s
Iscas Intelectuais
Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
MUDANÇAS IMPORTANTES NO CAFÉ BRASIL PREMIUM A você que ...

Ver mais

Café Brasil 736 – Coisas Sobre Você
Café Brasil 736 – Coisas Sobre Você
A Bianca Oliveira é jornalista, apresentadora de ...

Ver mais

Café Brasil 735 – Morrer de quê?
Café Brasil 735 – Morrer de quê?
Fala a verdade, quem é que não se pegou pensando sobre ...

Ver mais

Café Brasil 734 – Globalização e Globalismo
Café Brasil 734 – Globalização e Globalismo
Olha, vira e mexe a gente ouve falar em globalização e ...

Ver mais

Café Brasil 733 – Agro Resenha
Café Brasil 733 – Agro Resenha
O agronegócio, que talvez seja o mais espetacular caso ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

O turismo e a economia
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O turismo e a economia A indústria do turismo passou certamente pelo maior desafio das últimas décadas, mas é forte o bastante para superar. Esteja atento às possibilidades tecnológicas e agregue ...

Ver mais

O boom no turismo regional no mundo pós-pandemia do coronavírus
Michel Torres
Estratégias para diferenciação e melhor aproveitamento da imensa demanda por hotéis e pousadas Um detalhe sobre a pandemia do coronavírus em curso é que as áreas com focos concentrados são ...

Ver mais

Boicote, Coelhinho?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O britânico Charles Cunningham entrou pra História de um jeito muito diferente. Em 1880, foi à Irlanda dirigir os negócios de um grande proprietário de terras local. Acabou entrando em desavenças ...

Ver mais

Aquém do potencial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Aquém do potencial  “A economia está sujeita a conveniências políticas que a levaram por maus caminhos. Por isso enfatizo tanto a gravidade da situação, na esperança de levar seus responsáveis ao ...

Ver mais

Cafezinho 319 – A cizânia
Cafezinho 319 – A cizânia
Fique de olho nos Tullius Detritus que infestam sua vida.

Ver mais

Cafezinho 317 – Declaração de Princípios
Cafezinho 317 – Declaração de Princípios
Quando decidi que lançaria meu primeiro curso on-line, ...

Ver mais

Cafezinho 316 – Não somos estúpidos
Cafezinho 316 – Não somos estúpidos
Não, não é para mergulhar no otimismo cego, que é tão ...

Ver mais

Cafezinho 315 – Como nasce uma palestra
Cafezinho 315 – Como nasce uma palestra
É exatamente como um pintor, um escultor, um músico ...

Ver mais

A real história do Plano Real

A real história do Plano Real

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

A real história do Plano Real

Uma moeda cunhada no consenso democrático

Jovens nascidos neste século dificilmente podem compreender o que era viver no Brasil nas últimas duas décadas do século XX. Na maior parte desse período, o cenário econômico brasileiro se caracterizava por um perverso tripé que combinava estagnação prolongada, crise das dívidas (externa e interna) e inflação crônica.

Este artigo vai se limitar ao último item deste perverso tripé: a inflação.

Embora a inflação no Brasil tenha atingido níveis preocupantes em determinados momentos anteriores, como, por exemplo, no início da década de 1960, seus efeitos negativos eram mascarados pelas altas taxas de crescimento econômico, muito comuns no Brasil até o final da década de 1970. A década de 1980 foi uma espécie de divisor de águas, sendo conhecida na América Latina pelo nome de “década perdida”, pois com exceção de República Dominicana, Chile e Colômbia, todos os países da região tiveram crescimento negativo do PIB por habitante nesse período[1].

Com a redemocratização ocorrida em quase todos os países da região a partir de meados da década de 1980, a situação começou a mudar, pois vários dos governos que assumiram o poder priorizaram a busca da estabilidade como pré-requisito para a retomada do crescimento econômico. O Brasil, porém, ficou para trás, uma vez que a segunda metade da década de 1980 foi marcada pela sucessão de planos econômicos que fracassaram na tentativa de combater a inflação. Chamado de “quinquênio dos pacotes” por alguns analistas, esse período viu surgirem e fracassarem os seguintes planos econômicos: Plano Cruzado (fevereiro de 1986); Plano Cruzado II (novembro de 1986); Plano Bresser (junho de 1987); Plano Verão (janeiro de 1989); Plano Collor (março de 1990); Plano Collor II (janeiro de 1991).

Em consequência do fracasso desses planos, a inflação anual atingiu a casa dos quatro dígitos no início da década de 1990, chegando a 1.178% em 1992 e 2.567% em 1993, segundo a Fundação Getúlio Vargas.

Num artigo de 1992 do Prof. Eduardo Giannetti, há um parágrafo que retrata bem o que era viver num país com taxas de inflação como essas: “A convivência com a inflação é uma escola de oportunismo, imediatismo e corrupção. A ausência de moeda estável encurta os horizontes do processo decisório, torna os ganhos e perdas aleatórios, acirra os conflitos pseudodistributivos, premia o aproveitador, desestimula a atividade produtiva, promove o individualismo selvagem, inviabiliza o cálculo econômico racional e torna os orçamentos do setor público peças de ficção contábil”.

O êxito do Plano Real, adotado em 1994, durante o governo do presidente Itamar Franco, quando Fernando Henrique Cardoso era o ministro da Fazenda, constitui-se, portanto, numa extraordinária conquista de todos os brasileiros, que não aguentavam mais viver num ambiente tão instável economicamente. Convém destacar que em economias com tal nível de inflação, todos são penalizados, principalmente os menos favorecidos, que não têm como se defender das perdas provocadas pela inflação por não terem acesso aos mecanismos de recomposição do valor da moeda oferecidos pelas instituições financeiras.

O Plano Real revolucionou o cenário econômico do País ao garantir a estabilidade após um largo período de hiperinflação. A memória inflacionária, que alimentava a remarcação automática dos preços, desapareceu com a ajuda do engenhoso mecanismo da Unidade Real de Valor (URV), a moeda virtual que antecedeu o real, um feito único no mundo.

Por essas razões, é extremamente oportuno o relançamento do livro A real história do Real da jornalista Maria Clara R. M. do Prado. Lançado em versão impressa em 2005, volta ao mercado em versão digital, e um ligeiro ajuste no título – A real história do Plano Real: uma moeda cunhada no consenso democrático – com a finalidade de manter viva esta inigualável experiência de estabilização para as jovens gerações.

Vale a pena investir algum tempo na leitura desta grande conquista de todos os brasileiros.

 

Iscas para ir mais fundo no assunto

Referências bibliográficas

GIANNETTI, Eduardo. Ética e inflação. O Estado de São Paulo, 14 de julho de 1992, p. 2.

PRADO, Maria Clara R. M. do. A real história do Real. Rio de Janeiro: Record, 2005.

_______________ A real história do Plano Real: uma moeda cunhada no consenso democrático. E-book: e-galáxia, 2020.

[1] De acordo com a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal), o crescimento médio do PIB por habitante de 1980 a 1989 foi de -8,3% (WEFFORT, Francisco. Qual democracia? São Paulo: Companhia das Letras, 1992, p. 67).

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado