s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 799 – Essa tal meritocracia
Café Brasil 799 – Essa tal meritocracia
Meritocracia, meritocracia... meritocracia... como tem ...

Ver mais

Café Brasil 798 – Raciocínios Perigosos – Revisitado
Café Brasil 798 – Raciocínios Perigosos – Revisitado
O Café Brasil de hoje é a releitura de um programa de ...

Ver mais

Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Tenho feito uma série de lives que chamei de ‘Bora pra ...

Ver mais

Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Outro daqueles acidentes estúpidos vitimou mais uma ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 5 – Proposições e sua Expressão Gramatical (parte 1)
Alexandre Gomes
DEFINIÇÕES E DISTINÇÕES Proposição e relação de termos. A proposição AFIRMA uma relação de termos. Em uma estrutura de palavras compostas de: um sujeito, uma cópula e um predicado. Os termos ...

Ver mais

A catástrofe circular da escola brasileira
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
A catástrofe circular da nossa escola: temos professores de fraca formação acadêmica, com salários miseráveis. Eles oferecem aos seus alunos pouca cultura e, por isso, não os elevam acima da ...

Ver mais

Quadrinhos em alta
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Quadrinhos em alta Apesar do início com publicações periódicas impressas para públicos específicos, as HQs não se limitam a atender às crianças. Há quadrinhos para adultos, de muita qualidade, em ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Tipos e Regras de Divisão Lógica (parte 7)
Alexandre Gomes
Antes de tratar das regras da divisão lógica – pois pode parecer mais importante saber as regras de divisão que os tipos de divisão – será útil revisar alguns tópicos já tratados para ...

Ver mais

Cafezinho 444 – Congestão mental
Cafezinho 444 – Congestão mental
Quanto de alimento intelectual você consegue entuchar ...

Ver mais

Cafezinho 443 –  O crime nosso de cada dia
Cafezinho 443 –  O crime nosso de cada dia
A sociedade norte americana está doente. E eles somos ...

Ver mais

Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
A cultura é boa porque influencia diretamente a forma ...

Ver mais

Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
A baixa cultura faz crescer a bunda, melhorar o ...

Ver mais

Abrir as escolas?

Abrir as escolas?

Gustavo Bertoche - É preciso lançar pontes. -

Amigos, neste momento os Estados e municípios estão discutindo sobre a abertura das escolas públicas e particulares.

Defensores da permanência do fechamento das escolas argumentam que “mais importante é a vida”.

Eu concordo: mais importante é a vida. Justamente por isso defendo que as escolas – especialmente as públicas – voltem a funcionar.

* * *

O argumento dos defensores da manutenção das escolas é que haverá uma enorme disseminação do vírus entre as crianças, e isso significará uma imensa mortandade infantil. Por isso, eles sustentam que as escolas devam permanecer fechadas.

A premissa de que o vírus se disseminará está correta. Com toda a probabilidade, haverá uma onda de contágio no ambiente escolar.

Mas a premissa de que isso significará a morte das nossas crianças está equivocada. As crianças não são imunes ao Covid, mas têm um baixíssimo risco de morte. Uma pesquisa da American Academy of Pediatrics estima que, nos Estados americanos, as crianças constituam entre 0% e 0,4% do total de mortes – isto é, um risco que está entre 0% e 0,004% entre as crianças testadas positivo, dependendo do Estado. Em outros termos: uma criança que tenha sido testada positivo com o Covid tem entre 99,998% e 99,996% de ficar bem. Sabendo que a imensa maioria das crianças com o vírus nem chega a ser testada, pois não apresenta sintomas, podemos concluir que o risco de morte em caso de contágio infantil é insignificante.

Resumindo: as crianças têm, com o Covid, o mesmo risco de vida que têm com qualquer gripe.

Amigos, a conclusão é óbvia: como não fechamos as escolas por causa da existência das gripes, não devemos fechar por causa do Covid. As crianças com doenças de risco devem permanecer em casa – e as outras devem retornar o mais rápido possível.

* * *

O outro argumento dos defensores do fechamento das escolas é que as crianças contaminarão os adultos. Sim, isso é perfeitamente possível.

Mas, neste caso, devemos ter clareza e honestidade de dizer: não queremos que os nossos filhos voltem à escola não para protegê-los, e sim para nos protegermos. Dado que a ausência das escolas tem feito estragos na vida emocional e intelectual de muitas crianças, a verdade é que estamos colocando o nosso bem-estar à frente do bem estar dos nossos filhos. Estamos sacrificando o bem-estar deles em função do nosso.

* * *

Essa conclusão vale também para os profissionais da escola. Médicos, policiais, bombeiros, motoristas, cozinheiros, garis – todos precisam enfrentar o risco do contágio para que a nossa sociedade continue existindo. Por que com os educadores seria diferente? Naturalmente, os que têm doenças que aumentam o risco de complicações devido ao Covid devem permanecer em casa. Mas todos os outros – entre os quais me incluo, pois sou professor – precisamos retornar às classes. O futuro das nossas crianças depende de nós. Mas estramos trocando o seu futuro pelo nosso bem-estar no presente.

* * *

Todavia, amigos, não é essa a mais séria razão pela qual as escolas devem reabrir. Há outra muito mais grave.

Muitas crianças, especialmente – mas não só – nas regiões mais pobres, correm sério risco de todo tipo de violência: física, psíquica, emocional, sexual.

Muitas crianças estão, neste exato momento em que você lê, passando pela experiência da desnutrição, de agressão física, de abuso emocional, de abuso sexual.

E isso tem acontecido impunemente.

As escolas não existem somente para “passar conteúdo”, amigos. As escolas são, sobretudo, o olhar atento e protetor da sociedade e do Estado para com as crianças.

É na escola que as violências e os abusos são descobertos e denunciados ao Conselho Tutelar. É na escola que muitas, muitíssimas crianças têm o alimento, o carinho e a proteção que, infelizmente, não recebem em casa.

Manter as escolas fechadas significa, para essas crianças, dar carta branca aos seus abusadores. E quanto mais tempo as escolas assim permanecerem, maior será o período de terror para muitas delas.

* * *

Amigos, a abertura das escolas, com todos os cuidados, é um imperativo ético: é nossa responsabilidade para com as crianças mais pobres. Não temos o direito de arriscar a vida das crianças – sobretudo daquelas mais carentes – para que nós, os adultos, nos sintamos mais seguros.

Sim, porque o mais grave risco para as crianças não está dentro da escola: está fora dela. E, para muitas, a escola é a sua única salvação.

Ver Todos os artigos de Gustavo Bertoche