s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

1956, 1968, 1989 e a insanidade de 2016

1956, 1968, 1989 e a insanidade de 2016

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Invasões às escolas de ensino fundamental e médio se repetem pelo País, predominantemente no Paraná. Seus mentores alegam lutar contra a Proposta de Emenda Constitucional 241 (PEC do teto) e pela melhoria do ensino. Aham. Senta lá, Cláudia.

Chamam essa loucura de “Primavera Estudantil”, ou “Primavera do Paraná”. Embora não passem de invasões a prédios públicos, prejudicando milhares de alunos e suas famílias, os atos criminosos foram autodenominados dessa forma poética por seus líderes, numa comparação esdrúxula com fatos históricos – esses sim movimentos admiráveis, de coragem, de luta pela liberdade, contra a tirania comunista.

Winston Churchil, sempre profético, anunciou em 1945, ao fim da 2ª Guerra Mundial, que a União Soviética ( “um quebra-cabeças envolto num mistério dentro de um enigma”), não levaria seus exército de volta pra casa; permaneceria nos países “ocupados”, tornando-os satélites escravos. Acertou, como sempre. E acrescentou: “De Stettin, no Báltico, a Trieste, no Adriático, uma cortina de ferro desceu sobre o Continente”, criando uma das expressões mais populares do mundo para definir o totalitarismo soviético.

Um desses Países foi a Hungria. Em 1956, fartos da invasão soviética e do regime escravista imposto, estudantes da capital, Budapest, iniciaram um levante tentando afrouxar a coleira comunista. No início, houve alguns pequenos avanços, e foi proposta a retirada das tropas invasoras. Porém, Moscou mudou de ideia rapidinho e enviou um enorme exército para esmagar a revolta pacífica. Os húngaros resistiram, mas depois de 3 mil mortos e 200 mil refugiados, a “primavera” se mostrou efêmera – mas nunca esquecida, pela coragem e determinação dos revoltosos. Hoje é comemorada como data cívica de uma nação livre desde a implosão da URSS e o fim do comunismo. Foi a gloriosa Primavera de Budapest.

Na Tchecoslováquia ocorreu basicamente o mesmo, em 1968. O ato de libertação passou para a História como a Primavera de Praga; estudantes, intelectuais, jornalistas e cidadãos comuns se uniram para reduzir o poder soviético em sua terra. Queriam liberdade de imprensa e de expressão. Como em Budapest, a alegria durou pouco – até a chegada das tropas blindadas soviéticas. Depois da matança de sempre, Moscou se satisfez, garroteando ainda mais o sofrido povo tcheco, que só vislumbrou a liberdade com o fim da tirania internacional soviética. Enquanto isso, os filhinhos de papai parisienses, entediados, lutavam pela liberdade de se drogar, roubar, destruir, vandalizar e vagabundear. Em 1989, finalmente, veio a mãe de todas as Primaveras (na verdade, no outono). Os alemães orientais, fartos da ditadura comunista, literalmente derrubaram o trágico Muro de Berlim que circundava Berlim Ocidental e dividia um país todo. Era o símbolo maior do imperialismo soviético. Sua derrubada é considerada um marco da democracia mundial, o maior símbolo da liberdade da História, apesar de Lula ter lamentado o fato https://jornalivre.com/2016/10/17/lula-lamentou-a-queda-do-muro-de-berlim-a-embaixador-venezuelano/ , bem como o fizeram lulistas de 50 tons de vermelho: http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/aos-80-anos-um-intelectual-de-esquerda-lamenta-o-fato-de-o-brasil-nao-ser-uma-ditadura-ou-uma-coluna-de-jornal-uma-entrevista-e-a-democracia/

Sofridos – mas corajosos – povos, incluindo romenos, poloneses, os ex-iugoslavos e tantos outros, deram ao mundo uma lição de tenacidade até a sonhada liberdade vinda com a implosão da podre URSS. Contando, claro, com uma poderosa ajuda de Ronald Reagan e do Papa João Paulo II – não por acaso, polonês.

Mas nada disso adianta, quando a mente está obnubilada pelo vermelhismo demente. Isso não é assunto para Marx ou Lênin, é coisa de Freud mesmo. É inacreditável que essa espécie de MST escolar insista em pautas que morreram junto com o malfadado muro; mas apesar de todos os fatos, de toda a História, de tudo o que se sabe sobre a desgraça do comunismo, instituições como a UNE e a UBES, tentáculos obedientes do PC do B, ainda conseguem seduzir jovens com essa patacoada inacreditável.

Escolas com 2, 3 mil alunos matriculados foram invadidas (e não “ocupadas”, como eufemisticamente, ao estilo Antonio Gramsci, matraqueiam) por 20 ou 30 desordeiros, a maioria maiores em idade que nada tem de estudantes. Emblematicamente, a “assembleia nacional” que decidiu pela continuidade das criminosas invasões foi dirigida e votada por meros 600 agitadores. Inacreditável.

E ousam chamar isso de primavera. Não é e nunca será. Os europeus do leste ensinaram o que é a liberdade versus totalitarismo, o que é a luta contra a opressão, pela democracia que floresce ao sol. Esses garotos, pura massa de manobra, impedem que milhares de alunos frequentem suas escolas. Tratam o público como privado (só deles), e ainda alegam fazer isso pelo “povo”. Poloneses gargalhariam diante de tanta bobagem bolorenta.

Em suma: Os invasores de escolas públicas passaram anos ignorando o desastre lulista, e até o desmonte do Fies. De repente resolveram “defender” os frascos e comprimidos, impedindo que crianças frequentem as aulas, impedindo o Enade, prejudicando um número gigantesco de populares humildes numa ação evidentemente política orquestrada pelo P C do B e os de sempre. Até a CUT está nas escolas! Drogas, vandalismo, depredação, invasão e o assassinato de um jovem de 16 anos por outro de 17 são detalhezinhos, xapralá. Comportam-se como os mesmos soviéticos que as primaveras defenestraram. Querem “defender” as pessoas de problemas que eles mesmos criaram? Querem decidir o que é bom para os outros? Quem lhes deu procuração para isso? Quem os nomeou professores de Deus?

Pobres garotos iludidos. Aqui já fizemos nossa Primavera, e não faz tempo não; só falta prender mais alguns membros do Politburo moreno e da Stasi brazuca. Procurem outros bobos para fazer parte dessa seita ideológica. Aliás, vão estudar, que é o que vocês deviam estar fazendo e deixando os outros fazerem. Envelheçam, como pedia Nélson Rodrigues. E não imitem Lula, não se orgulhem da própria ignorância.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes