s
Iscas Intelectuais
O Lado Cheio
O Lado Cheio
Aqui é o lugar onde você encontrará análises sobre o ...

Ver mais

Pelé e os parasitas.
Pelé e os parasitas.
Meu herói está lá, a Copa de 1970 está lá, o futebol ...

Ver mais

Branding a preço de banana.
Branding a preço de banana.
Quanto vale o branding? Pelo que estou vendo acontecer ...

Ver mais

O Tigre Branco. Ou poderia ser Cidade de Budah…
O Tigre Branco. Ou poderia ser Cidade de Budah…
Um grande comentário sócio-político sobre a divisão em ...

Ver mais

Café Brasil 764 – LíderCast Live – Gastronomia Viva
Café Brasil 764 – LíderCast Live – Gastronomia Viva
Medidas restritivas desproporcionais impostas pelos ...

Ver mais

Café Brasil 763 – A Agro é pop?
Café Brasil 763 – A Agro é pop?
Você já sabe que a Perfetto patrocina o Café Brasil,  ...

Ver mais

Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Da mesma forma como o Youtube joga no colo da gente um ...

Ver mais

Café Brasil 761 – O viés nosso de cada dia
Café Brasil 761 – O viés nosso de cada dia
Você já ouviu falar em autoilusão? A forma como nós ...

Ver mais

LíderCast 217 – Amyr Klink
LíderCast 217 – Amyr Klink
Meu nome é Amyr Klink, tenho 65 anos e eu construo viagens.

Ver mais

LíderCast 216 – Denise Pitta
LíderCast 216 – Denise Pitta
Empreendedora digital, dona do site Fashion Bubbles, ...

Ver mais

LíderCast 215 – Marco Antonio Villa
LíderCast 215 – Marco Antonio Villa
Historiador, professor, comentarista polêmico em rádio ...

Ver mais

LíderCast 214 – Bianca Oliveira
LíderCast 214 – Bianca Oliveira
Jornalista e apresentadora, hoje vivendo na Europa, ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Três livros sobre corrupção e como combatê-la
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A corrupção e o desafio de combatê-la em três livros “Ao contrário da maioria dos crimes violento ou passionais, a corrupção em larga escala é um crime absolutamente racional, baseado na análise ...

Ver mais

Richard Feynman desancando a universidade brasileira… de 1951
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Como acabar com o mito de que a educação brasileira dos anos 50 tinha boa qualidade…   Em 1951, o físico norte-americano Richard Feynman (que posteriormente ganharia o Nobel de Física) veio ...

Ver mais

Exemplos positivos da sociedade
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Exemplos positivos da sociedade O início do outono foi marcado pela publicação de dois documentos apresentados por diferentes segmentos da sociedade com considerações críticas e sugestões para o ...

Ver mais

Efeito da pandemia na economia mundial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Efeito da pandemia na economia mundial “O PIB brasileiro se apresentou melhor do que o de muitos países da Europa, por exemplo. No início da pandemia, a expectativa era de que o PIB brasileiro ...

Ver mais

Cafezinho 375 – As Mídias E Eu
Cafezinho 375 – As Mídias E Eu
Dias 26, 27 e 28 de abril vai acontecer o DESAFIO AS ...

Ver mais

Cafezinho 374 – Amizades perdidas
Cafezinho 374 – Amizades perdidas
Não brigue com seu amigo por causa da política. Depois ...

Ver mais

Cafezinho 373 – oladocheio.com
Cafezinho 373 – oladocheio.com
Venha para o lado dos que querem construir.

Ver mais

Cafezinho 372 – (des)Equilíbrio
Cafezinho 372 – (des)Equilíbrio
Após anos de condicionamento recebendo más notícias, ...

Ver mais

Aprender a ler

Aprender a ler

Gustavo Bertoche - É preciso lançar pontes. -

Desde 2013 ensino a disciplina “Metodologia da Pesquisa” numa universidade. A primeira lição da minha matéria sempre é: aprender a ler.

Isso pode parecer infantil, mas conheço pessoas com mestrado e doutorado, conheço professores e jornalistas, que lêem muito mal.

Há diferentes técnicas de leitura de um texto dissertativo: a leitura “skimming”, perpendicular, rápida, em que somente se apreende o objeto geral do texto; a leitura tipo “scanning”, também rápida, em que não se entende nada do texto, mas se busca, com atenção, termos ou expressões-chave; a leitura de compreensão, em que se busca efetivamente apreender a tese e os argumentos do texto; a leitura analítica, em que se busca obter as referências do autor e os seus passos lógicos; e a leitura crítica, em que se procura pelas falhas argumentativas, contradições, erros conceituais, equívocos nas referências a outros autores.

* * *

Vamos ficar só na leitura de compreensão, que é a base da leitura analítica e da leitura crítica. Há algumas regras básicas para a compreensão de um texto dissertativo.

Em primeiro lugar, a compreensão de um texto supõe a boa-vontade. É preciso ler um texto com o firme propósito de entendê-lo. Se algo parece fora de lugar, é preciso anotar a dúvida e esperar – pois talvez tudo se esclareça à frente.

Em segundo lugar, é preciso descobrir a tese do texto. Encontramos a tese ao condensarmos ao máximo as idéias defendidas pelo seu autor. A tese de um texto de rede social, por exemplo, é uma frase – explícita ou implícita – que resume toda a postagem. A partir da identificação da tese, é necessário distingui-la dos argumentos. A tese é a idéia que os argumentos sustentam; os argumentos são as justificativas da tese.

Finalmente, é preciso reconhecer que é possível que o autor saiba mais do que nós sobre o assunto a respeito do qual ELE decidiu escrever. Devemos encarar um texto com humildade. Se há algo muito estranho, devemos antes de tudo nos perguntar: será que ele está simplesmente tratando de um assunto que eu não conheço, ou sob uma perspectiva que ignoro?

* * *

Enfim: a cada regra virtuosa acima exposta corresponde um vício intelectual.

O primeiro vício é a má-vontade prévia. Antes mesmo de terminar a leitura, o sujeito já julga que o texto “está errado”. Ele não lê para compreender, não lê para absorver novas perspectivas: ele lê para discordar. É um leitor infantil, que ainda não percebeu que a má-vontade intelectual é marca inequívoca do intelecto obtuso.

O segundo vício é o da confusão entre a tese e os argumentos, o que ocorre quando o leitor não consegue identificar a tese central do texto. O sujeito critica um dos argumentos e julga ter refutado o texto inteiro. Na verdade, esse leitor ainda não entendeu a lógica que rege a argumentação. Ele lê mal porque pensa mal.

E o terceiro vício é o da ignorância orgulhosa: “se eu nunca ouvi falar disso, evidentemente isso não existe”. Esse tipo de leitor ilustra perfeitamente a síndrome de Dunning-Kruger: a sua soberba é diretamente proporcional à sua ignorância – e quanto mais ignorante, mais cheio de opiniões ele é.

* * *

Esses três vícios intelectuais, infelizmente, são lugar-comum nas redes sociais. Eu suspeito que o maior culpado por isso seja o nosso currículo escolar – um currículo que, além de estupidamente extenso, é também isolado das necessidades da vida social e espiritual. Isto é: as crianças e os adolescentes passam ao menos cinco horas diárias na escola por quinze anos, mas não existe tempo, na carga horária repleta de atividades, para o aprendizado suave e o treino permanente dos métodos de leitura.

Em suma: saímos da escola devidamente alfabetizados, mas imperfeitamente letrados. Lemos um texto, mas temos muita dificuldade em interpretá-lo.

E estejam certos, amigos, de que a pessoa que não sabe interpretar um texto não sabe interpretar o mundo.

Ver Todos os artigos de Gustavo Bertoche