s
Iscas Intelectuais
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 915 – O Homem Brinquedo
Café Brasil 915 – O Homem Brinquedo
A Inteligência Artificial é uma maravilha e está ...

Ver mais

Café Brasil 914 – Os canteiros de Cecília
Café Brasil 914 – Os canteiros de Cecília
Cecília Meireles deixou uma obra que transcende o ...

Ver mais

Café Brasil 913 – Tá ligado?
Café Brasil 913 – Tá ligado?
Na animação da Disney "A Bela e a Fera", de 1991, Bela, ...

Ver mais

Café Brasil 912 – Pobreza e Riqueza revisitado
Café Brasil 912 – Pobreza e Riqueza revisitado
Para que o Brasil estabeleça os requisitos básicos para ...

Ver mais

LíderCast 312 – Renata Silbert
LíderCast 312 – Renata Silbert
No episódio de hoje trazemos Renata Silbert, que tem ...

Ver mais

LíderCast 311 – Gus Erlichmann e Ariel Krok
LíderCast 311 – Gus Erlichmann e Ariel Krok
O episódio de hoje é especial, com dois convidados: Gus ...

Ver mais

LíderCast 310 – Estevan Oliveira
LíderCast 310 – Estevan Oliveira
No episódio de hoje temos Estevan Oliveira, que tem uma ...

Ver mais

LíderCast 309 – Sérgio Siqueira
LíderCast 309 – Sérgio Siqueira
No episódio de hoje temos Sérgio Siqueira, um ouvinte ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Os 30 anos do Plano Real
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Os 30 anos do Plano Real   Paulo Galvão Júnior (*) Luiz Alberto Machado (**)   1. Considerações iniciais É preciso sempre debater os destinos econômicos, sociais e ambientais de nosso ...

Ver mais

Releituras
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Releituras   “Quando um país é capaz de contar com as instituições preservadoras da autonomia individual (Estado de Direito e economia de mercado), de melhorar a qualificação de seus ...

Ver mais

Canadenses ganhadores do Prêmio Nobel de Economia
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Visão geral dos economistas canadenses ganhadores do Prêmio Nobel de Economia Paulo Galvão Júnior (*) Luiz Alberto Machado (**) Enquanto o Brasil, com população estimada de 203,0 milhões de ...

Ver mais

Temperatura e Calor
alexsoletto
Iscas Científicas
TEMPERATURA E CALOR Esse texto é baseado no livro de Robert L. Wolke, professor emérito de química da Universidade de São Pittsburg (EUA) “Lo Que Einstein  Le Contó A Su Barbeiro”.   Texto de ...

Ver mais

Cafezinho 613 – Baixe a bola? Eu não!
Cafezinho 613 – Baixe a bola? Eu não!
Pô, Luciano, nessa idade você já devia ter baixado a ...

Ver mais

Cafezinho 612 – Se o Facebook não protege as crianças…
Cafezinho 612 – Se o Facebook não protege as crianças…
Em 2021, Frances Haugen, ex-diretora do Facebook, vazou ...

Ver mais

Cafezinho 611 – O funk no busão
Cafezinho 611 – O funk no busão
Não é difícil comprovar que as pessoas, em geral, estão ...

Ver mais

Cafezinho 610 – Siga Los Pájaros!
Cafezinho 610 – Siga Los Pájaros!
As decisões triviais que tomamos podem ir muito além do ...

Ver mais

Inexplicáveis apoios

Inexplicáveis apoios

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Inexplicáveis apoios

“O capitalismo é a causa raiz de um aumento global dos padrões de vida, em uma escala sem precedentes na história da humanidade antes do surgimento da economia de mercado.”

Rainer Zitelmann

 

Em sua edição de domingo, 14 de janeiro, o jornal O Estado de S. Paulo publicou uma entrevista do sempre lúcido embaixador Rubens Ricupero para a jornalista Monica Gugliano, versando sobre a crise entre Venezuela e Guiana. Na referida entrevista, Ricupero critica a condescendência do governo brasileiro com a ditadura de Nicolás Maduro, avaliando que “o presidente Lula não voltou a ter a mesma admiração que tinha no mundo em seus dois primeiros mandatos em razão de não defender as mesmas causas que os ocidentais, como se dava anteriormente”.

Em determinado trecho da entrevista, Ricupero foi enfático, estendendo a análise a outros países não democráticos que desrespeitam sistematicamente os direitos humanos. A esse respeito, afirmou Ricupero:

Quando se critica uma política de indiferença às violações dos direitos humanos, além do problema de princípios, se comete um erro. Essa é a política que o PT e Lula costumam conduzir que, por afinidades ideológicas, não querem criticar a Venezuela, a Nicarágua, Cuba. Porque há outro aspecto: o ditador, o homem que viola a democracia e os direitos humanos é sempre causa de perigo. Você vê quem é que atacou a Ucrânia? Foi o Putin, ditador. Quem está criando esse problema com a Guiana? É o Maduro. É preciso condenar com firmeza as ditaduras e as violações, porque quem faz isso prejudica não só os próprios cidadãos, mas, na primeira oportunidade que aparecer, se torna uma ameaça aos demais, como estamos vendo na Venezuela.

Ao acabar de ler a entrevista do embaixador Ricupero, lembrei-me imediatamente da leitura recente de dois livros que, embora recorrendo a estilos diferentes, fazem comparações entre países socialistas e capitalistas e sobre a convivência – mais ou menos difícil – de países que adotam tais sistemas econômicos com a democracia.

O primeiro dos dois livros, Socialismo amargo, de autoria de Robert Lawson e Benjamin Powell, foi objeto de um artigo meu nestas mesmas Iscas Econômicas[1]. Nele, reproduzi o comentário de Paulo Polzonoff Jr., que assina o prefácio à edição brasileira, afirmando que “a ideia por trás de Socialismo amargo é simples e em nada original: dois intelectuais, no caso economistas, viajam pelo mundo a fim de observar de perto o zoológico humano em que invariavelmente se transformam as experiências socialistas”.

O segundo livro, cuja leitura concluí recentemente, chama-se O capitalismo não é o problema, é a solução e tem por subtítulo Uma viagem pela história recente através de cinco continentes (São Paulo: Edições 70, 2022). Seu autor, o historiador e jornalista alemão Rainer Zitelmann, percorre um trajeto parecido com o percorrido por Lawson e Powell em Socialismo amargo, porém sua narrativa para descrever suas conclusões é bem mais rigorosa.

Como ele afirma na introdução, “o livro foca em uma única questão: qual sistema econômico oferece a melhor qualidade de vida para a maioria das pessoas? A qualidade de vida é determinada, especialmente, embora não exclusivamente, pelo nível de riqueza econômica dos indivíduos e por seu nível de liberdade política”.

Para sustentar sua firme convicção na superioridade do capitalismo enquanto sistema econômico e da democracia enquanto regime político, Zitelmann, nos sete primeiros capítulos, mergulha em exemplos concretos na China, em diversos países da África, nas Alemanhas Ocidental e Oriental, nas Coreias do Sul e do Norte, na Inglaterra de Margaret Thatcher e nos Estados Unidos de Ronald Reagan, nas experiências do Chile e da Venezuela na América do Sul, e, por fim, na Suécia.

Na sequência, Zitelmann percorre o seguinte itinerário: no capítulo 8, explica como a liberdade econômica aumenta o bem-estar dos seres humanos; no capítulo 9, procura mostrar que as crises financeiras são resultantes muito mais de políticas inadequadas do que pelo capitalismo; no capítulo 10, explica por que os intelectuais não gostam do capitalismo; no capítulo 11, faz um apelo urgente em favor de reformas pró-capitalistas.

O capítulo 12 foi escrito pelo advogado e professor Bernardo Santoro  e focaliza como o Brasil se transformou num refém da sua gênese de matriz social-democrata.

Lendo entrevistas como a de Rubens Ricupero e livros como Socialismo amargo e O capitalismo não é o problema, é a solução não consigo entender as razões pelas quais, diante de tantos exemplos concretos espalhados pelo mundo, ainda existam apoiadores, em especial artistas, intelectuais, professores e jornalistas, de governantes ou países que optam pelo socialismo e, não raras vezes, também por regimes políticos ditatoriais.

Uma das frases famosas de Winston Churchill, um dos maiores estadistas do século XX, proferida em um discurso na Câmara dos Comuns em 11 de novembro de 1947, foi: “Ninguém pretende que a democracia seja perfeita ou sem defeito. Tem-se dito que a democracia é a pior forma de governo, salvo todas as demais formas que têm sido experimentadas de tempos em tempos.”

Ouso encerrar meu artigo fazendo uma analogia: “Ninguém pretende que o capitalismo seja perfeito ou sem defeito. Digo que o capitalismo é o pior sistema econômico, salvo todos os demais que foram experimentados de tempos em tempos”.

 

Iscas para ir mais fundo no assunto 

Referências bibliográficas e webgráficas 

LAWSON, Robert e POWELL, Benjamin. Socialismo amargo: dois economistas em um giro etílico pelo mundo. Tradução de Fernando Silva. São Paulo: LVM Editora, 2021.

MACHADO, Luiz Alberto. Socialismo amargo – Viajando por países socialistas bebendo muita cerveja. Disponível em https://portalcafebrasil.com.br/socialismo-amargo/.

RICUPERO, Rubens. ‘Lula perdeu admiração por deixar de defender as causas do Ocidente’. Entrevista a Monica Gugliano. O Estado de S. Paulo, 14 de janeiro de 2024, p. A 10.

ZITELMANN, Rainer. O capitalismo não é o problema, é a solução. Tradução de Patrícia Corrêa. São Paulo: Edições 70, 2022.

[1] Publicado em 27 de dezembro de 2022.

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado