s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

A maldição de Temer e a dúvida de Sêneca

A maldição de Temer e a dúvida de Sêneca

Bruno Garschagen - Ciência Política -

Se não houver um cataclismo político, Dilma Rousseff será afastada temporariamente da presidência nesta semana. Assumirá o atual vice-presidente Michel Temer, que iniciará o seu governo carregando nas costas a maldição de ter ajudado a eleger e a reeleger Dilma Rousseff e por seu partido, o PMDB, ter sido base de apoio fundamental no Congresso e no Senado até recentemente.

Mas antes de qualquer análise sobre as propostas de seu eventual futuro governo é bom relembrar da carta que Temer escreveu em dezembro do ano passado e que marcou o seu rompimento com o governo do PT. A epístola, embora hoje esquecida, continua importante por desnudar alguns aspectos politicamente relevantes e que devem ser objeto de reflexão neste momento de transição. A começar pela pergunta: por que, afinal, Temer decidiu romper com Dilma?

A carta indica claramente um ressentimento de Temer pela desconfiança da presidente e por não ter sido prestigiado como achou que deveria, além de sua própria suspeita em relação à Dilma. A situação foi agravada na época pela tentativa explícita do governo de enfraquecê-lo e de neutralizá-lo politicamente no Congresso e de provocar divisão interna do PMDB a partir da substituição de nomes ligados ao vice-presidente.

Se Temer tivesse sido privilegiado pelo governo provavelmente não haveria rompimento, muito menos o apoio do PMDB ao impeachment–mesmo que o país estivesse no mesmo poço sem fim onde hoje se encontra. Se a política é a arte do diálogo e da negociação há sempre aquele momento em que ao caráter dos homens se impõe um dilema ético. E é tal escolha que revelará o homem–e o político.

Os interesses de Temer, assim como a condução do processo pelo deputado Eduardo Cunha, afastado do mandato na semana passada pelo Supremo Tribunal Federal, maculam o impeachment em curso? De forma alguma. Se coube aos políticos do PMDB serem os instrumentos políticos para afastar o PT da presidência não é de todo desagradável utilizá-los para tal imprescindível finalidade.

Não será o afastamento da presidente que mudará a natureza do PMDB nem a escolha ética feita por Temer, mas as evidenciará de forma tão marcante que a sociedade terá condições de perceber de forma mais nítida quem é quem no jogo político. Temer, se assumir a presidência, terá pouco tempo para mostrar a que veio. Enfrentará o peso de sua aliança com o PT, a crise política e econômica e uma parcela numerosa da sociedade que não aceitará e reagirá vigorosamente contra governos como o atual.

Com o PT fora da presidência, porém, o país poderá iniciar a grande mudança que exige, antes, uma reforma cultural que também permita a formação de uma elite política virtuosa, fundamentada em ideias corretas e capaz de enfrentar os desafios sem aumentar o tamanho do Estado e as atribuições do governo. Porque não se modifica a política formal sem antes mudar a mentalidade dos homens.

Mas o PT, mesmo fora da presidência, não estará morto. Os petistas, que já eram profissionais em fazer uma oposição perigosa, maléfica e desonesta, agora sabem o que é ser governo e como usar a máquina do Estado a seu serviço. Por isso, a sociedade brasileira terá que ter o espírito firme e vigilante para que não seja convertida em instrumento útil do PT quando for necessário se opor ao governo Temer.

Numa das célebres cartas a Lucílio, Sêneca perguntou-lhe a respeito de sua intenção de recolher-se à obscuridade: “o que preferes tu: uma indigência que te sacia ou uma abundância que te deixa esfomeado?”. Os petistas jamais aceitarão a indigência política porque sempre terão fome de poder.

Ver Todos os artigos de Bruno Garschagen