s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

A mentalidade anticapitalista do empresário brasileiro

A mentalidade anticapitalista do empresário brasileiro

Bruno Garschagen - Ciência Política -

A queda empresarial e a prisão de Eike Batista são muito mais do que o mero encarceramento temporário de um empresário. Servem para reforçar a ideia de que empresário é incompetente ou bandido e, por extensão, para ratificar a mentalidade anticapitalista no Brasil.

Espero que não me entendam mal, mas fiquei decepcionado com a descoberta, anos atrás, de que Eike não era o empresário que eu imaginava – tanto no âmbito empresarial quanto na dimensão ética.

Quando vi as suas primeiras entrevistas, Eike parecia ser aquele tipo de empreendedor que se orgulhava de fazer parte do mercado, que achava positiva a concorrência entre empresas e que considerava anticapitalista ficar pendurado em negócios com o governo. Era esse o Eike até, pelo menos, 2002, como mostrei no artigo da semana passada.

Quando o Grupo X ruiu, descobrimos que a ascensão era uma fantasia e que a queda era desde sempre anunciada – apenas não sabíamos disso. Só comecei a prestar atenção nos negócios de Eike em 2009, quando uma empresa canadense quis me contratar para elaborar relatórios semanais sobre as suas atividades no Brasil. Na época, não pude aceitar o trabalho, mas aquilo colocou o que antigamente se chamava de “uma pulga atrás da orelha”. Pensei: por qual razão esses canadenses querem informações atualizadas sobre o empresário brasileiro?

Fazendo uma pesquisa na internet, descobri que Eike tinha vivido uma experiência de ascensão e queda no Canadá com uma mineradora de ouro chamada TVX. Só em 2014, ao ler o ótimo livro Eike Batista e a verdadeira história o grupo X, de Malu Gaspar, soube os detalhes da história. Naquele momento, “Eike experimentou pela primeira vez a glória e o fracasso”. Esse episódio narrado no livro mostra a “impressionante semelhança com a novela empresarial assistida ao longo de 2013 por milhões de brasileiros estarrecidos”.

Eu falava, no início, da minha decepção – que, explico, não tem a ver especificamente com Eike Batista. Está relacionada, isto sim, com a esperança de ver empresários e empreendedores competentes e orgulhosos da função econômica que desempenham na sociedade. O empresário brasileiro é, na média, antimercado ou envergonhado. Ver Eike falar abertamente a favor da economia de mercado era algo benéfico que poderia, gradualmente, influenciar positivamente os demais empresários e o país.

Eis o problema, entretanto: a iniciativa privada no Brasil usa e abusa do direito de desagradar e punir os consumidores em vez de conquistá-los e mantê-los. Já fui vítima várias vezes. Desde querer trocar produtos que apresentaram defeitos em tempo recorde a não conseguir resolver problemas criados pela própria empresa, que mais parecia uma repartição estatal.

Pouco tempo atrás, por exemplo, o dono da ótica me disse que não entregaria os óculos no dia combinado porque o motoboy não apareceu para trabalhar. É sério. Este é um dos vários exemplos de como nós, consumidores, somos tratados por certas empresas que, em vez de assumirem a sua responsabilidade, preferem delegá-la para um terceiro (motoboy, assistência técnica, Deus) ou resolverem na Justiça. O empresário médio brasileiro está mais próximo do capitalismo marxista que do capitalismo de livre mercado.

Com esse tipo de mentalidade e conduta, entende-se por qual razão temos uma atitude tão desconfiada em relação à iniciativa privada. Porque toda vez que um empresário se comporta contra o mercado, a opção existente é recorrer a instituições do Estado (Procon ou Justiça) para resolver o problema. Fica, então, a impressão de que “o mercado não funciona” e de que, às vezes, só funciona se o Estado intervir.

E Eike Batista? Por tudo o que representa, a sua queda é positiva. Mas o que ficará na memória e entrará para o senso comum não é a história de um homem que decidiu corromper-se e foi por isso punido, mas a de um empresário que confirmou as piores expectativas sobre a ganância do mercado.

Ver Todos os artigos de Bruno Garschagen