s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

1936, 1984, 1918

1936, 1984, 1918

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

A guerra civil espanhola (1936-1939) foi assustadora, cruel, mas teve seus lances tragicômicos. Um deles era a eterna bagunça entre as muitas facções que formavam as Forças Republicanas, compostas de anarquistas, comunistas, brigadas internacionais e outros aliados de pura conveniência, apoiados por uma insuspeita União Soviética, louca para expandir seu império de terror stalinista. Juntar num caldeirão essa gente toda, por vezes ideologicamente antagônica, criava situações complexas. As subdivisões de grupelhos anarcocomunistas precisavam ser constantemente atualizadas sobre quem era amigo ou inimigo, tal a rapidez com que mudavam de posição no conflito; ao acordar pela manhã, corriam risco de levar chumbo do amigo de ontem que era o inimigo de hoje, mas poderia voltar a ser o amigo de amanhã. Coisa de maluco.

Dizem que essa situação era tão caótica e servil ao comunismo soviético que inspirou George Orwell a criar a ficcional situação belicista dos blocos da Eurásia, Lestásia e Oceania, numa eterna guerra entre si em sistema de rodízio, em sua genial obra 1984. Não conhece? Leia. Imperdível, e vai descobrir até a razão pela qual aquele programa da Globo se chama Big Brother.

Orwell sabia do que falava; inglês, combateu na guerra civil da Espanha como voluntário nas brigadas internacionais. Escapou com vida para contar seus horrores.

Se soubesse escrever ou mesmo se expressar de forma minimamente razoável, nossa brasileiríssima Kátia Abreu poderia escrever seu livro 2018, relatando sua história vivida nessa alternância de trincheiras tão cara ao político brasileiro, que busca somente seus interesses. não sentindo a menor vergonha em aliar-se – ou “desaliar-se” – desde que algum lucro, político ou financeiro, seja auferido. Ciro Gomes, que trocou de partido como quem troca de camisa, que o diga.

A fazendeira goiana Kátia Abreu, hoje senadora pelo PDT no Tocantins, era odiada pelos lulistas desde os anos 90 (ou mesmo antes) pela defesa dos ruralistas e por ser presidente do CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária) de 2008 em diante. Em 2002 elegeu-se deputada federal e senadora em 2006, sempre defendendo seus colegas do agronegócio e desancando fortemente Lula e sua turma. Era odiada pela esquerda; o MST a chamava de assassina, latifundiária, bandida, entre outras gracinhas. Odiavam-se de morte.

Na eleição de 2010, firme em sua luta a favor do ruralismo e contra a esquerda radical, Kátia defendeu José Serra diante de Dilma, criticando severamente Lula e sua política que ela classificava como derrota geral do país. Bem; como se sabe, Serra perdeu e Dilma ganhou. Num passe de mágica, obviamente sem nenhum interesse próprio, apenas por patriotismo e amor desprendido ao povo, Kátia Abreu tornou-se a melhor amiga de Dilma do dia para a noite, vindo a ser sua ministra e lutando por ela a socos e pontapés durante o impeachment da ensacadora de vento – mesmo vestindo a camisa do PMDB, esse saco de gatos. MST e lulistas deixaram de pedir o escalpo da nova aliada, afagando-a com elogios e salamaleques que só a mais rígida cara de pau dos arrivistas sabe proporcionar. Mas… eis que a maré vira novamente.

Com seu governador cassado pela justiça, o Tocantins realizou, há poucos dias, novas eleições para ocupar o cargo numa espécie de mandato tampão. A pedetista Kátia era franca favorita nas pesquisas, com até 22% de intenção de voto, sendo a única candidata que superava a soma de votos brancos e nulos; era barbada. Poucos dias antes da votação, Lula e sua secretária, Gleisi Hoffman, acharam por bem brindá-la com um vídeo pedindo votos à ex-inimiga e atual cumpanhêra; pois não é que, veiculado o tal vídeo (vingança ou amizade real?), os eleitores fugiram da favorita, que amargou um desonroso 4º lugar na apuração? Não se sabe se Gleisi e Lula estão rindo ou chorando com a fragorosa derrota, mas ou foi de caso pensado, ou pesquisa eleitoral não vale mais nada.

Não que seja novidade; lula e sua seita já pularam do ódio ao amor (e vice-versa) com gente do calibre de Sarney, Maluf, Collor, Ciro Gomes, Garotinho, Palocci, Jucá, e até o próprio presidente Temer.

Ao fim e ao cabo, a insanidade espelhada por Orwell no rodízio de inimigos para perpetuar a guerra é uma realidade indiscutível.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes