s
Iscas Intelectuais
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Estamos protagonizando uma revolução nas mídias, com ...

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Um Podcast Café Brasil com quase três horas de duração ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

Isolamento social, ideologia e privilégio de classe
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
A linguagem é dialética. Para apreender toda a extensão do que é dito, é preciso captar não só o seu significado explícito, mas também o que se oculta. Todos sabemos: em período de pandemia, é ...

Ver mais

Polêmica indesejável
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Polêmica indesejável “Eu sou o que me cerca. Se eu não preservar o que me cerca, eu não me preservo.” José Ortega y Gasset A aprovação do marco regulatório do saneamento pelo Senado, no dia 24 de ...

Ver mais

O fenômeno da fraude acadêmica no Brasil
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Existe um fenômeno curioso na cultura brasileira: a falsificação de credenciais acadêmicas. A mentira do novo ex-ministro da Educação, Carlos Decotelli, que afirma ter concluído um doutorado que ...

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Os dias de incertezas que hoje vivemos, estão repletos ...

Ver mais

Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Empatia positiva. Saborear a sensação boa do outro não ...

Ver mais

Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Se você tem acesso a informações que outras pessoas não ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

A verdade inconveniente da política atual

A verdade inconveniente da política atual

Bruno Garschagen - Ciência Política -

Li as 226 páginas do relatório Tendências Globais: Paradoxos do Progresso, divulgado na semana passada pelo National Intelligence Council, órgão de inteligência do governo americano. Aquilo que o documento apresenta como tendências para os próximos anos, como o aumento do risco de conflitos internacionais, terrorismo e baixo crescimento econômico, revela algo fundamental que não está sendo discutido: o fracasso do atual modelo político e da forma de fazer política dos líderes de hoje.

Um dos aspectos mais interessantes do relatório sobre os riscos de novos conflitos mundiais é que, ao contrário do que andamos lendo por aí, foi a atuação política dos “moderados” e de “grandes líderes” como Barack Obama e Angela Merkel que pavimentou o caminho para o atual estado de coisas.

O termo “populismo” virou expressão-coringa para designar tudo o que os esquerdistas rejeitam

Ironia suprema: Donald Trump é acusado de representar um grande perigo para a sociedade internacional, mas foi o “impoluto” Barack Obama um dos responsáveis diretos por tornar o mundo mais inseguro, menos cooperativo e menos desenvolvido economicamente. E não só ele. Coloquemos na lista Vladimir Putin e outros – além de instituições como a ONU. Ou seja, o quadro de horror que é pintado para o futuro próximo a partir da atuação do novo presidente dos Estados Unidos teve a colaboração decisiva de Obama, que deixará a presidência como o grande líder que jamais foi.

No âmbito da segurança, embora tenha assassinado Osama bin Laden, o governo Obama não só não conseguiu neutralizar grupos terroristas como a Al Qaeda como permitiu, por omissão, a fundação de outros, como o Estado Islâmico, ao legitimar a derrubada das ditaduras na Líbia, no Egito e na Síria a partir de erros crassos de avaliação (a ex-secretária Hillary Clinton exerceu papel fundamental na história). Isso abriu espaço para a Rússia retomar a sua influência na região (incluindo a Arábia Saudita), importância que havia perdido após a Guerra do Yom Kippur, em 1973.

Foi exatamente a intervenção militar russa na Síria que modificou o equilíbrio de poder internacional no país e no Oriente Médio, segundo o professor Ely Karmon, do International Institute for Counter-Terrorism, com sede em Israel. A atuação do governo russo, disse Karmon, pode ser entendida como uma tentativa de assegurar a influência do país baseada na esperança de se tornar, mais uma vez, uma superpotência mundial. Embora seja tão responsável quanto Obama pela situação atual, Putin foi mais esperto que o presidente americano ao usar em seu favor a instabilidade internacional que ajudou a criar.

O relatório do National Intelligence Council sugeriu ainda que a democracia liberal está sob ameaça no Ocidente por causa do populismo. Mas não explicou adequadamente como foi possível essa transição da situação anterior para a de agora sem a culpa dos políticos que estão no poder. O populismo é, portanto, culpado por aquilo que ainda não fez e o termo, que tem um significado político específico, passou a ser utilizado como expressão-coringa para designar tudo o que os esquerdistas rejeitam.

Eis o óbvio: o documento é o atestado público de que a forma de fazer política está errada. E que políticos que são vistos como moderados – a exemplo de Obama – são, na verdade, líderes débeis que deixaram a situação fugir ao controle. Os riscos de novos e mais intensos conflitos mundo afora só estão em discussão por responsabilidade direta deles, que, embora continuem incensados pela grande imprensa, não são mais reconhecidos como tais por parcelas cada vez mais numerosas das respectivas sociedades que representam.

O risco imediato para o futuro do mundo não é a desgraça do populismo: é o casamento incestuoso entre a degradação da política de hoje com a sua descendente, a política degradada de amanhã.

Ver Todos os artigos de Bruno Garschagen