambul (Turquia), Seul (Coreia do Sul), Milão (Itália), Guadalajara (México), Bristol (Reino Unido) e Quebec (Canadá). Do Brasil, estiveram presentes representantes de João Pessoa e Campina Grande (Paraíba), Recife (Pernambuco), Salvador (Bahia), Belém (Pará), Fortaleza (Ceará), Paraty (Rio de Janeiro), Belo Horizonte (Minas Gerais), Curitiba (Paraná), Florianópolis (Santa Catarina), além de Santos (São Paulo).

Com o tema geral “Criatividade, Caminho para a Igualdade”, os representantes das cidades-membro da Rede de Cidades Criativas da UNESCO refletiram coletivamente sobre oportunidades compartilhadas para implementar estratégias e iniciativas de desenvolvimento sustentável em convergência com as áreas prioritárias da organização.

A Rede de Cidades Criativas foi lançada em 2004 pela Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), com o objetivo de promover a cooperação internacional entre as cidades efetivamente comprometidas em investir na criatividade como forma de estimular o desenvolvimento urbano sustentável, a inclusão social e o aumento da influência da cultura em todo o mundo.

Como observou Audrey Azulay, diretora-geral da UNESCO, “em todo o mundo, essas cidades, cada uma a seu modo, fazem da cultura o seu pilar, e não um acessório de sua estratégia; isso favorece a inovação política e social e é particularmente importante para as gerações jovens”.

A Rede de Cidades Criativas engloba sete segmentos: artesanato e artes folclóricas; artes midiáticas; design; cinema; gastronomia; literatura; música. A importância de integrar a Rede não se limita a ampliar a visibilidade internacional da cidade, mas, principalmente, a ter acesso às melhores práticas das outras cidades que compõem a Rede.

A cada dois anos a UNESCO realiza reuniões da Rede de Cidades Criativas e é nessas ocasiões que são admitidas novas integrantes da Rede, o que não ocorreu, excepcionalmente, na Conferência de Santos.

A Rede conta atualmente com 293 cidades que funcionam como um laboratório de ideias e de práticas inovadoras. Para apresentar a candidatura e fazer parte da Rede uma cidade precisa preencher um dossiê extremamente detalhado, justificando sua pretensão num dos sete segmentos.

Na reunião realizada em 2018, 17 cidades brasileiras se candidataram, sendo duas escolhidas: Belo Horizonte, pela gastronomia, e Fortaleza, pelo design. Com isso o Brasil passou a possuir 10 cidades integrando a Rede de Cidades Criativas: quatro em gastronomia (Paraty, Florianópolis, Belém e Belo Horizonte); três em design (Brasília, Curitiba e Fortaleza); uma em cinema (Santos); uma em música (Salvador); e uma em artesanato e artes folclóricas (João Pessoa). Finalmente, em 2021, 47 cidades foram admitidas na Rede, das quais duas brasileiras: Campina Grande , na categoria artes midiáticas, e Recife, na categoria música. Portanto, só em um segmento, literatura, o Brasil não possui representantes na Rede de Cidades Criativas.

O livro Economia + Criatividade = Economia Criativa, publicado recentemente pelo Espaço Democrático (Scriptum, 2021), dedicou sua parte final exatamente ao tema das cidades criativas, discorrendo sobre 11 cidades criativas brasileiras, das quais apenas cinco fazem parte da Rede de Cidades Criativas da UNESCO: Belém, Belo Horizonte e Paraty, na categoria gastronomia; Campina Grande, na categoria artes midiáticas, e Salvador, na categoria música. As outras seis, Blumenau, Caruaru, Gramado, Parintins, Rio de Janeiro e São Paulo foram escolhidas a critério dos autores a partir de seus conhecimentos e experiências pessoais.

Quem sabe as sete cidades criativas brasileiras da Rede da UNESCO não incluídas na primeira edição possam fazer parte de uma ampliada segunda edição?

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado