s
Iscas Intelectuais
Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
MUDANÇAS IMPORTANTES NO CAFÉ BRASIL PREMIUM A você que ...

Ver mais

Café Brasil 752 – Jam Session
Café Brasil 752 – Jam Session
Uma das coisas mais fascinantes é a demonstração de ...

Ver mais

Café Brasil 751 – A hipocrisia nossa de cada dia
Café Brasil 751 – A hipocrisia nossa de cada dia
A Perfetto é patrocinadora do Café Brasil e… sabe ...

Ver mais

Café Brasil 750 – The Rocket Man
Café Brasil 750 – The Rocket Man
Algumas obras de arte são tão perfeitas, mas tão ...

Ver mais

Café Brasil 749 – Mais atrai mais.
Café Brasil 749 – Mais atrai mais.
Construímos sistemas cada vez mais complexos, ...

Ver mais

LíderCast 216 – Denise Pitta
LíderCast 216 – Denise Pitta
Empreendedora digital, dona do site Fashion Bubbles, ...

Ver mais

LíderCast 215 – Marco Antonio Villa
LíderCast 215 – Marco Antonio Villa
Historiador, professor, comentarista polêmico em rádio ...

Ver mais

LíderCast 214 – Bianca Oliveira
LíderCast 214 – Bianca Oliveira
Jornalista e apresentadora, hoje vivendo na Europa, ...

Ver mais

LíderCast 213 – Brunna Farizel e Lucas Moreira
LíderCast 213 – Brunna Farizel e Lucas Moreira
Empreendedores, criadores de uma franquia inovadora, ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Os economistas mais influentes da atualidade
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Os economistas mais influentes da atualidade  “O que são as pessoas de carne e osso? Para os mais notórios economistas, números. Para os mais poderosos banqueiros, devedores. Para os mais ...

Ver mais

A sala de professores e a deseducação
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Comecei a dar aulas no Ensino Médio em 1999, quando estava no segundo ano da graduação em Filosofia. Ou seja: há mais de vinte anos comecei a freqüentar a sala de professores. Nesse ambiente ...

Ver mais

Leituras, conexões e reminiscências
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Leituras, conexões e reminiscências “Se você tiver uma maçã e eu tiver uma maçã e trocarmos nossas frutas, continuaremos com uma maçã cada. Mas, se você tiver uma ideia e eu tiver uma ideia e ...

Ver mais

Não existe novo normal
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não, não existe o “novo normal” propalado por alguns construtores de expressões de efeito, apelando mais para o sentimento (desespero, histeria e terror, se possível) do que para os fatos, esses ...

Ver mais

Cafezinho 351 – Um autoritário pra chamar de seu
Cafezinho 351 – Um autoritário pra chamar de seu
As pessoas perderam completamente o bom-senso e já há ...

Ver mais

Cafezinho 350 – Sob o domínio do medo
Cafezinho 350 – Sob o domínio do medo
No mundo de hoje, caótico, competitivo e apressado, ...

Ver mais

Cafezinho 349 – Pânico moral
Cafezinho 349 – Pânico moral
Pânico moral é um medo espalhado pela sociedade, ...

Ver mais

Cafezinho 348 – Quem conta as histórias
Cafezinho 348 – Quem conta as histórias
Imagino a criança perguntando aos pais por que é que ...

Ver mais

A sala de professores e a deseducação

A sala de professores e a deseducação

Gustavo Bertoche - É preciso lançar pontes. -

Comecei a dar aulas no Ensino Médio em 1999, quando estava no segundo ano da graduação em Filosofia. Ou seja: há mais de vinte anos comecei a freqüentar a sala de professores.

Nesse ambiente praticamente não presenciei discussões sobre o processo pedagógico, sobre currículo, sobre métodos de ensino. Por outro lado, ouvi com enorme freqüência reclamações quanto a prazos para entrega de notas, quanto a salários baixos, quanto a alunos “mal-educados”, quanto a resultados de jogos de futebol.

Há algo de podre na nossa escola.

* * *

Um professor é um intelectual. O seu principal instrumento profissional é o seu pensamento – o que inclui a sua memória, a sua erudição e a sua capacidade de reflexão. Por isso, supõe-se que ele seja capaz de refletir sobre o seu trabalho, ou seja: sobre o sentido da educação, sobre a meta do processo pedagógico, sobre os métodos adequados ou inadequados para que essa meta seja alcançada.

Todavia, raríssimas vezes encontrei colegas educadores interessados em discutir a própria Educação. Quando levanto a questão, a maior parte das reações dos meus colegas varia entre a galhofa e a repreensão – sim, repreensão, sob a acusação corporativista de que eu estaria atrapalhando os interesses de classe.

Por “interesse de classe”, entenda-se dois interesses dialéticos: de um lado, os professores da rede particular, interessados em pegar a maior carga horária possível para aumentar o salário. De outro lado, os professores da rede pública, interessados em pegar a menor carga horária possível, já que o salário é fixo. Esses interesses divergentes convergem, dialeticamente, na busca pela maior eficiência – isto é: pela obtenção do maior salário possível, com o menor esforço possível.

Em suma: com freqüência, o educador está mais preocupado com a obtenção das condições materiais para a sua sobrevivência do que com a reflexão sobre a própria Educação.

Essa situação é compreensível: viver no Brasil é difícil. Parece que tudo conspira contra nós: o Estado sempre nos atrapalhando, os diversos fenômenos da violência nos restringindo a ação, os salários baixos, a falta de incentivos para a formação continuada. O trabalho intelectual padece ainda de outro mal: o desprezo do governo e do povo diante da produção acadêmica. Os professores realmente não são encorajados a pensar, a estudar e a se aprofundar numa pesquisa.

* * *

Com isso, nós, professores brasileiros, acabamos por naturalizar a nossa situação profissional absurda: como denunciou em 1952 o físico Richard Feynman (que lecionou entre 1951 e 1952 na Universidade do Brasil, futura UFRJ), ensinamos, como autômatos, “a resolver provas”, mas ignoramos o porquê e o para quê disso. Tornamos os alunos aptos a solucionar exercícios sobre o conteúdo do currículo, do livro didático, da “apostila”, mas jamais refletimos sobre as razões, as metas e as conseqüências do ensino desse conteúdo.

Quase sempre queremos simplesmente “cumprir o planejamento” para evitar aborrecimentos. Se o currículo explícito nesse planejamento não tem nenhuma ligação com o talento e a vocação de um aluno, o problema não é nosso. Se não existe nenhuma conexão de um conteúdo curricular com a vida social e espiritual dos alunos, não é nosso o problema.

Se vamos “reprovar” crianças por não conseguirem resolver exercícios sobre assuntos com que jamais se depararão na vida, o problema é delas.

Não nos importa que o currículo seja absurdo, que os métodos pedagógicos sejam maçantes, que não exista nenhuma conexão do mundo escolar com a vida real. Estamos cumprindo o nosso trabalho, e é isso que importa para nós.

* * *

O que poucos professores percebem é que, ao participar desse teatro do absurdo que são as nossas escolas, agimos diretamente para a perpetuação e a ampliação da pobreza material, intelectual e espiritual da nossa sociedade.

Afinal, ao lado do currículo oficial que não tem o menor sentido existe outro, bem mais influente: o currículo oculto. E qual é o nosso currículo oculto?

Em outras palavras: o que ensinamos realmente na escola enquanto fingimos ensinar a matéria curricular?

– Ensinamos a realizar atividades absurdas, sem propósito claro, com a finalidade de obter notas abstratas que decidirão o futuro deles;

– ensinamos a obedecer à autoridade, a baixar a cabeça diante de ordens arbitrárias;

– ensinamos que os alunos não têm direito nem mesmo ao próprio corpo, ao autorizarmos ou desautorizarmos o ato de ir ao banheiro, de beber água, de se sentar ou de se levantar;

– ensinamos que não é preciso saber nada de fato, mas sim dar a impressão de saber, para realizar uma avaliação com questões muito parecidas com aquelas que foram realizadas em classe;

– enfim, ensinamos a ser desonestos, quando marcamos uma avaliação e esperamos que os alunos estudem especificamente para ela; memorizar textos e resolução de questões no dia anterior ao da avaliação, para uso utilitário e imediato esquecimento após a prova, é um tipo de cola, é um tipo de desonestidade intelectual. E somos nós, professores, quem encorajamos, por ação ou omissão, essa má utilização das faculdades cognitivas dos estudantes.

Isso significa que a nossa escola, longe de ser a solução para os problemas estruturais da nossa sociedade, é em grande parte causa deles. A escola brasileira é uma escola de autoritarismo e de desonestidade, e o seu currículo oculto se constitui essencialmente de lições de obediência e de “jeitinho”.

Amigos, isso tudo vale tanto para a escola pública quanto para a privada. A despeito do que dizem por aí, não existem boas escolas no Brasil – não, pelo menos, entre as escolas que seguem o currículo oficial, e certamente não entre as escolas que preparam para o vestibular/ENEM. E é preciso dizer: do ponto de vista da formação humana, as escolas que estão no topo do ranking do ENEM geralmente são as piores que podemos encontrar.

* * *

E de onde vem esse nosso currículo oficial?

A despeito de várias reformas na legislação educacional brasileira, ainda vivemos sob a sombra da organização escolar imposta pela ditadura militar por meio da lei 5692/71. Essa lei estabelecia o currículo básico que ainda hoje se faz presente nos vestibulares / no ENEM e nos livros didáticos.

A lei 5692/71 determinava a formação focada no mercado de trabalho técnico-industrial típico dos anos 60 e 70: os militares queriam que a maior parte dos estudantes brasileiros saísse do Segundo Grau pronta para assumir postos técnicos numa fábrica ou para fazer uma faculdade de Engenharia. Daí a ênfase desmedida na área de ciências naturais que ainda vemos no nosso currículo.

E o resultado disso? Além de termos um currículo oficial generalista, autoritário e absurdo, que não leva em consideração as aptidões e vocações dos nossos alunos, a nossa escola prepara para o mercado de trabalho de 50 anos atrás.

* * *

Mas nada disso é discutido na sala de professores. Afinal, os professores são intelectuais que, por força das circunstâncias, acabam por abandonar a reflexão, vindo a se transformar em técnicos do ensino: profissionais preocupados com os aspectos práticos do seu trabalho, sem o interesse em compreender as razões e as conseqüências do que fazem.

Os nossos professores escolares, portanto, quase nunca educam: via de regra, eles instruem. E a instrução que eles proporcionam é completamente equivocada: está distante dos interesses e das aptidões dos nossos alunos, está apartada das necessidades da vida da sociedade e do espírito, ensina a desonestidade e o fingimento, e prepara os jovens para um mundo que já não mais existe.

Nesse sentido, julgo que as campanhas a favor da escola integral, as campanhas de defesa das instituições escolares, as campanhas anti-homeschooling não são campanhas pró-Educação. Pelo contrário: elas são campanhas a favor de uma instituição que desconhece o que a Educação significa.

Afinal, escolarização e Educação não são sinônimos. Uma escola pode deseducar; é a situação que infelizmente encontramos no nosso país. Neste caso, mais escolarização significa menos Educação, significa mais estupidez, significa mais desonestidade.

* * *

A escola é importante: ela é a instituição basilar da Modernidade. Mas daí não se segue que devamos defender todos os sistemas escolares. Há sistemas escolares viciosos, que mais prejudicam do que beneficiam os indivíduos e a sociedade. Em nome da Educação, eles precisam ser reinventados para que possam propiciar algo que entre nós é quase desconhecido: uma escola educadora.

Uma escola educadora, com professores que não sejam meros técnicos da Educação: com professores que sejam também educadores, e que na sala de professores tenham prazer em criar estratégias conjuntas para impulsionar o talento específico de cada um dos seus alunos.

Será que em algum dia conhecerei uma sala de professores assim?

Ver Todos os artigos de Gustavo Bertoche