s
Iscas Intelectuais
Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Palestra Planejamento Antifrágil
Palestra Planejamento Antifrágil
Aproveite o embalo, pois além de ouvir a história, você ...

Ver mais

Café Brasil 780 – LíderCast Barone & Priester
Café Brasil 780 – LíderCast Barone & Priester
Pronto. Chegou o dia de conversar com duas referências ...

Ver mais

Café Brasil 779 – Grávida? Você está demitida!
Café Brasil 779 – Grávida? Você está demitida!
Há quatro anos, uma amiga me relatou uma história ...

Ver mais

Café Brasil 778 – Cringe: a maldição dos Millennials
Café Brasil 778 – Cringe: a maldição dos Millennials
Um novo termo entrou em evidência: o cringe. A tradução ...

Ver mais

Café Brasil 777 – Polarização Política
Café Brasil 777 – Polarização Política
Se você não vive em Plutão, já sacou como a polarização ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
E a educação brasileira, como é que vai, hein? Mal, não ...

Ver mais

Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Da mesma forma como o Youtube joga no colo da gente um ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Olímpica expectativa
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Olímpica expectativa “O esporte tem o poder de unificar, passar uma imagem de paz e resiliência, e nos dá esperança de seguir nossa jornada juntos.” Thomas Bach (Presidente do Comitê Olímpico ...

Ver mais

Economia do crime
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Economia do crime  O crime compensa?  “Na faculdade, fui atraído pelos problemas estudados por sociólogos e as técnicas analíticas utilizadas pelos economistas. Esses interesses começaram a se ...

Ver mais

Reprise
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Reprise  Já vi esse filme outras vezes… e não gostei do final A combinação de novas denúncias de irregularidades envolvendo membros do governo, o andamento da CPI da Covid e a sucessão de ...

Ver mais

O infalível ministro
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A piada é antiga. Dá pra contar, se a turma do politicamente correto ainda não inventou o crime de lusofobia: A famosa cena bíblica do apedrejamento da adúltera, quando o Mestre teria dito… ...

Ver mais

Cafezinho 406 – Ressentimentos passivos
Cafezinho 406 – Ressentimentos passivos
Eu escolhi participar ativamente, usando as armas que tenho.

Ver mais

Cafezinho 405 – O babaca
Cafezinho 405 – O babaca
Qual tipo de reação você acha que levo em consideração ...

Ver mais

Cafezinho 404 – Mantenha-se lúcido.
Cafezinho 404 – Mantenha-se lúcido.
Que tal recuperar a lucidez? Perceber as mentiras, os ...

Ver mais

Cafezinho 403 – A teoria do banheiro mijado.
Cafezinho 403 – A teoria do banheiro mijado.
Eu nunca me conformei de, ao entrar num banheiro, me ...

Ver mais

A guerra dos pelados

A guerra dos pelados

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

De 1912 a 1916 o Estado de Santa Catarina sofreu a Guerra do Contestado, conflito armado que opôs, de um lado, posseiros e pequenos produtores rurais, e de outro militares federais e estaduais. Nenhum dos contendores tinha muita razão; como nossos problemas sócio-econômicos são os mesmos desde sempre, a causa do rolo todo foi a propriedade sobre uma faixa de terra de 30 quilômetros, disputada entre agricultores e autoridades que desapropriaram a área para a construção de uma ferrovia. Os camponeses revoltosos acabaram dominados pelo fanatismo religioso, através de figuras messiânicas como um tal “monge” José Maria, fato que desviou o foco do conflito para algo ainda pior; tornou-se uma espécie de guerra santa, uma “Canudos do Sul”. Resultado: Oito mil mortos por nada, a não ser insanidade coletiva e a demência ainda maior dos líderes.

Um dos episódios mais marcantes do Contestado foi a batalha denominada “guerra dos pelados” em 1913, na qual os revoltosos, entrincheirados, resolveram raspar as cabeças e resistir às tropas. Os carecas deixaram sua marca no triste conflito.

Karl Marx disse que a História se repete, a primeira vez como tragédia e a segunda como farsa. Se é que ele tinha razão (nunca a teve em toda a sua vida), no Brasil a História se repete como novela.

Nossa nova guerra dos “pelados” rendeu muitos lances dramáticos e milhões de pitacos, inerentes à fase internética do ser humano bigbrótico: Trata-se do embate entre os carecas Daniel Silveira, o deputado doidaço, adepto do mato-capo-arrebento-aleijo, boquirroto e valentão e seu adversário Alexandre de Moraes, ministro do STF que rasgou boa parte do que escreveu em suas próprias obras e perverteu as mais básicas regras do Direito brasileiro. Dois sem-razão, ao estilo Contestado, e ambos movidos pela mesma insanidade coletiva, luta inglória pelo poder e até mesmo um fanatismo que ainda não é religioso. Ainda.

De um lado, o deputado, todo machão, briguento, mais grosso que papel de embrulhar prego, malandramente blindado pelo uso pervertido das garantias parlamentares de inviolabilidade de opinião; de outro, uma espécie de xerife plenipotenciário que se acha no direito de ser ao mesmo tempo vítima, investigador, acusador e juiz. Se der, carrasco também. Cada um dos pelados tem a seu favor (se é que dá pra chamar assim) vários de seus pares a medir força entre os poderes judiciário e legislativo. Não faltam figuras messiânicas nas duas trincheiras, seguidas com fanatismo indisfarçado por alguns de seus apoiadores, seja por interesse ou por falta de psiquiatra mesmo.

É muito provável que o conflito contemporâneo seja bem menos prolífico em perdas humanas do que seu paralelo há mais de 100 anos, mas o prejuízo moral há de ser muito maior, e absolutamente irreparável, irrecuperável. Os combates já começaram. Pelo menos essa guerra dá pra acompanhar pela internet.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes