s
Iscas Intelectuais
Por dentro das Big Techs
Por dentro das Big Techs
Alguma coisa está mudando na cultura do trabalho, e ...

Ver mais

Um pouquinho de história
Um pouquinho de história
Um pouquinho de história só para manter as coisas em ...

Ver mais

Não olhe para cima
Não olhe para cima
Não olhe para cima é uma comédia para ser levada a ...

Ver mais

Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Café Brasil 805 – O Estupro da Mente
Café Brasil 805 – O Estupro da Mente
Muito bem! No episódio passado, eu introduzi o conceito ...

Ver mais

Café Brasil 804 – Psicose de formação em massa
Café Brasil 804 – Psicose de formação em massa
O termo Mass Formation Psychosis, psicose de formação ...

Ver mais

Café Brasil 803 – Enquanto houver sol
Café Brasil 803 – Enquanto houver sol
E aí? Pronto pro ano novo? Tá complicado, é? Muita ...

Ver mais

Café Brasil 802 – A Lei de Lindy
Café Brasil 802 – A Lei de Lindy
Olhe pela janela... o que restará daqui a 100 anos, de ...

Ver mais

LíderCast 227 – Leticia Zamperlini e Cristian Lohbauer
LíderCast 227 – Leticia Zamperlini e Cristian Lohbauer
No programa de hoje temos Leticia Zamperlini e Cristian ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Hoje bato um papo muito interessante com Leandro Bueno, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 5 – Predicáveis: Classificação e Números (parte 4)
Alexandre Gomes
Os PREDICÁVEIS representam a mais completa classificação das relações que podem ser afirmadas DE UM PREDICADO. em relação a um sujeito, TANTO QUANTO as categorias (do ser) são a mais completa ...

Ver mais

Expectativas em relação à China
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Expectativas em relação à China “Embora ainda seja prematuro especular sobre os delineamentos básicos de uma nova e inevitável ordem internacional, a evolução dos acontecimentos parece apontar ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 5 – Formas Proposicionais A E I O (parte 3)
Alexandre Gomes
As distinções apresentadas na lição anterior são as bases da CONCEITUAÇÃO e do MANEJO das proposições. Usando a qualidade, ou tanto a quantidade quanto a modalidade, como base, TODA PROPOSIÇÃO ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 5 – Características das Proposições (parte 2)
Alexandre Gomes
As PROPOSIÇÕES podem ser agrupadas por cinco características; e cada uma dessas se divide em duas classes. As cinco características são: a) referência à realidade, b) quantidade, c) qualidade, d) ...

Ver mais

Cafezinho 457 – Eu não sabia
Cafezinho 457 – Eu não sabia
O jornalista, crítico da mídia e filósofo amador ...

Ver mais

Cafezinho 456 – Humildade na liderança
Cafezinho 456 – Humildade na liderança
Quando você mistura ignorância com arrogância, pitadas ...

Ver mais

Cafezinho 455 – Para pensar direito
Cafezinho 455 – Para pensar direito
George Orwell escreveu: "Se as idéias corrompem a ...

Ver mais

Cafezinho 454 – A tecnologia mata a paciência
Cafezinho 454 – A tecnologia mata a paciência
A vida é curta demais pra gente ficar esperando. Mas ...

Ver mais

A quem interessa a política do ódio?

A quem interessa a política do ódio?

Gustavo Bertoche - É preciso lançar pontes. -

O ódio político que floresce no nosso tempo tem causado mal a todos nós – e ainda mais a quem realmente acredita nas narrativas políticas, em qualquer narrativa política.

É preciso perceber que ambos os lados de um ambiente agressivo se beneficiam da tensão política que criam. A dança macabra entre as lideranças da esquerda e da direita é o que mantém viva a política do desprezo e do ressentimento.

E os propositores e perpetuadores da política do ressentimento, à esquerda e à direita, utilizam-se de todos os meios possíveis para tentar controlar toda a nossa vida social.

Isto é: os líderes da esquerda e da direita inventam todos os dias novas palavras de ordem, novos gatilhos ideológicos, para nos submeter – nós, os mantenedores das elites político-burocráticas; nós, os servos dos donos do poder (lembram-se do que diziam C. Wright Mills e Raymundo Faoro?). E assim acabam por nos aprisionar numa guerra que não é nossa, por meio das nossas próprias demonstrações públicas de medo, ira e intolerância, os “dois minutos de ódio” (Orwell) que se tornaram quase obrigatórios no nosso mundo.

Félix Guattari trata dessa polarização política em um texto de “As verdades nômades”. Ele se refere à polaridade geopolítica, mas o que diz cabe perfeitamente no caso da política brasileira contemporânea.

“Pergunto-me às vezes se as liberdades nas nossas sociedades – aliás, imprudentemente chamadas de ‘pós-industriais’ – não estão fadadas a sofrer uma erosão irreversível devido a certa elevação global da entropia do controle social. Mas esse sociologismo melancólico só me vence nos dias de depressão! Refletindo mais serenamente, não vejo nenhuma razão para vincular um tal destino repressivo à proliferação de maquinismos de informação e de comunicação nas engrenagens da produção e da vida social. Não. É outra coisa que distorce tudo. Não é o ‘progresso’ técnico-científico, mas a inércia de relações sociais ultrapassadas. A começar pelas relações internacionais entre os blocos! A começar por essa corrida permanente às armas, que vampiriza as economias e anestesia os espíritos! Então eu penso que a tensão internacional talvez seja menos um antagonismo permanente entre as duas superpotências – como somos levados a crer – que um meio de que se valem, precisamente, para ‘disciplinar’ o planeta. Em suma, os dois chefes de polícia se dividiram em papéis complementares. Não como no teatro de marionetes, pois aqui os golpes doem muito, mas para aumentar a tensão no sistema, e de tal forma que os fatores de hierarquização do conjunto de seus componentes militares, econômicos, sociais e culturais se encontram exacerbados. Ou seja, lá no alto, no Olimpo dos deuses da guerra, muito barulho, muitas ameaças (e, infelizmente, também muitas coisas realmente perigosas) para que, abaixo, em todos os níveis, a criadagem se mantenha calada!”

(Negri, Antônio; Guattari, Félix. As verdades nômades: por novos espaços de liberdade. Trad. Mario Antunes Marino e Jefferson Viel. São Paulo: Politeia, 2017, p. 132)

* * *

Como podemos não ser meros peões no jogo das elites político-burocráticas?

Talvez por meio do silêncio, quando todos à nossa volta gritam;

da reflexão, quando todos à nossa volta se recusam a pensar;

da ironia, quando todos à nossa volta querem crer;

da galhofa, quanto todos à nossa volta levam a sério as palavras de ordem;

e da coragem da solidão, quando todos à nossa volta desejam ardentemente participar do rebanho.

Ver Todos os artigos de Gustavo Bertoche