s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

A cama na Kombi

A cama na Kombi

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

​​​Douglas, meu amigo e colega de faculdade, contou uma história divertida e absolutamente verídica: Nos anos 80, sua família comprou uma casa de praia em Caraguá, litoral norte paulista. Modesta mas confortável, no trecho preferido dos bauruenses da época, a Praia de Capricórnio. Tudo que estivesse sobrando na residência de Bauru devia ser levado para lá, a fim de economizar na compra de novos móveis. E a cada vez levavam colchões, armários, fogão, geladeira, cadeiras, tudo, enfim, que guarnece uma casa e coubesse numa Kombi. Um dia o pai de Douglas disse que não aguentava mais desmontar móveis em Bauru e remontá-los na praia. Era cansativo, irritante; afirmou que a cama de casal seria transportada inteira, amarrada no teto da Kombi – uma ideia tão brilhantes quanto simples. Douglas, irmãos e mãe tentaram, inutilmente, fazer ver que isso era uma loucura, um perigo. O pai permaneceu irredutível, e lá se foi a troupe pela estrada, com a cama sobre o utilitário.
​​​Vou dispensar os leitores da desgraça, da comédia italiana misturada com drama inglês na qual a viagem se transformou; em resumo, a polícia rodoviária os parou várias vezes, a cama escorregava para os lados nas curvas e para frente nas freadas, um quase perdeu um dedo enrolado nas cordas, o teto da Kombi amassou, uma das pernas da cama enroscou na cobertura de um posto de gasolina, o pai discutia com a mãe – que não se conformava com aquela ideia doida, e de execução pior ainda. Enfim, um inferno estradeiro.

 

Pois, ladies and gents, eis que chega o fim da viagem, a glória dos ousados, o prêmio dos lutadores; o pai, cheio de si, dizia que podia ter sido o fim do mundo – mas lá estava a cama, intacta (ou quase) e isso valia qualquer sacrifício. Desmontar e montar móveis? Gastar os dedos com porcas e chaves de fenda? Nunca mais! Era a vitória do Homem sobre as agruras da vida!
​​​Ainda em êxtase, desamarrando o móvel em meio à escuridão da noite, o pai recebeu uma trágica notícia: Douglas medira a cama e agora percebia que ela não passaria nem pelas portas, nem pelas janelas. Teria que ser desmontada para adentrar a casa. Nesse momento começou a chover.
​​O pai de Douglas, ensopado, ferramentas em punho, desmontava o enorme objeto no escuro, desfiando o maior rosário de impropérios, pragas e maldições de que um ser humano seria capaz. Mas quando a raiva passou, ele aprendeu uma coisa: Teimosia não transforma uma ideia ruim em boa.
​​Quando o ex-presidente FHC começou as privatizações, vendendo estatais podres, endividadas, inchadas de empregados, com péssimos serviços e tecnologia ultrapassadíssima, a Lulada uivou: Vendendo as joias da coroa! Entregando os bens do povo! Dilapidando o País!
​​​De nada adiantaram as explicações, que as tais estatais renderiam muito mais em mãos privadas, recolhendo mais impostos com custo zero, além de prestar serviços muito melhores. Além disso, o saldo serviria para abater a dívida interna, o déficit público que atolava o Brasil. Além disso, as – então – duas novas tecnologias desconhecidas dos brasileiros, os telefones celulares e a internet, não poderiam ser instalados a contento se não houvesse investimento privado. Só lembrando: Uma linha telefônica custava mais de 7 mil dólares. Eram tão caras e raras que a espera por uma era de anos; havia um verdadeiro mercado negro de aluguel de linhas e aparelhos telefônicos, algo inimaginável hoje, depois da tão necessária privatização das telecomunicações. Não obstante, hoje a Lulada usufrui de tudo isso, mas insiste na cama em cima da Kombi.
​​​Além de não admitirem o êxito das privatizações, inventaram que FHC venderia também a Petrobrás, algo que ele jamais cogitou. Até hoje imaginam aqui e ali “inimigos privatistas” para não perderem a boquinha em estatais e sindicatos. Lamentável.
​​Pois bem: Lula e sua fantocha resolveram vender a Petrobrás; não toda, nem suas ações; decidiram algo muito pior. Estão vendendo seus ativos. Traduzindo, como a empresa está quebrada pela péssima administração e roubalheira sem fim, o governo teve a brilhante ideia de vender algumas das empresas que compõe a poderosa estatal do petróleo. Estão vendendo as mais lucrativas partes para fazer caixa, como as distribuidoras BR, diante da quase falência. Espantosa decisão para quem considerava privatização o horror supremo. E desonesta a mais não poder. Isso sem dizer que os pobres acionistas (principalmente os milhões de trabalhadores que Lula convenceu a enfiar seu FGTS nessa empresa cuja quebra estava planejada para consumar o saque) tiveram um prejuízo imenso. Suas economias viraram pó, assistindo à queda de uma ação de R$ 75 há apenas alguns anos para R$ 8 atualmente; a desvalorização foi tão violenta que bateu 35% em apenas 2 meses de 2014, sem a menor chance de recuperação nos próximos anos. Caso de polícia. O mais engraçado é que Dilma e seu mentor negam terminantemente que isso seja privatização. Bom, o nome do bicho não altera sua realidade. É privatização sim, e da pior espécie, na hora mais errada.
​​Pelo menos o pai do Douglas reconheceu seu erro, e hoje dão boas risadas com a história da família. Lula, Dilma e sua gangue nunca vão reconhecer suas asneiras. E vão insistir sempre na quadratura do círculo – sem contar a ilusão estelionatária do Pré-Sal. E nós não vamos rir de nada. Chorar, talvez.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes