s
Iscas Intelectuais
Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
MUDANÇAS IMPORTANTES NO CAFÉ BRASIL PREMIUM A você que ...

Ver mais

Café Brasil 735 – Morrer de quê?
Café Brasil 735 – Morrer de quê?
Fala a verdade, quem é que não se pegou pensando sobre ...

Ver mais

Café Brasil 734 – Globalização e Globalismo
Café Brasil 734 – Globalização e Globalismo
Olha, vira e mexe a gente ouve falar em globalização e ...

Ver mais

Café Brasil 733 – Agro Resenha
Café Brasil 733 – Agro Resenha
O agronegócio, que talvez seja o mais espetacular caso ...

Ver mais

Café Brasil 732 – Os quatro Princípios da Objetividade
Café Brasil 732 – Os quatro Princípios da Objetividade
Que tempo de medos, não? Mas será um medo ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

O boom no turismo regional no mundo pós-pandemia do coronavírus
Michel Torres
Estratégias para diferenciação e melhor aproveitamento da imensa demanda por hotéis e pousadas Um detalhe sobre a pandemia do coronavírus em curso é que as áreas com focos concentrados são ...

Ver mais

Boicote, Coelhinho?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O britânico Charles Cunningham entrou pra História de um jeito muito diferente. Em 1880, foi à Irlanda dirigir os negócios de um grande proprietário de terras local. Acabou entrando em desavenças ...

Ver mais

Aquém do potencial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Aquém do potencial  “A economia está sujeita a conveniências políticas que a levaram por maus caminhos. Por isso enfatizo tanto a gravidade da situação, na esperança de levar seus responsáveis ao ...

Ver mais

Forjado na derrota
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Forjado na derrota “A um escritor, assim como a um armador, não era permitido sentir medo.” Pat Conroy Conversando por telefone com minha irmã, depois de meses sem nos vermos por ...

Ver mais

Cafezinho 317 – Declaração de Princípios
Cafezinho 317 – Declaração de Princípios
Quando decidi que lançaria meu primeiro curso on-line, ...

Ver mais

Cafezinho 316 – Não somos estúpidos
Cafezinho 316 – Não somos estúpidos
Não, não é para mergulhar no otimismo cego, que é tão ...

Ver mais

Cafezinho 315 – Como nasce uma palestra
Cafezinho 315 – Como nasce uma palestra
É exatamente como um pintor, um escultor, um músico ...

Ver mais

Cafezinho 314 – Punguistas intelectuais
Cafezinho 314 – Punguistas intelectuais
Ser capaz de detectar as merdades deveria ser a ...

Ver mais

A economia criativa pode ser essencial para o pós-pandemia?

A economia criativa pode ser essencial para o pós-pandemia?

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

A economia criativa pode ser essencial para o pós-pandemia?

“… as crises econômicas inevitavelmente dão origem a períodos críticos em que uma economia é refeita para que possa recuperar-se e recomeçar a crescer. Esses são os períodos que chamo de grandes recomeços.”

Richard Florida

Embora já tenha se transformado num dos segmentos mais relevantes em diversas economias, tais como as do Reino Unido, Espanha e Nova Zelândia, bem como de regiões de alguns países, como São Francisco e Austin, nos Estados Unidos, e Toscana, na Itália, a economia criativa segue representando papel secundário no Brasil, em parte por desconhecimento do seu potencial, em parte pela descontinuidade das políticas públicas nas diferenças instâncias de governo.

Considerada estratégica pelos governos dos países acima mencionados e por organismos multilaterais como a Unesco e a Unctad, a economia criativa pode ser definida como a essência da economia do conhecimento ou do intangível, onde consumidores e criadores se confundem, assim como as empresas são ao mesmo tempo provedoras e consumidoras de serviços e bens mais ou menos sofisticados. Consumidores mais exigentes obrigam as empresas a se aperfeiçoarem e, ao fazê-lo, as empresas geram empregos e renda que estimulam novas demandas.

No Brasil, a economia criativa ganhou impulso com a criação da Secretaria Nacional da Economia Criativa, em 2011, no âmbito do Ministério da Cultura, que tinha na época como titular da pasta, Ana de Holanda. Em que pese não dispor de recursos volumosos, a secretária de Economia Criativa, Cláudia Leitão, mediante esforço extraordinário, conhecimento de causa e competência na gestão, conseguiu resultados consideráveis, notadamente no sentido de difundir e conscientizar pessoas e instituições sobre o imenso potencial que apresentava e o impacto que poderia ter em nosso país.

O Plano da Secretaria de Economia Criativa, lançado em 2012, enfatizava o caráter multidisciplinar do segmento e destacava seus quatro elementos norteadores: diversidade cultural, sustentabilidade, inclusão social e inovação.

Figura 1

A economia criativa brasileira e seus principais norteadores

                                    Fonte: Plano da Secretaria da Economia Criativa

Embora os especialistas tenham alguma divergência quanto aos setores por ela abrangidos, gosto muito do quadro apresentado na figura 2.

Figura 2

Sistemas de classificação das economias criativas derivadas

de diferentes modelos

                                         Fonte: Relatório Anual de 2010 da Unctad

Como se pode constatar verificando as diferentes colunas, há itens que aparecem em alguns modelos e não em outros, como Esportes, por exemplo, além de divergências quanto às subdivisões, quer na nomenclatura, quer no enquadramento. Publicações mais recentes incluem também itens como Gastronomia e Turismo.

Vale sempre a ressalva de que a economia criativa compreende a idealização, concepção e desenvolvimento de todos esses itens. A partir do momento que entram na linha de produção, passam a ser considerados e contabilizados em segmentos específicos como o comercial ou o industrial.

Mesmo considerando essa ressalva, não resta dúvida de que se trata de um segmento amplo e expressivo, no qual alguns itens ganham cada vez mais destaque em todo o mundo, cabendo menção especial ao de games (jogos de vídeo e computador), pela elevada incorporação de inovação e capacidade de aproveitamento dos moderníssimos recursos da tecnologia da informação.

Entre os grandes especialistas espalhados pelo mundo, eu destacaria dois no exterior – Richard Florida e John Howkins – e dois no Brasil – Cláudia Leitão e Ana Carla Fonseca Reis. Todos têm oferecido enorme contribuição para a disseminação do conceito e aplicação de projetos de economia criativa por meio da publicação de livros e artigos, da participação em congressos, conferências e palestras ou da assessoria na formulação de políticas públicas.

Richard Florida, urbanista canadense que divide seu tempo entre seu país natal e os Estados Unidos, autor do clássico A ascensão da classe criativa, publicou posteriormente o livro O grande recomeço. Lançado no final da crise econômico-financeira que teve origem no setor hipotecário norte-americano, espalhando-se depois por todo o mundo, nele Florida realça o papel importante desempenhado pela economia criativa na recuperação de diversas localidades do meio-oeste dos Estados Unidos, cujos negócios eram historicamente ligados à produção de carvão. Muitos desses negócios, que já vinham em decadência por serem altamente poluentes e pouco produtivos em comparação a outras fontes de energia, receberam com a crise seu golpe final, indo à falência e encerrando suas atividades. Como assinalou Florida em O grande recomeço, o ressurgimento das cinzas não ocorreu com a reativação das antigas unidades de produção, mas com outros completamente diferentes, caracterizados pela utilização intensiva da criatividade e da imaginação, matérias-primas básicas da economia criativa.

Se isso foi possível numa das regiões que mais se atrasaram na corrida do desenvolvimento nas ultimas décadas do século XX nos Estados Unidos, por que não seria possível num país que possui a quantidade e a diversidade de recursos naturais, bem como o volume de recursos humanos como o Brasil?

Para tanto, duas condições são absolutamente fundamentais:

  1. Empenho generalizado na melhora da educação em todos os níveis;
  2. Continuidade e coordenação de políticas públicas nas três esferas de governo.

Será sonhar demais?

Iscas para ir mais fundo no assunto

Referências bibliográficas

FLORIDA, Richard. A ascensão da classe criativa. Tradução de Ana Luiza Lopes. Porto Alegre, RS: L&PM, 2011.

_______________ O grande recomeço: as mudanças no estilo de vida e de trabalho que podem levar à prosperidade pós-crise. Tradução de Maria Lucia de Oliveira. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010..

PLANO da Secretaria da Economia Criativa: políticas, diretrizes e ações, 2011 – 2014. Brasília: Ministério da Cultura, 2012.

UNITED NATIONS. Creative Economy: A Feasible Development Option. The Creative Economy Report 2010. Geneva, Switzerland and New York, NY, USA: UNCTAD/UNDP Special Unit for South-South Cooperation, 2010.

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado