s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 799 – Essa tal meritocracia
Café Brasil 799 – Essa tal meritocracia
Meritocracia, meritocracia... meritocracia... como tem ...

Ver mais

Café Brasil 798 – Raciocínios Perigosos – Revisitado
Café Brasil 798 – Raciocínios Perigosos – Revisitado
O Café Brasil de hoje é a releitura de um programa de ...

Ver mais

Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Tenho feito uma série de lives que chamei de ‘Bora pra ...

Ver mais

Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Outro daqueles acidentes estúpidos vitimou mais uma ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 5 – Proposições e sua Expressão Gramatical (parte 1)
Alexandre Gomes
DEFINIÇÕES E DISTINÇÕES Proposição e relação de termos. A proposição AFIRMA uma relação de termos. Em uma estrutura de palavras compostas de: um sujeito, uma cópula e um predicado. Os termos ...

Ver mais

A catástrofe circular da escola brasileira
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
A catástrofe circular da nossa escola: temos professores de fraca formação acadêmica, com salários miseráveis. Eles oferecem aos seus alunos pouca cultura e, por isso, não os elevam acima da ...

Ver mais

Quadrinhos em alta
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Quadrinhos em alta Apesar do início com publicações periódicas impressas para públicos específicos, as HQs não se limitam a atender às crianças. Há quadrinhos para adultos, de muita qualidade, em ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Tipos e Regras de Divisão Lógica (parte 7)
Alexandre Gomes
Antes de tratar das regras da divisão lógica – pois pode parecer mais importante saber as regras de divisão que os tipos de divisão – será útil revisar alguns tópicos já tratados para ...

Ver mais

Cafezinho 444 – Congestão mental
Cafezinho 444 – Congestão mental
Quanto de alimento intelectual você consegue entuchar ...

Ver mais

Cafezinho 443 –  O crime nosso de cada dia
Cafezinho 443 –  O crime nosso de cada dia
A sociedade norte americana está doente. E eles somos ...

Ver mais

Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
A cultura é boa porque influencia diretamente a forma ...

Ver mais

Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
A baixa cultura faz crescer a bunda, melhorar o ...

Ver mais

A sala de professores e a deseducação

A sala de professores e a deseducação

Gustavo Bertoche - É preciso lançar pontes. -

Comecei a dar aulas no Ensino Médio em 1999, quando estava no segundo ano da graduação em Filosofia. Ou seja: há mais de vinte anos comecei a freqüentar a sala de professores.

Nesse ambiente praticamente não presenciei discussões sobre o processo pedagógico, sobre currículo, sobre métodos de ensino. Por outro lado, ouvi com enorme freqüência reclamações quanto a prazos para entrega de notas, quanto a salários baixos, quanto a alunos “mal-educados”, quanto a resultados de jogos de futebol.

Há algo de podre na nossa escola.

* * *

Um professor é um intelectual. O seu principal instrumento profissional é o seu pensamento – o que inclui a sua memória, a sua erudição e a sua capacidade de reflexão. Por isso, supõe-se que ele seja capaz de refletir sobre o seu trabalho, ou seja: sobre o sentido da educação, sobre a meta do processo pedagógico, sobre os métodos adequados ou inadequados para que essa meta seja alcançada.

Todavia, raríssimas vezes encontrei colegas educadores interessados em discutir a própria Educação. Quando levanto a questão, a maior parte das reações dos meus colegas varia entre a galhofa e a repreensão – sim, repreensão, sob a acusação corporativista de que eu estaria atrapalhando os interesses de classe.

Por “interesse de classe”, entenda-se dois interesses dialéticos: de um lado, os professores da rede particular, interessados em pegar a maior carga horária possível para aumentar o salário. De outro lado, os professores da rede pública, interessados em pegar a menor carga horária possível, já que o salário é fixo. Esses interesses divergentes convergem, dialeticamente, na busca pela maior eficiência – isto é: pela obtenção do maior salário possível, com o menor esforço possível.

Em suma: com freqüência, o educador está mais preocupado com a obtenção das condições materiais para a sua sobrevivência do que com a reflexão sobre a própria Educação.

Essa situação é compreensível: viver no Brasil é difícil. Parece que tudo conspira contra nós: o Estado sempre nos atrapalhando, os diversos fenômenos da violência nos restringindo a ação, os salários baixos, a falta de incentivos para a formação continuada. O trabalho intelectual padece ainda de outro mal: o desprezo do governo e do povo diante da produção acadêmica. Os professores realmente não são encorajados a pensar, a estudar e a se aprofundar numa pesquisa.

* * *

Com isso, nós, professores brasileiros, acabamos por naturalizar a nossa situação profissional absurda: como denunciou em 1952 o físico Richard Feynman (que lecionou entre 1951 e 1952 na Universidade do Brasil, futura UFRJ), ensinamos, como autômatos, “a resolver provas”, mas ignoramos o porquê e o para quê disso. Tornamos os alunos aptos a solucionar exercícios sobre o conteúdo do currículo, do livro didático, da “apostila”, mas jamais refletimos sobre as razões, as metas e as conseqüências do ensino desse conteúdo.

Quase sempre queremos simplesmente “cumprir o planejamento” para evitar aborrecimentos. Se o currículo explícito nesse planejamento não tem nenhuma ligação com o talento e a vocação de um aluno, o problema não é nosso. Se não existe nenhuma conexão de um conteúdo curricular com a vida social e espiritual dos alunos, não é nosso o problema.

Se vamos “reprovar” crianças por não conseguirem resolver exercícios sobre assuntos com que jamais se depararão na vida, o problema é delas.

Não nos importa que o currículo seja absurdo, que os métodos pedagógicos sejam maçantes, que não exista nenhuma conexão do mundo escolar com a vida real. Estamos cumprindo o nosso trabalho, e é isso que importa para nós.

* * *

O que poucos professores percebem é que, ao participar desse teatro do absurdo que são as nossas escolas, agimos diretamente para a perpetuação e a ampliação da pobreza material, intelectual e espiritual da nossa sociedade.

Afinal, ao lado do currículo oficial que não tem o menor sentido existe outro, bem mais influente: o currículo oculto. E qual é o nosso currículo oculto?

Em outras palavras: o que ensinamos realmente na escola enquanto fingimos ensinar a matéria curricular?

– Ensinamos a realizar atividades absurdas, sem propósito claro, com a finalidade de obter notas abstratas que decidirão o futuro deles;

– ensinamos a obedecer à autoridade, a baixar a cabeça diante de ordens arbitrárias;

– ensinamos que os alunos não têm direito nem mesmo ao próprio corpo, ao autorizarmos ou desautorizarmos o ato de ir ao banheiro, de beber água, de se sentar ou de se levantar;

– ensinamos que não é preciso saber nada de fato, mas sim dar a impressão de saber, para realizar uma avaliação com questões muito parecidas com aquelas que foram realizadas em classe;

– enfim, ensinamos a ser desonestos, quando marcamos uma avaliação e esperamos que os alunos estudem especificamente para ela; memorizar textos e resolução de questões no dia anterior ao da avaliação, para uso utilitário e imediato esquecimento após a prova, é um tipo de cola, é um tipo de desonestidade intelectual. E somos nós, professores, quem encorajamos, por ação ou omissão, essa má utilização das faculdades cognitivas dos estudantes.

Isso significa que a nossa escola, longe de ser a solução para os problemas estruturais da nossa sociedade, é em grande parte causa deles. A escola brasileira é uma escola de autoritarismo e de desonestidade, e o seu currículo oculto se constitui essencialmente de lições de obediência e de “jeitinho”.

Amigos, isso tudo vale tanto para a escola pública quanto para a privada. A despeito do que dizem por aí, não existem boas escolas no Brasil – não, pelo menos, entre as escolas que seguem o currículo oficial, e certamente não entre as escolas que preparam para o vestibular/ENEM. E é preciso dizer: do ponto de vista da formação humana, as escolas que estão no topo do ranking do ENEM geralmente são as piores que podemos encontrar.

* * *

E de onde vem esse nosso currículo oficial?

A despeito de várias reformas na legislação educacional brasileira, ainda vivemos sob a sombra da organização escolar imposta pela ditadura militar por meio da lei 5692/71. Essa lei estabelecia o currículo básico que ainda hoje se faz presente nos vestibulares / no ENEM e nos livros didáticos.

A lei 5692/71 determinava a formação focada no mercado de trabalho técnico-industrial típico dos anos 60 e 70: os militares queriam que a maior parte dos estudantes brasileiros saísse do Segundo Grau pronta para assumir postos técnicos numa fábrica ou para fazer uma faculdade de Engenharia. Daí a ênfase desmedida na área de ciências naturais que ainda vemos no nosso currículo.

E o resultado disso? Além de termos um currículo oficial generalista, autoritário e absurdo, que não leva em consideração as aptidões e vocações dos nossos alunos, a nossa escola prepara para o mercado de trabalho de 50 anos atrás.

* * *

Mas nada disso é discutido na sala de professores. Afinal, os professores são intelectuais que, por força das circunstâncias, acabam por abandonar a reflexão, vindo a se transformar em técnicos do ensino: profissionais preocupados com os aspectos práticos do seu trabalho, sem o interesse em compreender as razões e as conseqüências do que fazem.

Os nossos professores escolares, portanto, quase nunca educam: via de regra, eles instruem. E a instrução que eles proporcionam é completamente equivocada: está distante dos interesses e das aptidões dos nossos alunos, está apartada das necessidades da vida da sociedade e do espírito, ensina a desonestidade e o fingimento, e prepara os jovens para um mundo que já não mais existe.

Nesse sentido, julgo que as campanhas a favor da escola integral, as campanhas de defesa das instituições escolares, as campanhas anti-homeschooling não são campanhas pró-Educação. Pelo contrário: elas são campanhas a favor de uma instituição que desconhece o que a Educação significa.

Afinal, escolarização e Educação não são sinônimos. Uma escola pode deseducar; é a situação que infelizmente encontramos no nosso país. Neste caso, mais escolarização significa menos Educação, significa mais estupidez, significa mais desonestidade.

* * *

A escola é importante: ela é a instituição basilar da Modernidade. Mas daí não se segue que devamos defender todos os sistemas escolares. Há sistemas escolares viciosos, que mais prejudicam do que beneficiam os indivíduos e a sociedade. Em nome da Educação, eles precisam ser reinventados para que possam propiciar algo que entre nós é quase desconhecido: uma escola educadora.

Uma escola educadora, com professores que não sejam meros técnicos da Educação: com professores que sejam também educadores, e que na sala de professores tenham prazer em criar estratégias conjuntas para impulsionar o talento específico de cada um dos seus alunos.

Será que em algum dia conhecerei uma sala de professores assim?

Ver Todos os artigos de Gustavo Bertoche