s
Iscas Intelectuais
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 726 – Gently Weeps
Café Brasil 726 – Gently Weeps
Olha, algumas canções são tão sagradas que eu me sinto ...

Ver mais

Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Estamos protagonizando uma revolução nas mídias, com ...

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

Isolamento social, ideologia e privilégio de classe
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
A linguagem é dialética. Para apreender toda a extensão do que é dito, é preciso captar não só o seu significado explícito, mas também o que se oculta. Todos sabemos: em período de pandemia, é ...

Ver mais

Polêmica indesejável
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Polêmica indesejável “Eu sou o que me cerca. Se eu não preservar o que me cerca, eu não me preservo.” José Ortega y Gasset A aprovação do marco regulatório do saneamento pelo Senado, no dia 24 de ...

Ver mais

O fenômeno da fraude acadêmica no Brasil
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Existe um fenômeno curioso na cultura brasileira: a falsificação de credenciais acadêmicas. A mentira do novo ex-ministro da Educação, Carlos Decotelli, que afirma ter concluído um doutorado que ...

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Os dias de incertezas que hoje vivemos, estão repletos ...

Ver mais

Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Empatia positiva. Saborear a sensação boa do outro não ...

Ver mais

Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Se você tem acesso a informações que outras pessoas não ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

A Falta e a Sobra

A Falta e a Sobra

Labi Mendonça - Iscas Anarquiscas -

Nos últimos dias, diante da assustadora e costumeira orgia alimentar que se abate sobre as famílias que podem se dar ao luxo de exagerar nas festas natalinas, eu confesso que fiquei meio incômodo.

Antes, no passado, isso nem me preocupava e eu queria era mais, desfrutar da exagerada libidinosidade das várias opções de comida que preparam para as festas.

Hoje eu fico meio constrangido e até enfastiado. Não que eu seja um ser muito certinho e bondoso, que me preocupo com a desigualdade do mundo. Já vivi o suficiente para saber que essa é a lei da vida, uns tem muito e outros muito pouco ou nada. E quem tem fez por ter já que nada é vindo de graça.

Não estou nem aí para explicar a desigualdade. Foi assim que ficou o mundo e pronto. No fundo poucos se preocupam mesmo. Mas também não acredito nas “falsas posturas” dos que querem de repente mitigar a carência alheia. No fundo a maioria quer mais é ter algum proveito, nem que seja o beneplácito e o perdão divino.

Mas me incomoda quando vejo que se faz comida em demasia, quando a vontade de ser superlativo no cardápio leva a tal fartura excessiva. O que me preocupa é essa cultura orgiástica do banquete, a desavergonhada e assumida gula que leva ao excesso de opções e pratos.

Frutas que se estragam, doces que envenenam o sangue com excesso de açúcar, álcool das bebidas que se mistura nas indigestões de cada comilão. No fundo nada disso é muito saudável. É olhando por esse prisma as ceias fartas e mesas cheias de opção que me parecem como um paradoxo incrível. A festa cristã de festejar o nascimento do menino Jesus, o símbolo da simplicidade e da humildade, em vez da caridade, da preocupação em melhorar de verdade nosso mundo, se transforma numa loucura de consumo na nossa sociedade. Talvez isso ocorra até em boa parte do mundo ocidental e não só.

O que me incomoda é que a sociedade de consumo é cruel, ela investe tudo nessa loucura, leva as pessoas a gastar além do razoável, comprar muito, exagerar sem controle, comer demais, beber em excesso, e tudo com a voluntária adesão da maioria das pessoas. Uma semana de desvario para um ano de angústias.

As campanhas na TV, a publicidade, estimulam a compulsiva onda material de comprar. E com preços lá em cima.

O que é incrível é que no dia seguinte ao natal, as liquidações e promoções de queima de estoque jogam os preços por terra. Ninguém se sente enganado, ultrajado, por ter pago três vezes o valor que no dia seguinte é oferecido. Será que o grau de desvario das pessoas faz com que todos percam a noção, o valor do dinheiro, o respeito por tudo que conseguem com tanto sacrifício?

Acho que é uma doença, uma epidemia, tal como o Crack e outras enfermidades que nossa sociedade moderna está incorporando na sua fase mais atual. Ninguém mais pensa de forma crítica, todos entram no bonde do consumismo. Não vejo as pessoas preocupadas com a falta, onde falta, onde possa fazer a diferença, onde possa criar novas oportunidades.

Eu deveria tocar um foda-se, fazer a minha vida, buscar o meu prazer, sem ficar aqui pensando essas coisas, tentando mostrar que de alguma forma nos portamos de modo alienado. Acontece que não consigo mais. Confesso que com a experiência adquirida, passei a dar valor a outras coisas, e uma delas é dar a minha contribuição, para que possa ajudar ao meu semelhante, aquele que eu possa tocar com minha análise. Eu comecei a pensar e escrever. Quem sabe sirva para alguma coisa:

 

Onde falta estudo sobra ignorância, onde falta consciência sobra irresponsabilidade, onde falta sabedoria sobra violência, onde falta ideologia sobra a alienação, onde falta respeito sobra a intolerância, onde falta coragem sobra a covardia, onde falta o amor sobra o ódio, onde falta amor à vida sobra todo tipo de destruição. E por aí vai…

O que mais falta e sobra? Sabem? É uma questão de cada um consigo. O resto não importa.

Ver Todos os artigos de Labi Mendonça