s
Iscas Intelectuais
Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
MUDANÇAS IMPORTANTES NO CAFÉ BRASIL PREMIUM A você que ...

Ver mais

Café Brasil 752 – Jam Session
Café Brasil 752 – Jam Session
Uma das coisas mais fascinantes é a demonstração de ...

Ver mais

Café Brasil 751 – A hipocrisia nossa de cada dia
Café Brasil 751 – A hipocrisia nossa de cada dia
A Perfetto é patrocinadora do Café Brasil e… sabe ...

Ver mais

Café Brasil 750 – The Rocket Man
Café Brasil 750 – The Rocket Man
Algumas obras de arte são tão perfeitas, mas tão ...

Ver mais

Café Brasil 749 – Mais atrai mais.
Café Brasil 749 – Mais atrai mais.
Construímos sistemas cada vez mais complexos, ...

Ver mais

LíderCast 216 – Denise Pitta
LíderCast 216 – Denise Pitta
Empreendedora digital, dona do site Fashion Bubbles, ...

Ver mais

LíderCast 215 – Marco Antonio Villa
LíderCast 215 – Marco Antonio Villa
Historiador, professor, comentarista polêmico em rádio ...

Ver mais

LíderCast 214 – Bianca Oliveira
LíderCast 214 – Bianca Oliveira
Jornalista e apresentadora, hoje vivendo na Europa, ...

Ver mais

LíderCast 213 – Brunna Farizel e Lucas Moreira
LíderCast 213 – Brunna Farizel e Lucas Moreira
Empreendedores, criadores de uma franquia inovadora, ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Ford, polarização e “capitalismo sem riscos”
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Ford, polarização e “capitalismo sem riscos”  “A desindustrialização brasileira é resultado das intervenções equivocadas que fizemos. E o pior é que o setor empresarial, as lideranças do setor ...

Ver mais

Os economistas mais influentes da atualidade
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Os economistas mais influentes da atualidade  “O que são as pessoas de carne e osso? Para os mais notórios economistas, números. Para os mais poderosos banqueiros, devedores. Para os mais ...

Ver mais

A sala de professores e a deseducação
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Comecei a dar aulas no Ensino Médio em 1999, quando estava no segundo ano da graduação em Filosofia. Ou seja: há mais de vinte anos comecei a freqüentar a sala de professores. Nesse ambiente ...

Ver mais

Leituras, conexões e reminiscências
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Leituras, conexões e reminiscências “Se você tiver uma maçã e eu tiver uma maçã e trocarmos nossas frutas, continuaremos com uma maçã cada. Mas, se você tiver uma ideia e eu tiver uma ideia e ...

Ver mais

Cafezinho 352 – O drama da esquina
Cafezinho 352 – O drama da esquina
Não espere os grandes dramas nacionais para agir.

Ver mais

Cafezinho 351 – Um autoritário pra chamar de seu
Cafezinho 351 – Um autoritário pra chamar de seu
As pessoas perderam completamente o bom-senso e já há ...

Ver mais

Cafezinho 350 – Sob o domínio do medo
Cafezinho 350 – Sob o domínio do medo
No mundo de hoje, caótico, competitivo e apressado, ...

Ver mais

Cafezinho 349 – Pânico moral
Cafezinho 349 – Pânico moral
Pânico moral é um medo espalhado pela sociedade, ...

Ver mais

A lição de Giordano

A lição de Giordano

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

O médico Joseph Giordano esperava um dia tranquilo de trabalho naquele longínquo 30 de março de 1981, como cirurgião-chefe da equipe de traumatologia da Universidade George Washington, situado na capital de mesmo (sobre)nome.

Perto dali, Ronald Reagan, presidente dos EUA, acabara de ser baleado em plena rua por um psicopata; a limusine presidencial arrancou em direção à Casa Branca, onde uma equipe cirúrgica estava à espera. Entretanto, o agente do serviço secreto Jerry Parr notou que o sangue de Reagan espumava pelo buraco de entrada do projétil. Sabendo que isso significava pulmão perfurado e, conhecedor da urgência e gravidade disso, Parr ordenou ao motorista que desviasse a Limusine para o hospital mais próximo – o da Universidade George Washington.

Já na sala de cirurgia, Reagan gracejou com Giordano e os demais médicos: “Por favor, digam que vocês são todos republicanos.” Giordano, convicto seguidor do partido Democrata, de oposição a Reagan, declarou: “Nós somos todos republicanos hoje, presidente.”

                                   A isso tudo dava-se o nome de Coletivo. Do pensamento coletivo, de consciência coletiva, de unidade nacional, de abandonar divergências políticas em prol de todo um país num momento de grande perigo. Giordano, que nem político era, sabia muito bem que o paciente deitado com uma bala no peito era o presidente da República, e não um inimigo ideológico. O povo americano seguiu o exemplo do cirurgião. Bons tempos, aqueles.

Hoje, o particular se sobrepõe nos EUA. Os atuais democratas transformaram seu partido numa espécie de Psol gringo, que abriga comunistas, anarquistas, Black Blocs, vândalos, muçulmanos ultrarradicais, e outros tipos de aproveitadores, cuja função primordial é implodir o pais mais rico do mundo em defesa de um certo “coletivo”, como eles denominam a si próprios e a essas panelinhas de vagabundos, sempre se fazendo de coitadinhos e exigindo dinheiro para si. Dinheiro do dos pagadores de impostos, obviamente.

Aqui os fatos não discrepam.

Conseguimos seguir ainda pior que os americanos. Aqui na Banânia, é o “salve-se quem puder”, de preferência com o bolso cheio de dinheiro dos pagadores de impostos. Sim, pois “dinheiro público” não existe. Quem paga as contas somos nós. E esse fato incontestável não significa absolutamente NADA para as cúpulas dos 3 poderes dessa nau dos insensatos que convencionou-se chamar de Brasil. Aqui, onde o coisa-ruim assopra, todo mundo acha que merece grana e vantagens sem fazer força ou demonstrar mérito, por vários motivos: desde alguma “reparação histórica”, tão conveniente quanto absurda, até justiça divina ou outra alegação qualquer para desviar grana para o próprio bolso, sempre fingindo estar em busca de justiça social para algum “coletivo”.

Coletivo. Essa palavra foi tão torturada nos últimos anos, que, usada como bandeira, passou a ser confirmação clara de algum grupo que quer tudo para si sem deixar nada para os outros. Viraram a palavra do avesso. Vantagem para algum grupo que é tudo, menos parte da coletividade. O exclusivismo se disfarça, escondido atrás de intenções ditas igualitárias, mas não passa de “ódio do bem” a justificar violência contra qualquer um que ouse pensar diferente dos tais coletivistas, que adoram socializar a pobreza como meio de sobrevivência política.

Os “esquerdistas amantes da paz”, com seu abjeto “ódio do bem” são os mesmos que crêem muito justo, muito correto, desejar em jornais de tiragem mundial a morte do presidente da República, sendo dos EUA ou não. Aconteceu aqui na Banânia, via Folha de São Paulo (já foi um jornal; hoje não passa de um panfleto lulista: https://www.youtube.com/watch?v=4YTmoMHC5s0&app=desktop ) e no New York Times, de mesmo triste fim. Implore pela morte de Donald Trump e será guindado às nuvens celestiais através do “ódio do bem”, essa autoridade moral superior, da qual a esquerda se acha imbuída.

Mas vá desejar mal a alguém da esquerda ou de algum “coletivo” idem… Ai você será coletivamente xingado, agredido, torturado, fuzilado e esquartejado, tudo em nome da paz, do amor e da igualdade social. Que lindo.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes