s
Iscas Intelectuais
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

Café Brasil 932 – Não se renda
Café Brasil 932 – Não se renda
Em "Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith", ...

Ver mais

Café Brasil 931 – Essa tal felicidade
Café Brasil 931 – Essa tal felicidade
A Declaração de Independência dos Estados Unidos foi um ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

LíderCast 325 – Arthur Igreja
LíderCast 325 – Arthur Igreja
O convidado de hoje é Arthur Igreja, autor do ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial   “O capitalismo é, essencialmente, um processo de mudança econômica (endógena). O capitalismo só pode sobreviver na ...

Ver mais

Cafezinho 632 – A quilha moral
Cafezinho 632 – A quilha moral
Sua identidade não vem de suas afiliações, ou de seus ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

Cafezinho 629 – O luto político
Cafezinho 629 – O luto político
E aí? Sofrendo de luto político? Luto político é quando ...

Ver mais

Go Ronda, go!

Go Ronda, go!

Adalberto Piotto - Olhar Brasileiro -

Eu nunca perdi uma madrugada para ver UFC.

Na deste último domingo, eu fiz isso e não contabilizo como perda, embora talvez não faça de novo.

Confesso que o marketing da luta entre Ronda Rousey e a brasileira Bethe Correia, a performance técnica da brasileira como desafiadora, o fato em si de ser uma brasileira, mas sobretudo Ronda e seu peculiar estilo de quem luta como gente grande e depois sorri como uma menina, tudo isso me deixou interessado.

Aprender nunca é demais.

E havia ali, por mais estranho que seja, valores humanos em jogo. Nesta luta, especialmente.

Pra quem não sabe do caso, explico:
Uma declaração insuportavelmente infeliz de Bethe, que disse que Ronda iria apanhar tanto e perder que, talvez depois, quisesse se suicidar (o pai de Ronda se suicidou, quando ela ainda era uma criança, depois de descobrir ser vítima de uma doença degenerativa), me fez de um espectador imparcial, por pouco conhecer do esporte, a um torcedor momentâneo de Ronda.

Li todas as trocas de farpas entre as lutadoras. Achei exagerado o linguajar excessivamente grosseiro da brasileira, mas tentei tomar isso como “do negócio”, uma tática, etc, a exceção, como expliquei, da frase sobre o suicídio.

A americana, mesmo dura, me pareceu mais contida, apesar da mãe que falou de golpes para quebrar o braço da oponente.

Eu sempre questionei essa troca de caras feias e declarações duras de arrogância e superioridade entre lutadores, herdada do boxe norte-americano, porque elas só valem, se valem, para quem ganha.

Ronda, eu vi, foi pra luta pra defender muito mais que seu cinturão. Foi em memória do pai. Ali tinha muito mais que técnica, talento e a estratégia de uma lutadora campeã bem treinada.

Tinha nela aquela raiva, que sai sabe-se lá de que lugar dentro de nós,que nos faz muito mais fortes. Ela lutou pela dignidade do pai, dela e da família que, embora tenha havido tentativa de desmentidos de Bethe, foi de alguma forma atacada.

Bethe foi infeliz e saiu do octógono com a vergonha não de quem perdeu uma luta, mas sim de quem perdeu uma grande oportunidade de ficar calada. De ter sido mesquinha. E tudo isso em meros 34 segundos e uma lona.

Por este aspecto, “go Ronda”!

PS.: e o que é o público de UFC na arena ficar gritando “Vai morrer, vai morrer”? Não consigo acompanhar um esporte assim.
Isso me lembrou da história dos romanos jogando cristãos aos leões para delírio da torcida.
Sinistra essa gente em pleno século 21.

Ver Todos os artigos de Adalberto Piotto