s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

A nova farsa

A nova farsa

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

A quadrilha que vai sendo desmantelada no Brasil não vai entregar o osso de mão beijada, mesmo com Dilma fora. Vão, como todo movimento quadrilheiro lulista, negar a realidade e impingir uma mentira completa (nem se pode chamar tamanha safadeza de “versão”) para, como sempre, negar o óbvio e optar pela ilusão.

Reescrever a história não é novidade; trata-se de sujeira recorrente no marxismo-leninismo, bem como de suas variantes, como o maoísmo, e outras admitidas ou não. Coisa de demente, para os que nela crêem, e de bandido, para os que promovem tamanha bandidagem farsesca, de pura locupletação.

Os crédulos do ramo caem nessa potoca há um século, quando as ditaduras do proletariado (só no nome, visto que as elites comunistas comportavam-se como imperadores nababos) começaram a brotar como ervas venenosas. Os expurgos leninistas-stalinistas são um proto-exemplo: Desde que começaram a assassinar, torturar, ameaçar, aterrorizar a população russa (antes da revolução de 1917) a dupla degenerada logo sacou que, tomado o poder de forma absoluta, a informação (e a História) deveriam ser adaptadas de acordo com suas conveniências. E assim foi, até a queda do muro de Berlim e a derrocada do podre império soviético.

Quando as vítimas da parelha psicopata começaram a forrar os campos de concentração (não, esses infernos não foram invenção dos nazistas, como se supõe), ficou clara a necessidade de impor uma “realidade” fabricada, ocultando os Gulags e o massacre disfarçado de “libertação popular”.

Porém, isso não bastava; era necessário ocultar a tática e criar uma nova “verdade”, tão elástica quanto necessário, para fazer crer serem apenas dois anjos de pureza implantando um sistema de governo paradisíaco, e que o camarada Béria seria um cândido querubim no comando da tenebrosa NKVD (predecessora do KGB). A coisa funcionava tão bem que os soviéticos ocultavam a parceria/sociedade/irmandade com Hitler, que durou até 1941; juntos, invadiram e destroçaram a Polônia e outros países. Hoje, na maior cara-de-pau, posam como tendo “derrotado” o nazismo, quando foi apenas uma briga de casal divorciado, na qual os soviéticos tiveram advogado melhor.

Um dos capítulos mais emblemáticos da farsa tomada como “história” é a manipulação da fotografias do período; cada vez que algum comparsa caia em desgraça, era imediatamente “apagado” das fotografias; a História era reescrita e pronto – aquilo nunca existiu. As fotos de Lênin discursando (antes) com Trotsky e (depois) sem ele, são antológicas, emblemáticas. Há muitos outros retoques em milhares de fotos e fatos históricos.

Os lulistas seguem os ensinamentos dos mestres de forma precisa: Sarney e Collor eram pintados como o demônio encarnado, mas anos depois viraram companheiros. O Bolsa-Escola de FHC só servia pra comprar votos e escravizar os pobres, como afirmou Lula; pouco depois alegaram que o Bolsa-Família era a solução dos problemas do Brasil. O Fome-Zero não deu pra disfarçar, simplesmente apagaram. O trem-bala idem. A transposição São Francisco, a riqueza sem par do Pré-Sal, a refinaria de Abreu e Lima e tantos outros sonhos/pesadelos, nem saíram do papel, mas são exibidos como maravilhas em pleno funcionamento. A quebra da Petrobrás foi, na verdade, muito benéfica. O porto de Mariel, dado de graça aos cubanos, foi na realidade um ótimo investimento. Não é perfeito? Ninguém nunca sabe de nada; e se houve culpa, foi dos outros, das “zelite” “dozamericanus”, ou simplesmente “eles”, esse grupo misterioso que baba de prazer espancando pobre.

Tem muito mais. Passaram dezenas de anos afirmando que João Goulart (que Dilma Roskoff chamou de “Vicente”, sabe-se lá porque) tinha sido assassinado; exumaram o cadáver, fizeram 4.795 exames com médicos cubanos, argentinos, brasileiros, marcianos, viraram tudo do avesso… e nada de estranho foi encontrado. Morte normal, mas continuam dizendo que ele foi assassinado. Marighella, um terrorista, assassino impiedoso, é louvado como herói; quem tiver estômago, leia o Manual do Guerrilheiro Urbano, escrito por esse monstro em 1969, e tire suas conclusões.

São incorrigíveis, e seguem acompanhados de gente do mesmo estilo calhorda em Cuba, Venezuela, Equador, Bolívia e demais ditaduras ativas ou disfarçadas que vão embarcar nessa fantasia sem pestanejar. Ditadores e bandidos sempre se escoram uns nos outros contra a lei e a justiça. Aliás, já estão difamando e prejudicando o Brasil como podem. Que vão para o inferno, já que gostam tanto de vermelho e tortura.

E agora, na saída da maior quadrilha que já assolou o Brasil, tem o tal “golpe” que nunca existiu. Vão fazer filmes, “documentários”, palestras, discursos inflamados, passeatas coroadas por vândalos, mercenários, black blocs… mostrar que todo o sistema solar está contra eles por pura vingança e ruindade gratuita,e insistirão na pretensão tola de impingir a ideia birrenta de “golpe” como pretexto para tudo isso. Todos os que ousam discordar deles são automaticamente classificados como “inimigos do povo”, exatamente como nos expurgos soviéticos ou chineses – outros que adoravam reescrever a História, recontada pelo monstruoso Mao Tsé-Tung, como na revolução cultural de 1968. Aguardem.

foto lenin 3

 

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes