s
Iscas Intelectuais
Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
MUDANÇAS IMPORTANTES NO CAFÉ BRASIL PREMIUM A você que ...

Ver mais

Café Brasil 740 – O tempo passou na janela
Café Brasil 740 – O tempo passou na janela
O tempo passou na janela. Você viu?

Ver mais

Café Brasil 739 – O deleite – Revisitado
Café Brasil 739 – O deleite – Revisitado
Hoje tratamos da importância de divertir-se enquanto ...

Ver mais

Café Brasil 738 – O encantador de Millennials
Café Brasil 738 – O encantador de Millennials
Todo mês, publicamos no Café Brasil Premium um ...

Ver mais

Café Brasil 737 – A Lei de Murphy
Café Brasil 737 – A Lei de Murphy
Ei! Vai um sorvete aí? Ah! Só se for Perfetto! A ...

Ver mais

LíderCast 206 – Alessandro Loiola
LíderCast 206 – Alessandro Loiola
Médico, segunda aparição no LíderCast, por conta de seu ...

Ver mais

LíderCast 205 – Lorenzo Ridolfi
LíderCast 205 – Lorenzo Ridolfi
Um “nerd” fascinado por matemática e por big data, que ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Prêmio Nobel de Economia 2020
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Nobel de Economia 2020 Um prêmio em consonância com seu tempo “A teoria dos leilões é uma das construções mais coletivas da teoria econômica, tendo recebido a contribuição de grande número de ...

Ver mais

A lição de Giordano
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O médico Joseph Giordano esperava um dia tranquilo de trabalho naquele longínquo 30 de março de 1981, como cirurgião-chefe da equipe de traumatologia da Universidade George Washington, situado na ...

Ver mais

Em pauta, a verdade
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Em pauta, a verdade “O mundo do século XXI remete aos navegadores que conquistaram novas terras no século XVI: eles sabiam onde estavam e tinham apenas uma pálida indicação de onde chegariam. ...

Ver mais

Quando abandonamos a literatura, a língua nos abandona
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
O domínio da língua não se esgota na leitura e na escrita proficiente. A língua é composta por muitas linguagens que se inscrevem em diferentes regiões hermenêuticas. Ao transitar por um texto ...

Ver mais

Cafezinho 327 – A cascata da disponibilidade
Cafezinho 327 – A cascata da disponibilidade
Como funciona uma cadeia de eventos que pode provocar ...

Ver mais

Cafezinho 326 – O atalho
Cafezinho 326 – O atalho
Enriquecer seu processo de julgamento e tomada de decisão

Ver mais

Cafezinho 325 – Os 35 MLA
Cafezinho 325 – Os 35 MLA
Demos a largada num projeto ambicioso que chamamos de ...

Ver mais

Cafezinho 324 – A regra das 48 horas
Cafezinho 324 – A regra das 48 horas
Quando chega uma notícia bombástica, eu só me pronuncio ...

Ver mais

A Falta e a Sobra

A Falta e a Sobra

Labi Mendonça - Iscas Anarquiscas -

Nos últimos dias, diante da assustadora e costumeira orgia alimentar que se abate sobre as famílias que podem se dar ao luxo de exagerar nas festas natalinas, eu confesso que fiquei meio incômodo.

Antes, no passado, isso nem me preocupava e eu queria era mais, desfrutar da exagerada libidinosidade das várias opções de comida que preparam para as festas.

Hoje eu fico meio constrangido e até enfastiado. Não que eu seja um ser muito certinho e bondoso, que me preocupo com a desigualdade do mundo. Já vivi o suficiente para saber que essa é a lei da vida, uns tem muito e outros muito pouco ou nada. E quem tem fez por ter já que nada é vindo de graça.

Não estou nem aí para explicar a desigualdade. Foi assim que ficou o mundo e pronto. No fundo poucos se preocupam mesmo. Mas também não acredito nas “falsas posturas” dos que querem de repente mitigar a carência alheia. No fundo a maioria quer mais é ter algum proveito, nem que seja o beneplácito e o perdão divino.

Mas me incomoda quando vejo que se faz comida em demasia, quando a vontade de ser superlativo no cardápio leva a tal fartura excessiva. O que me preocupa é essa cultura orgiástica do banquete, a desavergonhada e assumida gula que leva ao excesso de opções e pratos.

Frutas que se estragam, doces que envenenam o sangue com excesso de açúcar, álcool das bebidas que se mistura nas indigestões de cada comilão. No fundo nada disso é muito saudável. É olhando por esse prisma as ceias fartas e mesas cheias de opção que me parecem como um paradoxo incrível. A festa cristã de festejar o nascimento do menino Jesus, o símbolo da simplicidade e da humildade, em vez da caridade, da preocupação em melhorar de verdade nosso mundo, se transforma numa loucura de consumo na nossa sociedade. Talvez isso ocorra até em boa parte do mundo ocidental e não só.

O que me incomoda é que a sociedade de consumo é cruel, ela investe tudo nessa loucura, leva as pessoas a gastar além do razoável, comprar muito, exagerar sem controle, comer demais, beber em excesso, e tudo com a voluntária adesão da maioria das pessoas. Uma semana de desvario para um ano de angústias.

As campanhas na TV, a publicidade, estimulam a compulsiva onda material de comprar. E com preços lá em cima.

O que é incrível é que no dia seguinte ao natal, as liquidações e promoções de queima de estoque jogam os preços por terra. Ninguém se sente enganado, ultrajado, por ter pago três vezes o valor que no dia seguinte é oferecido. Será que o grau de desvario das pessoas faz com que todos percam a noção, o valor do dinheiro, o respeito por tudo que conseguem com tanto sacrifício?

Acho que é uma doença, uma epidemia, tal como o Crack e outras enfermidades que nossa sociedade moderna está incorporando na sua fase mais atual. Ninguém mais pensa de forma crítica, todos entram no bonde do consumismo. Não vejo as pessoas preocupadas com a falta, onde falta, onde possa fazer a diferença, onde possa criar novas oportunidades.

Eu deveria tocar um foda-se, fazer a minha vida, buscar o meu prazer, sem ficar aqui pensando essas coisas, tentando mostrar que de alguma forma nos portamos de modo alienado. Acontece que não consigo mais. Confesso que com a experiência adquirida, passei a dar valor a outras coisas, e uma delas é dar a minha contribuição, para que possa ajudar ao meu semelhante, aquele que eu possa tocar com minha análise. Eu comecei a pensar e escrever. Quem sabe sirva para alguma coisa:

 

Onde falta estudo sobra ignorância, onde falta consciência sobra irresponsabilidade, onde falta sabedoria sobra violência, onde falta ideologia sobra a alienação, onde falta respeito sobra a intolerância, onde falta coragem sobra a covardia, onde falta o amor sobra o ódio, onde falta amor à vida sobra todo tipo de destruição. E por aí vai…

O que mais falta e sobra? Sabem? É uma questão de cada um consigo. O resto não importa.

Ver Todos os artigos de Labi Mendonça