s
Iscas Intelectuais
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 735 – Morrer de quê?
Café Brasil 735 – Morrer de quê?
Fala a verdade, quem é que não se pegou pensando sobre ...

Ver mais

Café Brasil 734 – Globalização e Globalismo
Café Brasil 734 – Globalização e Globalismo
Olha, vira e mexe a gente ouve falar em globalização e ...

Ver mais

Café Brasil 733 – Agro Resenha
Café Brasil 733 – Agro Resenha
O agronegócio, que talvez seja o mais espetacular caso ...

Ver mais

Café Brasil 732 – Os quatro Princípios da Objetividade
Café Brasil 732 – Os quatro Princípios da Objetividade
Que tempo de medos, não? Mas será um medo ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Boicote, Coelhinho?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O britânico Charles Cunningham entrou pra História de um jeito muito diferente. Em 1880, foi à Irlanda dirigir os negócios de um grande proprietário de terras local. Acabou entrando em desavenças ...

Ver mais

Aquém do potencial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Aquém do potencial  “A economia está sujeita a conveniências políticas que a levaram por maus caminhos. Por isso enfatizo tanto a gravidade da situação, na esperança de levar seus responsáveis ao ...

Ver mais

Forjado na derrota
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Forjado na derrota “A um escritor, assim como a um armador, não era permitido sentir medo.” Pat Conroy Conversando por telefone com minha irmã, depois de meses sem nos vermos por ...

Ver mais

O “anti” não funciona mais.
Adalberto Piotto
Olhar Brasileiro
Em política, imagem em construção no presente faz diferença. Imagem consolidada no passado, boa ou ruim, costuma ser decisiva.

Ver mais

Cafezinho 317 – Declaração de Princípios
Cafezinho 317 – Declaração de Princípios
Quando decidi que lançaria meu primeiro curso on-line, ...

Ver mais

Cafezinho 316 – Não somos estúpidos
Cafezinho 316 – Não somos estúpidos
Não, não é para mergulhar no otimismo cego, que é tão ...

Ver mais

Cafezinho 315 – Como nasce uma palestra
Cafezinho 315 – Como nasce uma palestra
É exatamente como um pintor, um escultor, um músico ...

Ver mais

Cafezinho 314 – Punguistas intelectuais
Cafezinho 314 – Punguistas intelectuais
Ser capaz de detectar as merdades deveria ser a ...

Ver mais

A Lei da Santa Ignorância

A Lei da Santa Ignorância

Filipe Aprigliano - Iscas do Apriga -

Certa vez Thomas Jefferson disse o seguinte:

“O homem que nunca lê jornais está mais bem informado do que quem os lê assiduamente, assim como o homem que nada sabe está mais próximo da virtude do que aquele cujo espírito está repleto de falsidades e erros.”

Eu sempre fui inclinado a concordar com essa frase, mas nos últimos anos ela ganhou um novo status, que eu chamo de Lei da Santa Ignorância. Você que esta aí achando que eu gostaria de promover a desinformação ou a estultice, tenha paciência.

Sou a favor da virtude, do mérito e da verdade. E se você é daqueles que acredita que tudo é relativo, esse texto foi feito com carinho para a sua pessoa.

Vamos começar pelo desafio nível zero. Classifique por gentileza as afirmações abaixo como verdadeiras ou falsas, não vale usar “depende”, e se ficar na dúvida use a sua intuição. Faça esse esforço pelo bem do nosso relacionamento:

  1. a mulher é um animal
  2. a raça é uma característica hereditária
  3. um conservador é uma pessoa egoísta
  4. uma criança tem 5 direitos fundamentais
  5. essa lista está começando a te irritar

Muito bem, tirando o item 5, todos os outros foram meticulosamente selecionados para te fazer sofrer….

  1. É claro que toda mulher é um animal, mas temos que tomar cuidado para falar das mulheres atualmente.
  2. A raça enquanto qualidade física é hereditária, mas e as características culturais da raça? E o que acontece se duas pessoas de raças diferentes tem um filho? Seria um híbrido racial? E que tal o fato de que raça é uma invenção histórica ultrapassada e bastante útil para agenda de alguns?
  3. Um conservador pode sim ser egoísta, mas ele pode ser albino e ter problemas de gastrite também, são coisas do destino que não estão relacionadas.
  4. Eu não sei quantos direitos fundamentais uma criança tem, eu chutei 5, mas se lhe fossem garantidos pelo menos os mesmos direitos de um adulto seria ótimo. Inclusive, a infância também é uma invenção histórica, houve época em que uma criança era apenas uma pessoa em fase de crescimento.

Toda essa brincadeira é porque eu me considero uma experiência sociológica. Meus pais não me criaram numa ilha e nem com lobos como irmãos, mas fizeram algo ainda mais revolucionário, me privaram de televisão e jornal na infância. Dessa forma, eu me acostumei a buscar as informações segundo o meu interesse. Alguns acontecimentos do momento, por exemplo um tsunami, eu podia ficar alguns dias sem saber, até ouvir alguém comentar a respeito.

Isso pode parecer bizarro, mas eu cresci nos anos 80, vocês lembram dos video clipes dessa época? Foram anos bizarros mesmo. Enfim, eu mantive essa mania até hoje, ainda me surpreendo com as notícias de anteontem.

E o qual é a relação da Lei da Santa Ignorância com meu histórico privado? Quando você está acostumado a saber das coisas pelos outros de forma aleatória, acaba aprendendo a dar um desconto e a verificar as informações. E quando eu leio um artigo ou assisto uma matéria no jornal, o nível de credibilidade que o meu subconsciente adota é o mesmo que adotaria para uma pessoa desconhecida na rua.

Você acha que um advogado é uma pessoa tendenciosa, então você precisa conhecer mais jornalistas. A vantagem do advogado é que você sabe quem é o cliente antes dele abrir a boca.

Eu tenho amigos jornalistas, mas a culpa não é deles, o problema é que a grande midia se tornou o fast food do conhecimento, e isso vicia, além de fazer mal a saúde mental, é claro. Eu sou totalmente a favor de uma imprensa parcial, acho que nem existe de outro tipo. É uma pena que ao invés de assumir posições tenhamos que conviver com esse jogo de palavras e símbolos enfadonho e muitas vezes perverso do politicamente correto.

Atualmente eu faço a experiência sociológica inversa, quando eu assisto por acaso um jornal na televisão ou coloco um jornal que peguei na reciclagem para o meu cachorro mijar, eu analiso da seguinte forma: quais são os conceitos fast food que estão contidos nessa matéria?

Hoje mesmo eu assisti uma sobre quem está ganhando com a crise econômica. Quem? É o sapateiro, que estava sem clientes. Agora que as pessoas estão sem dinheiro, preferem recuperar um sapato velho a comprar um novo. Trata-se de uma visão romântica da desgraça, ou seja, alguém perdeu o emprego na industria e na loja de sapatos, mas o sapateiro ganhou um serviço extra, e ainda colaboramos com a conservação da natureza. Que lindo!

Coisas como essa que passam despercebidas e que nos fazem ficar sempre no meio do caminho. É o maldito “tudo é relativo”, que só serve para você desistir de avaliar o que é certo e errado, o que é verdadeiro ou falso.

Não importa o que dizem por aí, imagine que você é um virtuoso que não sabe de nada e construa a sua opinião pela sua experiência e esforço próprios, e não porque a maioria pensa assim. Reconstrua seu conhecimento a partir da ignorância santa em direção ao conhecimento saudável. Chega de burrice fast food!

Obrigado pelo seu tempo. Quem sabe nos falamos de novo?

Ver Todos os artigos de Filipe Aprigliano