s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 798 – Raciocínios Perigosos – Revisitado
Café Brasil 798 – Raciocínios Perigosos – Revisitado
O Café Brasil de hoje é a releitura de um programa de ...

Ver mais

Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Tenho feito uma série de lives que chamei de ‘Bora pra ...

Ver mais

Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Outro daqueles acidentes estúpidos vitimou mais uma ...

Ver mais

Café Brasil 795 – A Black Friday
Café Brasil 795 – A Black Friday
Uma vez ouvi que a origem do apelido Black Friday seria ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Quadrinhos em alta
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Quadrinhos em alta Apesar do início com publicações periódicas impressas para públicos específicos, as HQs não se limitam a atender às crianças. Há quadrinhos para adultos, de muita qualidade, em ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Tipos e Regras de Divisão Lógica (parte 7)
Alexandre Gomes
Antes de tratar das regras da divisão lógica – pois pode parecer mais importante saber as regras de divisão que os tipos de divisão – será útil revisar alguns tópicos já tratados para ...

Ver mais

Simplificar é confundir
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Alexis de Tocqueville escreveu que “uma idéia falsa, mas clara e precisa, tem mais poder no mundo do que uma idéia verdadeira, mas complexa”.   Tocqueville estava certo. Em todos os ...

Ver mais

País de traficantes?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não é segredo que o consumo de drogas é problema endêmico no País, bem como o tráfico delas. O Brasil não apenas recebe toneladas de lixo aspirável ou injetável para consumo interno, como ainda ...

Ver mais

Cafezinho 444 – Congestão mental
Cafezinho 444 – Congestão mental
Quanto de alimento intelectual você consegue entuchar ...

Ver mais

Cafezinho 443 –  O crime nosso de cada dia
Cafezinho 443 –  O crime nosso de cada dia
A sociedade norte americana está doente. E eles somos ...

Ver mais

Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
A cultura é boa porque influencia diretamente a forma ...

Ver mais

Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
A baixa cultura faz crescer a bunda, melhorar o ...

Ver mais

A eterna falta de tempo

A eterna falta de tempo

Jota Fagner - Origens do Brasil -

Enquanto voltava para casa carregando alguns livros que acabara de comprar, encontrei uma senhorinha muito simpática que costumava trabalhar numa banca de jornal aqui perto. Havia sido demitida por irresponsabilidade e agora passava os dias perambulando. Ela me cumprimentou, perguntou de minha família, viu os livros em minhas mãos e perguntou se eu “estava na livraria?”.

“Quase isso”, respondi orgulhoso. “Estou voltando da feira de livros da USP. Aproveitei a oportunidade para comprar algumas edições que eu vinha namorando”.

Ela me olhou com um jeito professoral e soltou a ladainha de sempre: “Ler é muito bom. Eu gostaria de ter tempo”.

Meu sangue ferveu, mas se tratava de uma senhora. Contei mentalmente até dez, respirei fundo e segui mudando de assunto. Falei de como estava quente, “esse verão promete, né?” Ela anuiu e o papo continuou assim até que cada um seguisse caminhos diferentes.

Não foi a primeira vez que ouvi aquela desculpa. Na verdade, ela é muito constante. Invariavelmente essa é o argumento daqueles que têm vergonha de admitir que não gostam de ler. O hábito de leitura precisa ser cultivado. O ideal é que se comece com leituras mais leves. Livros infantis e histórias em quadrinhos podem ajudar. Aos poucos o nível de dificuldade deve ser aumentado. A cada nova etapa o leitor desenvolve novas habilidades. E esse é um processo que demora anos. Não se torna um amante da leitura da noite para o dia, porque ler não é algo natural.

O problema é que virou senso comum falar sobre os benefícios da leitura. Todo mundo ouve dizer que quem lê mais desenvolve melhor sua inteligência, torna-se mais culto, atinge outros níveis de compreensão da vida e não sei mais o quê. Sendo assim, ninguém quer admitir publicamente que não gosta. A solução encontrada é apelar para a falta de tempo.

Tenho amigos que são muito fãs de histórias em quadrinhos, mas nunca saíram desse nível. Continuam colecionando edições encadernadas de histórias de super-heróis, mas não conseguem terminar um livro sequer. A desculpa? A velha falta de tempo.

Conheço outros que estão, todos os finais de semana, enchendo a cara em mesas de bar. Passam, em média, entre seis e oito horas bebendo. Gostariam muito de ler, mas a falta de tempo não permite. Alguns outros são adeptos das maratonas de séries e filmes. Passam entre oito e 12 horas a cada nova maratona. Sonham em ter um pouco mais de tempo para a leitura.

A falta de tempo parece ser o problema dos brasileiros. Difícil é admitir que a leitura não está entre as prioridades. O investimento para se tornar um bom leitor é muito grande. Livros são caros, muitas vezes difíceis de conseguir. O tempo despendido para se tornar um bom leitor pode ser aproveitado com atividades que trarão prazeres mais imediatos. A leitura só dá retornos no longo prazo. Talvez seja esse tempo que as pessoas não tenham, ou melhor dizendo, não estão dispostas a investir.

Dificilmente um leitor sem muita experiência tirará proveito de um livro do Guimarães Rosa ou do Euclides da Cunha. Seria mais fácil começar com Paulo Coelho, Augusto Cury ou Harry Potter – sem demérito algum. Mas é preciso ir subindo os degraus gradativamente, ou corre-se o risco de nunca atingir sua capacidade total.

O problema com esse argumento da falta de tempo é que ele pressupõe que aqueles que leem não fazem outra coisa da vida. Admito que, como jornalista e professor, estou muito mais próximo das letras do que a maioria das pessoas. Mas também tenho minhas atividades e obrigações. Posso passar semanas ou meses sem terminar um único livro caso eu descuide da disciplina diária. Mas esse hábito, por ser um dos mais antigos que desenvolvi, tornou-se uma necessidade.

Vinte minutos de leitura antes de dormir já me dão certo consolo. Mas esse sou eu. Pessoas diferentes têm diferentes prioridades. Mas não venham me dizer que é falta de tempo. Isso é o mesmo que me chamar de vagabundo.

J. Fagner

Ver Todos os artigos de Jota Fagner