s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 788 – Love, Janis
Café Brasil 788 – Love, Janis
Janis Joplin era uma garota incompreendida, saiu da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

A Falta e a Sobra

A Falta e a Sobra

Labi Mendonça - Iscas Anarquiscas -

Nos últimos dias, diante da assustadora e costumeira orgia alimentar que se abate sobre as famílias que podem se dar ao luxo de exagerar nas festas natalinas, eu confesso que fiquei meio incômodo.

Antes, no passado, isso nem me preocupava e eu queria era mais, desfrutar da exagerada libidinosidade das várias opções de comida que preparam para as festas.

Hoje eu fico meio constrangido e até enfastiado. Não que eu seja um ser muito certinho e bondoso, que me preocupo com a desigualdade do mundo. Já vivi o suficiente para saber que essa é a lei da vida, uns tem muito e outros muito pouco ou nada. E quem tem fez por ter já que nada é vindo de graça.

Não estou nem aí para explicar a desigualdade. Foi assim que ficou o mundo e pronto. No fundo poucos se preocupam mesmo. Mas também não acredito nas “falsas posturas” dos que querem de repente mitigar a carência alheia. No fundo a maioria quer mais é ter algum proveito, nem que seja o beneplácito e o perdão divino.

Mas me incomoda quando vejo que se faz comida em demasia, quando a vontade de ser superlativo no cardápio leva a tal fartura excessiva. O que me preocupa é essa cultura orgiástica do banquete, a desavergonhada e assumida gula que leva ao excesso de opções e pratos.

Frutas que se estragam, doces que envenenam o sangue com excesso de açúcar, álcool das bebidas que se mistura nas indigestões de cada comilão. No fundo nada disso é muito saudável. É olhando por esse prisma as ceias fartas e mesas cheias de opção que me parecem como um paradoxo incrível. A festa cristã de festejar o nascimento do menino Jesus, o símbolo da simplicidade e da humildade, em vez da caridade, da preocupação em melhorar de verdade nosso mundo, se transforma numa loucura de consumo na nossa sociedade. Talvez isso ocorra até em boa parte do mundo ocidental e não só.

O que me incomoda é que a sociedade de consumo é cruel, ela investe tudo nessa loucura, leva as pessoas a gastar além do razoável, comprar muito, exagerar sem controle, comer demais, beber em excesso, e tudo com a voluntária adesão da maioria das pessoas. Uma semana de desvario para um ano de angústias.

As campanhas na TV, a publicidade, estimulam a compulsiva onda material de comprar. E com preços lá em cima.

O que é incrível é que no dia seguinte ao natal, as liquidações e promoções de queima de estoque jogam os preços por terra. Ninguém se sente enganado, ultrajado, por ter pago três vezes o valor que no dia seguinte é oferecido. Será que o grau de desvario das pessoas faz com que todos percam a noção, o valor do dinheiro, o respeito por tudo que conseguem com tanto sacrifício?

Acho que é uma doença, uma epidemia, tal como o Crack e outras enfermidades que nossa sociedade moderna está incorporando na sua fase mais atual. Ninguém mais pensa de forma crítica, todos entram no bonde do consumismo. Não vejo as pessoas preocupadas com a falta, onde falta, onde possa fazer a diferença, onde possa criar novas oportunidades.

Eu deveria tocar um foda-se, fazer a minha vida, buscar o meu prazer, sem ficar aqui pensando essas coisas, tentando mostrar que de alguma forma nos portamos de modo alienado. Acontece que não consigo mais. Confesso que com a experiência adquirida, passei a dar valor a outras coisas, e uma delas é dar a minha contribuição, para que possa ajudar ao meu semelhante, aquele que eu possa tocar com minha análise. Eu comecei a pensar e escrever. Quem sabe sirva para alguma coisa:

 

Onde falta estudo sobra ignorância, onde falta consciência sobra irresponsabilidade, onde falta sabedoria sobra violência, onde falta ideologia sobra a alienação, onde falta respeito sobra a intolerância, onde falta coragem sobra a covardia, onde falta o amor sobra o ódio, onde falta amor à vida sobra todo tipo de destruição. E por aí vai…

O que mais falta e sobra? Sabem? É uma questão de cada um consigo. O resto não importa.

Ver Todos os artigos de Labi Mendonça