s
Iscas Intelectuais
Pelé e os parasitas.
Pelé e os parasitas.
Meu herói está lá, a Copa de 1970 está lá, o futebol ...

Ver mais

Branding a preço de banana.
Branding a preço de banana.
Quanto vale o branding? Pelo que estou vendo acontecer ...

Ver mais

O Tigre Branco. Ou poderia ser Cidade de Budah…
O Tigre Branco. Ou poderia ser Cidade de Budah…
Um grande comentário sócio-político sobre a divisão em ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Café Brasil 759 – Karl Popper e os negacionistas
Café Brasil 759 – Karl Popper e os negacionistas
Não devemos aceitar verdades universais a partir de ...

Ver mais

Café Brasil 758 – LíderCast César Menotti
Café Brasil 758 – LíderCast César Menotti
Há muito tempo tínhamos a ideia de trazer para o ...

Ver mais

Café Brasil 757 – O dono da firma
Café Brasil 757 – O dono da firma
Vamos então a mais um programa que fala do empreendedor ...

Ver mais

Café Brasil 756 – Netiqueta e as mulas digitais
Café Brasil 756 – Netiqueta e as mulas digitais
Usar a internet de forma responsável, é isso que trata ...

Ver mais

LíderCast 217 – Amyr Klink
LíderCast 217 – Amyr Klink
Meu nome é Amyr Klink, tenho 65 anos e eu construo viagens.

Ver mais

LíderCast 216 – Denise Pitta
LíderCast 216 – Denise Pitta
Empreendedora digital, dona do site Fashion Bubbles, ...

Ver mais

LíderCast 215 – Marco Antonio Villa
LíderCast 215 – Marco Antonio Villa
Historiador, professor, comentarista polêmico em rádio ...

Ver mais

LíderCast 214 – Bianca Oliveira
LíderCast 214 – Bianca Oliveira
Jornalista e apresentadora, hoje vivendo na Europa, ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

A guerra dos pelados
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
De 1912 a 1916 o Estado de Santa Catarina sofreu a Guerra do Contestado, conflito armado que opôs, de um lado, posseiros e pequenos produtores rurais, e de outro militares federais e estaduais. ...

Ver mais

A americanização do Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O imperialismo sedutor     “Chegou a hora dessa gente bronzeada mostrar seu valor Eu fui à  Penha, fui pedir à Padroeira para me ajudar Salve o Morro do Vintém, pendura a saia que eu quero ...

Ver mais

Economia da desigualdade
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Economia da desigualdade “Os valores que conferem ao capitalismo sua legitimidade são prosperidade e liberdade para todos. […[ Se você concentra poder e renda em um pequeno grupo, o ...

Ver mais

Autonomia do Banco Central
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Caminhando rumo à autonomia do Banco Central ˜O desejo parece ser o de que a política econômica saia de uma vez por todas da alçada dos presidentes da república. […]. Delega-se para a diretoria ...

Ver mais

Cafezinho 365 – (IN)segurança Nacional
Cafezinho 365 – (IN)segurança Nacional
Nem precisa prender o Danilo Gentili, a simples ameaça ...

Ver mais

Cafezinho 364 – Isolacionismo intelectual
Cafezinho 364 – Isolacionismo intelectual
O viés de confirmação leva ao isolacionismo ...

Ver mais

Cafezinho 363 – Chapeuzinho Vermelho 4.0
Cafezinho 363 – Chapeuzinho Vermelho 4.0
No Chapeuzinho Vermelho 4.0, tá cheio de lobo se ...

Ver mais

Cafezinho 362 – Na bala!
Cafezinho 362 – Na bala!
Se a constituição brasileira não proíbe que o deputado ...

Ver mais

Abrir as escolas?

Abrir as escolas?

Gustavo Bertoche - É preciso lançar pontes. -

Amigos, neste momento os Estados e municípios estão discutindo sobre a abertura das escolas públicas e particulares.

Defensores da permanência do fechamento das escolas argumentam que “mais importante é a vida”.

Eu concordo: mais importante é a vida. Justamente por isso defendo que as escolas – especialmente as públicas – voltem a funcionar.

* * *

O argumento dos defensores da manutenção das escolas é que haverá uma enorme disseminação do vírus entre as crianças, e isso significará uma imensa mortandade infantil. Por isso, eles sustentam que as escolas devam permanecer fechadas.

A premissa de que o vírus se disseminará está correta. Com toda a probabilidade, haverá uma onda de contágio no ambiente escolar.

Mas a premissa de que isso significará a morte das nossas crianças está equivocada. As crianças não são imunes ao Covid, mas têm um baixíssimo risco de morte. Uma pesquisa da American Academy of Pediatrics estima que, nos Estados americanos, as crianças constituam entre 0% e 0,4% do total de mortes – isto é, um risco que está entre 0% e 0,004% entre as crianças testadas positivo, dependendo do Estado. Em outros termos: uma criança que tenha sido testada positivo com o Covid tem entre 99,998% e 99,996% de ficar bem. Sabendo que a imensa maioria das crianças com o vírus nem chega a ser testada, pois não apresenta sintomas, podemos concluir que o risco de morte em caso de contágio infantil é insignificante.

Resumindo: as crianças têm, com o Covid, o mesmo risco de vida que têm com qualquer gripe.

Amigos, a conclusão é óbvia: como não fechamos as escolas por causa da existência das gripes, não devemos fechar por causa do Covid. As crianças com doenças de risco devem permanecer em casa – e as outras devem retornar o mais rápido possível.

* * *

O outro argumento dos defensores do fechamento das escolas é que as crianças contaminarão os adultos. Sim, isso é perfeitamente possível.

Mas, neste caso, devemos ter clareza e honestidade de dizer: não queremos que os nossos filhos voltem à escola não para protegê-los, e sim para nos protegermos. Dado que a ausência das escolas tem feito estragos na vida emocional e intelectual de muitas crianças, a verdade é que estamos colocando o nosso bem-estar à frente do bem estar dos nossos filhos. Estamos sacrificando o bem-estar deles em função do nosso.

* * *

Essa conclusão vale também para os profissionais da escola. Médicos, policiais, bombeiros, motoristas, cozinheiros, garis – todos precisam enfrentar o risco do contágio para que a nossa sociedade continue existindo. Por que com os educadores seria diferente? Naturalmente, os que têm doenças que aumentam o risco de complicações devido ao Covid devem permanecer em casa. Mas todos os outros – entre os quais me incluo, pois sou professor – precisamos retornar às classes. O futuro das nossas crianças depende de nós. Mas estramos trocando o seu futuro pelo nosso bem-estar no presente.

* * *

Todavia, amigos, não é essa a mais séria razão pela qual as escolas devem reabrir. Há outra muito mais grave.

Muitas crianças, especialmente – mas não só – nas regiões mais pobres, correm sério risco de todo tipo de violência: física, psíquica, emocional, sexual.

Muitas crianças estão, neste exato momento em que você lê, passando pela experiência da desnutrição, de agressão física, de abuso emocional, de abuso sexual.

E isso tem acontecido impunemente.

As escolas não existem somente para “passar conteúdo”, amigos. As escolas são, sobretudo, o olhar atento e protetor da sociedade e do Estado para com as crianças.

É na escola que as violências e os abusos são descobertos e denunciados ao Conselho Tutelar. É na escola que muitas, muitíssimas crianças têm o alimento, o carinho e a proteção que, infelizmente, não recebem em casa.

Manter as escolas fechadas significa, para essas crianças, dar carta branca aos seus abusadores. E quanto mais tempo as escolas assim permanecerem, maior será o período de terror para muitas delas.

* * *

Amigos, a abertura das escolas, com todos os cuidados, é um imperativo ético: é nossa responsabilidade para com as crianças mais pobres. Não temos o direito de arriscar a vida das crianças – sobretudo daquelas mais carentes – para que nós, os adultos, nos sintamos mais seguros.

Sim, porque o mais grave risco para as crianças não está dentro da escola: está fora dela. E, para muitas, a escola é a sua única salvação.

Ver Todos os artigos de Gustavo Bertoche