s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 788 – Love, Janis
Café Brasil 788 – Love, Janis
Janis Joplin era uma garota incompreendida, saiu da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

Cafezinho 426 – Quem tem pressa?
Cafezinho 426 – Quem tem pressa?
Hoje as narrativas familiares perderam espaço para uma ...

Ver mais

Tempos alvissareiros

Tempos alvissareiros

Adalberto Piotto - Olhar Brasileiro -

Por Adalberto Piotto

Os partidos políticos estão perdendo o poder porque perderam a noção da realidade do Brasil. Lamentável e preocupante.
O poder absoluto em sociedades evoluídas é da lei, das instituições regradas por leis que as aplicam sob e sobre tudo e todos. Este poder já não parece mais ser dividido, como já foi neste país, com caciques deputados ou senadores.
A influência do parlamentar se resume, como deve ser, à discussão e aprovação da legislação. Uma vez existente, passa a domínio público e à aplicação pelos poderes constituídos.
Por isso a Justiça e o Ministério Público estão à frente das decisões que estão transformando o Brasil e chamam nossa atenção para este momento único e provavelmente nunca experimentado por nós brasileiros
Líderes partidários, quer governistas ou da oposição, estão reconhecendo seus limites ante a lei que eles mesmos aprovaram, o que é saudável.
Ao se imaginarem com poder de traficar influência permanentemente em decisões do poder judiciário perdem a legitimidade do comprometimento com o país e se afogam com verborragia indecente e, ao que se viu, comprometedora.
Tamanha essa desconexão com o legal e imagem ruim que se deram, até mesmo a discordância ou concordância deles com o pedido de prisão de Lula pelos promotores de São Paulo equivale a nada, dentro do vácuo de representatividade dos partidos políticos existente hoje na sociedade brasileira.
A lei é soberana.
A decisão de denunciar o ex-presidente e pedir sua prisão preventiva foi técnica, sob o olhar acusatório do Ministério Público de São Paulo.
A decisão de acolher a denúncia e decretar ou não a prisão do denunciado Luis Inácio Lula da Silva, como é referido no pedido, será igualmente técnica da moderadora Justiça.
Ao insistirem neste debate que visa descredenciar ações legais em curso, os partidos perdem relevância. Estão no caminho de perder a importância se não se reinventarem. Uma pena.
A democracia de representação no Brasil requer partidos fortes e conectados com a sociedade. Mas não esses aí tal como estão agindo.
A Justiça não está nem aí para o que pensam os partidos politicamente. E isso é bom.
Tem-se pautado legalmente pelo que rege a Constituição.
O momento atual do Brasil é o mais visível resultado da independência dos poderes e o fortalecimento das instituições de Estado neste renascimento da democracia e da República brasileira.
E o prazer de ver isso acontecer é de nós encher de orgulho.

Em tempo: vejo os colegas de imprensa tomando a opinião de juristas sobre o pedido de prisão de Lula ou outro assunto jurídico em voga – ainda mais quando vieram de alguma corte superior- como verdade absoluta.
Um erro grave.
Primeiro porque verdades absolutas são raras e normalmente provêm da Natureza.
Segundo porque a maioria dos juristas também atua como advogados em bancas e escritórios prestigiados. São exatamente algumas dessas bancas que prestam serviços aos acusados e condenados por corrupção mais terríveis deste país.
E advogado defende a parte acusada. Decisões ou condutas de extrito cumprimento e aplicação da lei por órgãos da Justiça ou do Ministério Público, chamados inadvertidamente de “linha dura”, decisões céleres. rigorosas e independentes como sempre sonhamos no país da impunidade, não agradam aos causídicos.
Sua retórica pomposa acerca dos direitos de defesa do acusado pode sempre oscilar entre a nobreza do fazer-se justiça e o mais espúrio interesse.
Prudência e ceticismo nestes casos fazem sempre bem.

Ver Todos os artigos de Adalberto Piotto