s
Iscas Intelectuais
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 726 – Gently Weeps
Café Brasil 726 – Gently Weeps
Olha, algumas canções são tão sagradas que eu me sinto ...

Ver mais

Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Estamos protagonizando uma revolução nas mídias, com ...

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

Isolamento social, ideologia e privilégio de classe
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
A linguagem é dialética. Para apreender toda a extensão do que é dito, é preciso captar não só o seu significado explícito, mas também o que se oculta. Todos sabemos: em período de pandemia, é ...

Ver mais

Polêmica indesejável
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Polêmica indesejável “Eu sou o que me cerca. Se eu não preservar o que me cerca, eu não me preservo.” José Ortega y Gasset A aprovação do marco regulatório do saneamento pelo Senado, no dia 24 de ...

Ver mais

O fenômeno da fraude acadêmica no Brasil
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Existe um fenômeno curioso na cultura brasileira: a falsificação de credenciais acadêmicas. A mentira do novo ex-ministro da Educação, Carlos Decotelli, que afirma ter concluído um doutorado que ...

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Os dias de incertezas que hoje vivemos, estão repletos ...

Ver mais

Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Empatia positiva. Saborear a sensação boa do outro não ...

Ver mais

Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Se você tem acesso a informações que outras pessoas não ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

As 50 empresas mais inovadoras do mundo

As 50 empresas mais inovadoras do mundo

Mauro Segura - Transformação -

Saiu a edição 2018 do estudo “As 50 empresas mais inovadoras do mundo” do Boston Consulting Group (BCG). Gosto muito dessa pesquisa porque ele apresenta os principais movimentos que grandes organizações estão fazendo para inovar e impactar a sociedade. A gente aprende muito com esse documento. O atual relatório afirma que as empresas líderes do ranking transformaram as atividades de pesquisa e desenvolvimento de novos produtos em verdadeiros empreendimentos digitais. O fato é que a maioria, se não todas, incorporaram tecnologias digitais em seus programas de inovação, inclusive as empresas cujos negócios são considerados mais sólidos e conservadores. “Ser digital” é uma tendência generalizada em todas as indústrias.

Das 50 organizações existentes no ranking, 11 são nativas digitais… portanto, por definição, são inovadoras digitais. Cabe destacar que duas nativas digitais entraram no TOP 10 na atual lista: o Alibaba Group, que entrou no TOP 50 pela primeira vez (e logo no grupo de elite!!!), e o Uber, que ingressou pela primeira vez no ranking ano passado

Apesar da recorrente conversa de que a turma da Ásia está roubando espaço dos Estados Unidos na liderança global, o documento aponta que os Estados Unidos continuam sendo o berço da inovação no mundo. Das 50 empresas listadas no documento, 27 são norte-americanas. Nas quatro primeiras posições só há empresas dos Estados Unidos: Apple, Google, Microsoft e Amazon. Aí na 5ª posição surge a Samsung, sul-coreana. Depois vêm Tesla, Facebook, IBM, Uber e Alibaba, nesta ordem.

Ao compararmos os resultados dessa edição com os dos anos anteriores, constata-se que, desde 2014, apenas quatro linhas de inovação cresceram em importância e se tornaram obsessão das empresas: big data (análise de dados), novas tecnologias (adoção massiva e rápida), mobilidade (desenvolvimento de produtos e capacidade) e design digital. Não por acaso, todas as quatro linhas estão relacionadas a digital.

Big data passou do 8º lugar em importância para o 3º, que, agora, junto com o “desenvolvimento de novos produtos”, passou a ser a linha de inovação mais perseguida. Mais da metade dos entrevistados disseram que suas empresas usam a análise de dados para diversos fins relacionados à inovação, incluindo a identificação de novas áreas para exploração, fornecendo insumos para a geração de ideias, revelando as tendências de mercado, direcionando decisões de investimento em inovação e estabelecendo prioridades de portfólio em produtos e serviços.

O relatório é excepcional. É um documento que merece ser impresso e digerido com calma. Além versão em PDF, ele também está em formato digital, que permite algumas interações lúdicas, como o interessante quadro apresentando a evolução do ranking desde 2005 até hoje, mostrando quem está lá e também a evolução ano a ano das empresas. Aí descobrimos coisas curiosas, como o fato de a Apple e o Google ocuparem os 1º e 2º lugares do ranking, respectivamente, desde 2006 (com exceção de 2013). Microsoft e IBM estão no ranking desde o início, orbitando num eixo mais ou menos constante dentro do TOP 10. A GE caiu ao longo do tempo, bem como a 3M, que às vezes nem aparece no ranking completo. Daí verifica-se que a Amazon só sobe no ranking, ano a ano, consistentemente. A Tesla surge como um foguete nos últimos anos. E a Samsung desponta no ranking com mais protagonismo e consistência a partir de 2010, e não mais saiu.

Mais do que o ranking e as curiosidades de quem está lá, de onde veio e para onde vai, o documento apresenta de forma estruturada o que as empresas mais inovadoras estão fazendo, onde estão investindo e as estratégias planejadas e implementadas. Ler o estudo nos ensina coisas e dá insights de possíveis caminhos a serem perseguidos pelas organizações nos tempos atuais. As várias páginas dedicadas a estudar a transformação digital das empresas são riquíssimas, repletas de conteúdo de valor, que mostram que tais empresas não são líderes por acaso.

Acho muito divertido tentar encontrar semelhanças desse estudo do BCG com um outro reconhecido no mercado, chamado “50 Smartest Companies“, publicado anualmente pelo MIT Technology Review. Anualmente, eles publicam a lista das 50 empresas que melhor combinam inovação tecnológica com um efetivo modelo de negócios, ou seja, aquelas que conseguem transformar a sua capacidade de inovação em negócio real e sustentável (não do ponto de vista de meio-ambiente, mas do ponto de vista financeiro). As duas listas são muito diferentes em sua composição. Obviamente que as metodologias são distintas, mas a divergência é extrema. A lista do MIT é repleta de empresas que não conhecemos, potenciais estrelas ascendentes que, em breve, poderão ocupar maior protagonismo na economia mundial. Para ter ideia da divergência entre as listas, o único nome comum no TOP 10 das duas é a Amazon.

Voltando ao excelente documento do BCG, a seguir apresento três links muito legais para você aproveitá-lo:

  • Apresentação no formato digital e interativo do estudo “The Most Innovative Companies 2018” (vá no mapa interativo para descobrir a evolução e outras curiosidades a respeito do ranking).
  • Estudo completo (PDF) “The Most Innovative Companies 2018” (com 28 páginas, recomendo que seja impresso para facilitar a leitura. Documento excelente!)
  • Artigo sumarizando o documento (para quem não tempo ou tem preguiça).

Ver Todos os artigos de Mauro Segura