s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 788 – Love, Janis
Café Brasil 788 – Love, Janis
Janis Joplin era uma garota incompreendida, saiu da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

Cafezinho 426 – Quem tem pressa?
Cafezinho 426 – Quem tem pressa?
Hoje as narrativas familiares perderam espaço para uma ...

Ver mais

A vida é muito melhor com boechatividade

A vida é muito melhor com boechatividade

Henrique Szklo - Iscas Criativas -

Como a maioria dos brasileiros, fiquei consternado com a morte do jornalista Ricardo Eugênio Boechat. Não posso dizer que eu era exatamente um fã, mas como sob minha perspectiva, ele utilizou em sua carreira – explícita ou subliminarmente – toda a liturgia intrínseca ao pensamento criativo, tinha a minha admiração genuína e espontânea. E como forma de homenagem e reconhecimento, no dia de hoje cometi a ousadia de me referir a este jeito encantador de usar nossa cabeça, como pensamento boechat.

Existem jornalistas tão ou mais famosos do que Ricardo Eugênio em nosso país. Mas suspeito que nenhum deles causaria a comoção que sua morte causou no brasileiro. E se alguém me perguntar o porquê, minha resposta será: ele era diferente. E ele era boechat.

Não é fácil ser boechat

Nem todo diferente é boechat, mas todo boechat é diferente. Em nenhum dos casos a vida é fácil. O descompassado vai sempre se deparar com desafios numa proporção maior do que as pessoas que se mantém dentro de uma pretensa normalidade. Vai correr mais riscos, vai enfrentar cotidianamente demônios externos e internos, vai ser frequentador assíduo do inferno. A vantagem do autêntico boechat é que ele poderá, eventual e fugazmente, sentar ao lado de Deus. O direito ou o esquerdo, tanto faz.

A coragem de ser diferente

Ser boechat não é para qualquer um. Ser boechat é uma profissão de risco. Por isso considero todo boechat um herói que, com coragem e destemor, enfrenta diariamente um turbilhão de almas resistentes e estancadas, inconformadas com qualquer mínima mudança. Quem tem dificuldade em mudar é particularmente agressivo com aquele que teima em brincar com o senso comum, classificando-o imediatamente de inimigo número zero.

Jornalista boechat?

No jornalismo, por ser um serviço que teoricamente vive em busca da verdade, o pensamento boechat pode inadvertidamente desviar o foco da informação pragmática e descambar para a fantasia. Verdade é verdade e a boechatividade, por sua inerente natureza, poderá subverte-la e, consequentemente, desconstrui-la. Mas não é assim que a coisa funciona. Pelo menos não necessariamente.

Será que se eu quiser dar um toque boechat na minha matéria não estarei arriscando perder meu prestígio e a minha credibilidade? Vai. Então não vale a pena! Claro que vale. Eu disse que pra ser boechat é preciso coragem. Me desculpem os bananas, mas a vida sem boechatividade é apenas uma sequência modorrenta de dias rumo ao fechamento de sua matéria corporal. Sejamos práticos. Se você se satisfaz com pouco, é com pouco que você tem de viver.

Onde o Ricardo Eugênio era boechat

Ser boechat, entre outras milhares de definições, é ter a capacidade de fazer a mesma coisa que todo mundo faz de um jeito diferente, que no caso específico do jornalismo, é uma mudança de perspectiva diante de um mesmo fato. O boechat é aquele que muda a posição da câmera para observar um fenômeno que, por uma questão de conforto, todo mundo enxerga do mesmo ponto de vista. Uma palavra inesperada, uma construção diferente de texto, um olhar inusitado, uma maneira única de se expressar pode fazer toda a diferença. O público sempre vai prestar mais atenção numa notícia dada de forma boechat.

Dizem que o Ricardo Eugênio era caçador de furos, workahólic e, mais importante, tinha faro para perceber se algo era notícia ou não. Ou seja, as coisas estavam ali, escancaradas diante de todo mundo, mas ele tinha o dom de ser um dos poucos a encontrar Wally. E a capacidade de observação é um componente indispensável para o desenvolvimento de um pensamento boechat. Quem não percebe os pequenos detalhes não entende a grande fotografia.

O Ricardo Eugênio era questionador. E o questionamento interminável está na raiz profunda do pensamento boechat. O boechat é, antes de tudo, um chato. Não se conforma com nada e vive fazendo novas perguntas. O conformado prefere que as coisas continuem como sempre. O boechat quer que as coisas sejam como nunca. A familiaridade, por definição, é entorpecente e banal. Não provoca impacto. E jornalismo sem impacto é como óculos sem lentes: não fazem você enxergar as coisas de um jeito diferente, portanto, não servem para nada.

Li em algum lugar que o Ricardo Eugênio assumia para todos que não sabia nada, mesmo sobre aqueles temas que obviamente sabia muito. Este é um clássico do pensamento boechat. Na verdade, uma demonstração de sabedoria. Nunca, nunca podemos nos satisfazer ou nos conformar com o quanto sabemos sobre o assunto com o qual estivermos trabalhando. Sempre haverá novas informações, novos jeitos de enxergar, novos indutores que poderão nos levar a lugares que nem imaginávamos.

O senso de humor também é uma característica típica dos boechats. Quem não tem senso de humor jamais será um boechat de verdade. E Ricardo Eugênio, não à toa, tinha de sobra. Pegue todos os grandes boechats da história da humanidade e você sempre irá encontrar um pequeno toque que seja de humor inteligente. Aliás, desconfie de quem não tem senso de humor.

Não é pra qualquer um

Arrisco dizer que pessoas genuinamente boechats são mais queridas e admiradas, como se demonstrou com a morte do Ricardo Eugênio. Isso porque o trabalho de um boechat é dar uma sacodida em nosso cérebro, gerar reflexões, criar imagens inusitadas, estimular nossa imaginação e reverenciar nossa inteligência. Mas não é qualquer boechat que consegue isso. É preciso ter um toque de Ricardo Eugênio.

 

CONTRATE MINHA PALESTRA: whatsapp 11 98466-0112, com Lena

Ver Todos os artigos de Henrique Szklo