Iscas Intelectuais
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Estamos protagonizando uma revolução nas mídias, com ...

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Um Podcast Café Brasil com quase três horas de duração ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

O fenômeno da fraude acadêmica no Brasil
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Existe um fenômeno curioso na cultura brasileira: a falsificação de credenciais acadêmicas. A mentira do novo ex-ministro da Educação, Carlos Decotelli, que afirma ter concluído um doutorado que ...

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Revisionismos e intolerância
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Revisionismos e intolerância “Sabemos que ninguém jamais toma o poder com a intenção de largá-lo. O poder não é um meio, é um fim em si. Não se estabelece uma ditadura com o fito de salvaguardar ...

Ver mais

Motivos de orgulho
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Motivos de orgulho Numa época repleta de dificuldades, pessimismo e más notícias como a que estamos vivendo em razão da pandemia de coronavírus e suas consequências sanitárias, econômicas, ...

Ver mais

Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Se você tem acesso a informações que outras pessoas não ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Se você vê algum valor em nosso trabalho, acesse ...

Ver mais

Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Não coloque a distribuição do seu trabalho nas mãos das ...

Ver mais

A primeirona

A primeirona

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

primeirona imagem 2

O centenário da 1ª Guerra Mundial, semana passada, foi muito lembrado na Europa, por motivos óbvios. Esse conflito, que destruiu toda uma geração, um quinto da França e metade da Bélgica, inaugurou um novo tipo de guerra: A moderna, política e total. A partir de julho de 1914 (até novembro de 1918), as beligerâncias internacionais deixaram de ser simples conquistas de território ou pilhagem de bens, como foram durante centenas de anos. Criou-se a Grande Guerra, uma espécie de briga de turma sem motivos muito claros, onde dois blocos antagônicos usam desculpas bobas pra se destruir total e mutuamente. Ah, as burrices humanas… nesses 100 anos decorridos passamos a numerar essas guerras mundiais. Como disse Einstein, não se sabe quais serão as armas numa eventual 3ª Guerra, mas a 4ª será travada com paus e pedras.

A 1ª Guerra acabou com os sonhos bobos de glória em combate. Ensinou aos jovens que não há nenhuma glória em matar e morrer em trincheiras imundas, cheias de ratos e lama. Nunca houve guerra tão sangrenta, sob a ótica de baixas militares. Baixas civis não eram comuns, mas a fotografia, os jornais e o cinema, em toda a sua crueza, trouxeram as imagens do horror – relativamente distante – às cidades, inovando ao expor à população os campos de batalha até então conhecidos somente por relatos. Era o inferno ao alcance de todos.

Também estrearam no campo tecnológico eficientes máquinas de matar. Submarinos, metralhadoras, aviões, gás venenoso, minas explosivas, tanques. Uma gama de modernidades aumentando exponencialmente o número de vítimas. Nunca (nem mesmo na 2ª Guerra) matou-se tanto por nada em número de soldados. Batalhas duravam meses inteiros (como a do Somme, ou a de Verdun), matando milhões em troca de uns poucos quilômetros de terra-de-ninguém esburacada. No primeiro dia do Somme houve 60 mil baixas britânicas por nada.

Ao final de quatro anos, pouco se avançou em terreno, mas a safra diabólica deixou 10 milhões de mortos e 20 milhões de feridos, mutilados, desfigurados, aleijados, psicóticos. A “guerra que acabaria com todas as guerras” não passou de um gigantesco matadouro. E apenas 21 anos depois embarcamos na próxima. Mas os europeus aprendem com seus erros.

Nós, nunca. A pequena participação brasileira em 1918 virou, injustamente, motivo de piada, com a tal “batalha das toninhas”: O cruzador Bahia, em Gibraltar, atacou com cargas de profundidade (à época, rudimentares barris cheios de dinamite) um bando (cardurme?) dessa espécie de golfinho, matando dezenas delas; acreditavam ser um submarino alemão. O problema é que nos anos 10 não havia radares, sonares, captadores de som, lasers, sensores de calor, computadores, varinha do Harry Potter, nem nada que indicasse onde estavam os submarinos inimigos… a não ser a boa e velha observação via “olhômetro”; agitação na superfície significava fogo imediato – e perguntavam depois. Exatamente como faziam alemães, americanos, ingleses. Ou seja… a chacota é incabível. Era um engano comum.

Mas a gente não aprende nem em um século, diferente de povos culturalmente mais evoluídos. Na verdade, pioramos (quase) sempre. Nos últimos doze anos então… haja toninhas.

primeirona imagem 1

______________________________________________________________________________________________________

O Portal Café Brasil consiste em um fórum de discussão onde não há a intenção de macular a honra de qualquer pessoa, em especial de Vladimir Poleto, sendo certo que as informações veiculadas que ensejaram a propositura de ação judicial partiram de internauta participante do referido fórum de discussão, sem qualquer responsabilidade para o Portal Café Brasil.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes