Iscas Intelectuais
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Um Podcast Café Brasil com quase três horas de duração ...

Ver mais

Café Brasil 721 – Lake Street Dive
Café Brasil 721 – Lake Street Dive
Olha, os dias andam um saco! Todo mundo nervoso, ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

Revisionismos e intolerância
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Revisionismos e intolerância “Sabemos que ninguém jamais toma o poder com a intenção de largá-lo. O poder não é um meio, é um fim em si. Não se estabelece uma ditadura com o fito de salvaguardar ...

Ver mais

Motivos de orgulho
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Motivos de orgulho Numa época repleta de dificuldades, pessimismo e más notícias como a que estamos vivendo em razão da pandemia de coronavírus e suas consequências sanitárias, econômicas, ...

Ver mais

5 ações de marketing para ajudar a superar a crise do coronavírus
Michel Torres
Negócios em todo o mundo estão sentindo os efeitos da pandemia: menos clientes, menor receita e o medo de não ter condições de aguentar esse tempo de prejuízo. Precisamos salvaguardar a saúde e o ...

Ver mais

Brasis
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Brasis  “Quanto tempo um homem deve virar a cabeça, fingindo não ver o que está vendo?” Bob Dylan Minha primeira lembrança pra valer do que vou focalizar neste artigo é de quando li Os dos ...

Ver mais

Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Se você vê algum valor em nosso trabalho, acesse ...

Ver mais

Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Não coloque a distribuição do seu trabalho nas mãos das ...

Ver mais

Cafezinho 292 – A bunda da Daniele
Cafezinho 292 – A bunda da Daniele
Qual janela você escolheu para ver o mundo?

Ver mais

Cafezinho 291 – Indignite
Cafezinho 291 – Indignite
- Tão pagando bem! Faz o seu e fica quieto!

Ver mais

A metade cheia do copo está esvaziando?

A metade cheia do copo está esvaziando?

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Considerações sobre emprego e desemprego

 

“… nem a inflação nem as contas públicas
estão desajustadas, só não se sabe ao certo
como ajustá-las.”
Alexandre Tombini

Diante da advertência do Papa Francisco sobre a necessidade de se dar atenção especial aos extremos, os jovens e os idosos, o programa jornalístico Globo News decidiu pautar o tema, convidando uma professora de geriatria para tratar da questão dos idosos nos estúdios do Rio de Janeiro e a mim para tratar da questão dos jovens nos estúdios de São Paulo, com foco especial no emprego e no mercado de trabalho.

Ao conversar com a jornalista que havia preparado o roteiro das perguntas, constatei um problema. Tendo se baseado num livro de Márcio Pochmann publicado em 2007, ela considerava um nível relativamente elevado de desemprego e uma enorme dificuldade para os jovens conseguirem acesso ao mercado de trabalho obtendo seu primeiro emprego.

Alertei para o fato de que esta não era a realidade observada no Brasil nos últimos anos, quando nossa economia operou com um nível de desemprego muito baixo, próximo daquilo que os economistas chamam de pleno emprego. Acrescentei que tal situação vinha se constituindo num desafio para muitos analistas que tinham dificuldade de entender a combinação de um baixo índice de crescimento econômico com um baixíssimo índice de desemprego. Surgiu até uma expressão jocosa para isso: “Pibinho” X “Empregão”. Embora engraçada, há um erro na mesma, uma vez que o PIB do Brasil é grande, o que tem sido pequeno é a sua variação anual, ou seja, a taxa de crescimento econômico.

Complementei minhas considerações afirmando que também entre os jovens a situação havia sido favorável nos últimos anos, principalmente entre os que conseguem obter uma boa qualificação, formando-se em cursos reconhecidos como de excelência. Estes eram disputados ainda nos bancos escolares, recebendo boas ofertas para estágios ou mesmo para trainees. Situação bem diferente da observada na União Europeia, onde a taxa média de desemprego entre os jovens é de aproximadamente 23%, atingindo mais de 50% na Espanha e 58% na Grécia.

Em artigo que será oportunamente publicado pela revista Economistas, o Prof. Hélio Zylberstajn, com base em dados recentes da Pesquisa Mensal do Emprego do IBGE, revela que o excelente momento em termos de emprego e renda da economia brasileira pode estar chegando ao fim, já que os últimos indicadores registram elevação – ainda incipiente – do desemprego em algumas regiões. O Prof. Zylberstajn destacou ainda dois aspectos importantes:

1º) O “casamento” entre crescimento pífio do produto e elevado nível de emprego só foi possível porque nossa economia se tornou mais intensiva em mão-de-obra. Com base nessa explicação, conclui-se que expansão do emprego tem se dado em setores que demandam mais trabalho e são menos produtivos que a indústria, por exemplo. Consequentemente, a produtividade geral do trabalho estagnou. Em outras palavras, para o mesmo nível de produto, estamos usando mais mão-de-obra. Isto é preocupante porque implica em reconhecer que perdemos o dinamismo na criação de valor adicionado.

2º) Observa-se uma diferença nos padrões do crescimento do emprego entre as regiões do País. A taxa de desemprego das 6 principais regiões metropolitanas foi de 5,8% em maio. Porém, a variação foi significativa: Porto Alegre, com 3,9%, e Belo Horizonte, com 4,3%, estavam praticamente em pleno emprego; Rio de Janeiro, com 5,2%, e Recife, com 6,1%, apresentavam expansão acelerada; e São Paulo, com 6,3%, e Salvador, com 8,4%, registravam expansão declinante. “Resta saber”, adverte o Prof. Zylberstajn, “até onde vai o ‘fôlego’ de Rio de Janeiro, Recife, Porto Alegre e Belo Horizonte. Se as previsões de crescimento econômico modesto para os próximos meses se confirmarem, o padrão deexpansão declinante de São Paulo e Salvador poderá contagiar as outras quatro regiões”.

Considerando que as obras da maior parte dos estádios que serão utilizados na Copa do Mundo chegaram – ou estão chegando – ao fim, assim como a construção de grandes usinas, como a de Santo Antônio e Jirau, sem que existam outros projetos de tamanha envergadura para absorver essa mão-de-obra, constata-se que o céu de brigadeiro que garantiu a trajetória tranquila da economia brasileira até o primeiro semestre deste ano gerando elevados índices de popularidade à presidente da República parece, cada vez mais, coisa do passado.

Usando uma conhecida metáfora, pode-se dizer que o baixo crescimento, entendido como “a metade vazia do copo”, foi compensado pelo elevado nível de emprego, visto como “a metade cheia do copo”. Ao que tudo indica, no entanto, a metade cheia do copo começa a se esvaziar.

O que aguardar para os próximos meses?

 

Iscas para ir mais fundo no assunto

Referências e indicações bibliográficas

POCHMANN, Márcio. O emprego no desenvolvimento da nação. São Paulo, Boitempo Editorial, 2008.

ZYLBERSTAJN, Hélio. Padrões de expansão do emprego nas Regiões Metropolitanas. Economistas. Revista do Conselho Federal de Economia – COFECON, ano IV, nº 11, agosto de 2013.

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado