s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 432 – O vencedor
Cafezinho 432 – O vencedor
As pessoas não se importam com o que você diz, desde ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

A nova onda

A nova onda

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

A vitrine acima é um quadro de uma animação de Mauricio Ricardo em https://www.youtube.com/watch?v=j7GJT3jALx4

A moda agora é “ter lado” sobre o vídeo de Gleisi Hoffman – que só é senadora quando não está fazendo arruaça ou defendendo ladrão – para a TV Al Jazeera, do Qatar. Um lado achou ótimo. O outro mostra o perigo que de uma declaração absolutamente destrambelhada, alucinante, pedindo união do mundo árabe para reagir (como?) à prisão “política” de Lula, solicitado por uma senadora da República (meu Senhor), alegando resumidamente não haver justiça no Brasil, que Lula é preso político através de crimes “inventados” e outras insanidades típicas de quem trata a realidade como mero detalhe para dar continuidade a uma seita que deixou a vertente política em prol da messiânica, atingindo níveis de psicopatia preocupantes até mesmo para quem foi vacinado contra mediocridade a toda prova. Ufa.

Tática requentada; foi usada, com igual ou menor insucesso, quando a lulada resolveu atacar a justiça da França e da Itália, chamando-as de fascistas. Foi em 2004, quando o terrorista (e não “ativista”, conforme estudada distorção da novilíngua-eufemística-lulista) Cesare Battisti, condenado em ambos os países europeus, driblou a polícia internacional e aportou no Brasil, terra de descanso e carinho para quem mata em nome do comunismo, aqui alcançando status de “refugiado político” por obra e graça de seus comparsas lulistas.

A seita lulista reagiu às críticas gerais, mais uma vez, torcendo o assunto “das arábias” e fingindo indignação por ninguém ter entendido o singelo recado de paz e amor da senadora; convenientemente, não se lembram que ela própria jurou, diante do mundo todo, que “muita gente” ia ter de ser assassinada pela atual “ditadura” que governa o País (CIA+Temer+Belzebu+Moro+FBI+Hitler) antes da prisão de seu mentor-mentecapto; também fingem esquecer da Venezuela (narcoditadura de viés comunista) prometendo atacar militarmente o Brasil caso Dilma fosse impichada; ou da ameaça claríssima do arrivista que comanda a Bolívia de invadir o Brasil com suas tropas se a mandioqueira ensacadora de vento caísse. Bravatas de imbecis, mas assustadoras vindas de quem vêm.

Por um passe de mágica, foram para baixo do tapete as ameaças terroristas de Stédile, Lula, Boulos, entre outros possuídos pelo fantasma de Stálin, alertando Brasil e Mundo sobre hecatombes que cairiam dos céus caso os tribunais brasileiros não prestasse vassalagem a Lula I, o Ébrio, que se acha majestade mas não passa de bobo da corte.

Num traque, ninguém mais toca no assunto da íntima ligação de Lula & Dilma com todas (TODAS!) as ditaduras do planeta, bem como várias organizações terroristas como o Hamas. Não se menciona o discurso inesquecível, digno de manicômio, vomitado por Dilma na ONU em 28 de setembro de 2015, quando pediu “diálogo” e muito amor fraternal para o Estado Islâmico, enquanto esses monstros decapitavam crianças e incendiavam cristãos vivos. Taspariu.

“Esqueceram” das oligarquias totalitárias mantendo presos políticos em masmorras imundas, torturados há 50, 60 anos, sob o silêncio cúmplice ou mesmo apoio entusiástico da seita lulista; não se fala na fome, nos assassinatos, nos campos de trabalhos forçados mantidos por essas ditaduras. Tudo isso virou fumaça.

Desapareceu, igualmente, de suas memórias obnubiladas pela maré vermelha, o derradeiro discurso de um Lula visivelmente embriagado no comando de seu teatrinho incentivando agressões a jornalistas, invasões a propriedades particulares, bloqueio de estradas e outros crimes, aplaudido pela sua claque amestrada ao preço de R$ 50,00, tubaína e mortadela. Bom, não todos; alguns são movidos a caviar, champagne e milhões de dólares.

Fingem, em resumo, que Gleisi estava apenas pedindo, candidamente, só um cartão de apoio dos brimos com beijos de batom vermelho e uma bandeja de esfiha; e os coxinhas enxergam maldade em tudo, tadinha dela!

Acostumadíssimos a sabotar o Brasil de todas as formas possíveis, são muito capazes de, caso ocorra alguma retaliação diplomática, protesto violento ou até algum atentado promovido por determinados doidos que Deus estacionou no Oriente Médio e na África setentrional, dizer que é muito-bem-feito por prenderem o santo do Lula, e a culpa é dazelite coxinha. É simplesmente inacreditável a cara de pau dessa gente lulista.

Somados os fatos, a realidade inabalável, aos atos dessa gente, avaliem aí se é exagero ou não criticar, repudiar de forma severa o ato estrategicamente tresloucado de uma mulher que tem muito a explicar à justiça, por essas e outras atuações dignas do código penal, não de uma senadora, por mais venal que seja. Essa gente mesquinha, desonesta, crê fielmente (ou atua à perfeição digna de Oscar) que o mundo acredita em seus discursos psicóticos, e que a cavalaria (ou, no caso, camelaria) vai tirar sua deidade do presídio. Não, isso não vai acontecer, apesar de toda a sabotagem praticada por essa lulada mesquinha, culpando os outros por tudo que eles mesmos fazem de errado. Isso, “diuturna e noturnamente”, como esclareceu Dilma na sofrida entrevista de 2014. Pai do Céu.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes