s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 788 – Love, Janis
Café Brasil 788 – Love, Janis
Janis Joplin era uma garota incompreendida, saiu da ...

Ver mais

Café Brasil 787 – Reações ao Cuzão
Café Brasil 787 – Reações ao Cuzão
O Café Brasil anterior, o 786 – O Cuzão, rendeu, viu? ...

Ver mais

Café Brasil 786 – O cuzão.
Café Brasil 786 – O cuzão.
Cara, como é complicada a vida de podcaster, bicho! A ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
E a educação brasileira, como é que vai, hein? Mal, não ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Menos Marx, mais Mises
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Menos Marx, mais Mises  “Apesar de ainda ser muito pouco conhecido entre os jovens brasileiros em comparação com Karl Marx, o nome do economista austríaco Ludwig von Mises se tornou um dos ...

Ver mais

Você ‘tem fé’ no Estado democrático de direito?
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Hoje, num grupo de professores, um velho colega me escreveu que “tem fé” no “Estado democrático de direito” e na “separação dos poderes”. Mas com uma ressalva: ...

Ver mais

Percepções diferentes na macro e na microeconomia
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Percepções diferentes na macro e na microeconomia “Na economia, esperança e fé coexistem com grande pretensão científica e também um desejo profundo de respeitabilidade.” John Kenneth Galbraith ...

Ver mais

Cafezinho 423 – Capital social? Só se der lucro.
Cafezinho 423 – Capital social? Só se der lucro.
Estamos perdendo aquilo que o cientista político e ...

Ver mais

Cafezinho 422 – A política do ódio
Cafezinho 422 – A política do ódio
Não siga a maioria só porque é maioria. Não siga a moda ...

Ver mais

Cafezinho 421 – A normose
Cafezinho 421 – A normose
É confortante saber que somos normais, não é? Pois é. ...

Ver mais

Cafezinho 420 – A regra dos 30
Cafezinho 420 – A regra dos 30
Pé quente, cabeça fria, numa boa. Mas cuidado porque ...

Ver mais

Assuma o Brasil de vez

Assuma o Brasil de vez

Adalberto Piotto - Olhar Brasileiro -

No Brasil, tem coisas que só acontecem no Brasil. Mesmo que a concentração de empresas de um mesmo ramo seja natural no capitalismo, os brasileiros, capitalistas que são, tendem a rejeitar tal modelo porque, historicamente, querem e admiram mais a concorrência, diversidade de marcas e a divisão do capital, do que a média mundial. Por obra da imigração, temos consciência mais europeia que americana.

O que é bom e ruim.

Ruim porque temos dificuldade em estabelecer uma identidade nacional, um orgulho de nós mesmos. Nossa crise existencial brasileira é imensa.

Bom porque, no fundo, embora nos deixemos embriagar pelos americanismos, do irmão do Norte mais rico e bem resolvido, não nos contentamos de verdade.

Queremos, no fundo, uma lógica mais classe média espraiada, menos dos muitos ricos e dos muitos pobres. Um americano do Norte não sente culpa quando outros dão errado, embora ele tenha dado muito certo, mesmo que honestamente.

Nesta Terra de Santa Cruz é diferente. Óbvio que há insensíveis, mas a maioria deles e dos outros se incomoda pelo lado paupérrimo da reta, talvez longe dos seus, mas se envergonha. De uma forma ou outra, se vê obrigado a, no mínimo, explicar a desigualdade.

Somos diferentes do restante do mundo. É melhor aceitarmos isso logo e termos coragem de fazer o que precisamos do nosso modo, porque os modelos estrangeiros têm vida curta aqui.

A alta concentração de mercado de alguns grupos incomoda os brasileiros, apesar de consumirmos seus produtos e programas, novelas, e até os admirarmos.

Mas não gostamos, pra falar as verdade, de grupos quase hegemônicos no setor de carne, construção ou de comunicação, etc, que não raro se aliam em torno de uma causa que lhes interessa e convém, mesmo que contra o bem-estar da maioria de nós.

Diante de um poder econômico massacrante, tem faltado à maioria dos brasileiros coragem pra fazer diferente e defender seus pontos de vista reais.

As sucessivas crises econômicas, reais ou fabricadas por escândalos, tiram dos filhos desta terra, temerosos em perder seu sustento, a personalidade e a determinação de serem como gostariam de ser.

Cabral e os portugueses já descobriram o Brasil e fizeram dele o que quiseram.

Falta-nos descobrir-nos e assumirmos quem somos e a nosso país.

E fazer à maneira real que realmente desejamos.

 

* Adalberto Piotto é jornalista e documentarista, autor, diretor e produtor do filme “Orgulho de Ser Brasileiro”, filme independente que, ao rejeitar e romper com a hegemonia do favela-movie e do coitadismo que tomam conta dos roteiros do cinema nacional, fez um filme de discussão brasileira honestamente intelectual, olhando pra frente, sem ficar no lengalenga do sentir pena de si mesmos. O filme viajou o Brasil e o mundo em exibições em várias escolas brasileiras de muitos estados e em algumas das mais importantes universidades do mundo.

Ver Todos os artigos de Adalberto Piotto