s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

Tiroteio no Saloon

Tiroteio no Saloon

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

“Sou do Mato Grosso. Lá a gente lida com chantagista assim: é matar ou morrer”.                                                                      

A dramática frase acima foi replicada pelo site O Antagonista, dando como fonte a Folha de São Paulo: https://www.oantagonista.com/brasil/matar-ou-morrer

Lendo a frase, digna de faroeste dos anos 60, o cidadão imaginaria que o autor da pérola seria um John Wayne, um Clint Eastwood, Alan Ladd, Charles Bronson, Yul Brinner ou Lee Van Cleef.  Mas para decepção dos cinéfilos, e mais ainda de qualquer brasileiro, o dito é de um ministro do Supremo Tribunal Federal, o inconfundível Gilmar Mendes.

A alegada razão para esse ato de macheza duelística ao meio dia, numa rua poeirenta de uma cidadezinha do Texas com os Colt .45 cuspindo chumbo, tem uma causa tão estranha como as palavras resultantes: De acordo com Mendes, um colega do STF estaria sendo chantageado. Não deu detalhes, nem apresentou provas, nem o nome da suposta vítima, nem ao menos identificou o chantagista; tampouco revelou qual seria o motivo da chantagem ou quais as exigências do criminoso. Só deu a entender que a Lava Jato, operação mais vitoriosa da história da República no desmonte do crime organizado, extrapola seus limites. Não acusou frontalmente ninguém. Só jogou o dólar de prata pro alto pra ver se algum cowboy acerta (o atual levanta-que-eu-corto). Sem pegar no pianista, por favor, hein?

Peralá: um ministro do STF faz uma acusação desse porte, de extrema gravidade – como se reclamasse que o sorvete veio com pouca cobertura – e fica tudo por isso mesmo? Negativo. Muito corretamente, a deputada estadual Janaína Paschoal (PSL/SP), alertou que Gilmar Mendes deve ser ouvido com urgência pela Procuradoria Geral da República para que se apure essa alegação assustadora, com imediata abertura de inquérito. Mendes, o indefectível, não deu mais nenhuma pista depois de lançar o pomo da discórdia sobre a mesa do saloon. Silêncio total. Não se ouve nem o tilintar dos copos. Só o vento lá fora, empurrando o mato seco pelas ruas.

Até as moças de corpete apertado e pernas de fora que animam o saloon sabem que há guerra declarada entre Mendes e figurões da Lava Jato – incluídos no rol delegados federais, juízes, receita federal e membros do ministério público, como se esses fossem os bandidos. Os verdadeiros criminosos estão devidamente identificados (em parte) e muitos já cumprem pena pela destruição do Estado e desvio de rios de dinheiro público. Estão acusando o xerife, e não os pistoleiros. É o rabo balançando o cachorro. Ou o cavalo do bandido, como queiram.

Por mais que o brasileiro esteja com o couro grosso diante de excessos praticados por membros de todas as modalidades de poder, acreditando serem donos do País, e não meros servidores públicos, ainda é assustador ouvir ministros do Supremo batendo boca em plena sessão, xingando uns aos outros, dando entrevistas de cunho partidário, antecipando votos pela TV ou fazendo jogo de cena político. É absolutamente impensável um ato tresloucado semelhante na suprema corte de qualquer país que já tenha abandonado a Idade Média. Mas aqui é o Brasil brasileiro, é a jecaria, é a roça, a terra dos jagunços, o atraso, a ignorância travestida de “progressismo”. Não temos nem o charme dos antigos westerns.

Em outra entrevista, Mendes afirmou que a receita federal “está sendo usada como órgão de pistolagem de outras instituições”. Ou seja, tiroteio no saloon. Sempre quebram o espelho do bar e algum bandido é atingido na escada, se esborrachando nas mesas de baixo.

Não deu outra: Os procuradores responderam que Gilmar Mendes “continua a ofender gratuitamente a honra de magistrados e servidores porque acredita estar acima do bem e do mal.” Sacaram antes e acertaram o alvo. Mas por enquanto é só treino.

A hora do duelo final entre a turma dos mocinhos e a dos bandidos tá chegando? É uma gente tão estranha, o submundo do poder é tão vasto, envolve tantos mistérios com tantos interesses inconfessáveis… Tá mais pra Star Wars do que faroeste.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes