s
Iscas Intelectuais
Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
MUDANÇAS IMPORTANTES NO CAFÉ BRASIL PREMIUM A você que ...

Ver mais

Café Brasil 735 – Morrer de quê?
Café Brasil 735 – Morrer de quê?
Fala a verdade, quem é que não se pegou pensando sobre ...

Ver mais

Café Brasil 734 – Globalização e Globalismo
Café Brasil 734 – Globalização e Globalismo
Olha, vira e mexe a gente ouve falar em globalização e ...

Ver mais

Café Brasil 733 – Agro Resenha
Café Brasil 733 – Agro Resenha
O agronegócio, que talvez seja o mais espetacular caso ...

Ver mais

Café Brasil 732 – Os quatro Princípios da Objetividade
Café Brasil 732 – Os quatro Princípios da Objetividade
Que tempo de medos, não? Mas será um medo ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

O boom no turismo regional no mundo pós-pandemia do coronavírus
Michel Torres
Estratégias para diferenciação e melhor aproveitamento da imensa demanda por hotéis e pousadas Um detalhe sobre a pandemia do coronavírus em curso é que as áreas com focos concentrados são ...

Ver mais

Boicote, Coelhinho?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O britânico Charles Cunningham entrou pra História de um jeito muito diferente. Em 1880, foi à Irlanda dirigir os negócios de um grande proprietário de terras local. Acabou entrando em desavenças ...

Ver mais

Aquém do potencial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Aquém do potencial  “A economia está sujeita a conveniências políticas que a levaram por maus caminhos. Por isso enfatizo tanto a gravidade da situação, na esperança de levar seus responsáveis ao ...

Ver mais

Forjado na derrota
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Forjado na derrota “A um escritor, assim como a um armador, não era permitido sentir medo.” Pat Conroy Conversando por telefone com minha irmã, depois de meses sem nos vermos por ...

Ver mais

Cafezinho 317 – Declaração de Princípios
Cafezinho 317 – Declaração de Princípios
Quando decidi que lançaria meu primeiro curso on-line, ...

Ver mais

Cafezinho 316 – Não somos estúpidos
Cafezinho 316 – Não somos estúpidos
Não, não é para mergulhar no otimismo cego, que é tão ...

Ver mais

Cafezinho 315 – Como nasce uma palestra
Cafezinho 315 – Como nasce uma palestra
É exatamente como um pintor, um escultor, um músico ...

Ver mais

Cafezinho 314 – Punguistas intelectuais
Cafezinho 314 – Punguistas intelectuais
Ser capaz de detectar as merdades deveria ser a ...

Ver mais

Assuma o Brasil de vez

Assuma o Brasil de vez

Adalberto Piotto - Olhar Brasileiro -

No Brasil, tem coisas que só acontecem no Brasil. Mesmo que a concentração de empresas de um mesmo ramo seja natural no capitalismo, os brasileiros, capitalistas que são, tendem a rejeitar tal modelo porque, historicamente, querem e admiram mais a concorrência, diversidade de marcas e a divisão do capital, do que a média mundial. Por obra da imigração, temos consciência mais europeia que americana.

O que é bom e ruim.

Ruim porque temos dificuldade em estabelecer uma identidade nacional, um orgulho de nós mesmos. Nossa crise existencial brasileira é imensa.

Bom porque, no fundo, embora nos deixemos embriagar pelos americanismos, do irmão do Norte mais rico e bem resolvido, não nos contentamos de verdade.

Queremos, no fundo, uma lógica mais classe média espraiada, menos dos muitos ricos e dos muitos pobres. Um americano do Norte não sente culpa quando outros dão errado, embora ele tenha dado muito certo, mesmo que honestamente.

Nesta Terra de Santa Cruz é diferente. Óbvio que há insensíveis, mas a maioria deles e dos outros se incomoda pelo lado paupérrimo da reta, talvez longe dos seus, mas se envergonha. De uma forma ou outra, se vê obrigado a, no mínimo, explicar a desigualdade.

Somos diferentes do restante do mundo. É melhor aceitarmos isso logo e termos coragem de fazer o que precisamos do nosso modo, porque os modelos estrangeiros têm vida curta aqui.

A alta concentração de mercado de alguns grupos incomoda os brasileiros, apesar de consumirmos seus produtos e programas, novelas, e até os admirarmos.

Mas não gostamos, pra falar as verdade, de grupos quase hegemônicos no setor de carne, construção ou de comunicação, etc, que não raro se aliam em torno de uma causa que lhes interessa e convém, mesmo que contra o bem-estar da maioria de nós.

Diante de um poder econômico massacrante, tem faltado à maioria dos brasileiros coragem pra fazer diferente e defender seus pontos de vista reais.

As sucessivas crises econômicas, reais ou fabricadas por escândalos, tiram dos filhos desta terra, temerosos em perder seu sustento, a personalidade e a determinação de serem como gostariam de ser.

Cabral e os portugueses já descobriram o Brasil e fizeram dele o que quiseram.

Falta-nos descobrir-nos e assumirmos quem somos e a nosso país.

E fazer à maneira real que realmente desejamos.

 

* Adalberto Piotto é jornalista e documentarista, autor, diretor e produtor do filme “Orgulho de Ser Brasileiro”, filme independente que, ao rejeitar e romper com a hegemonia do favela-movie e do coitadismo que tomam conta dos roteiros do cinema nacional, fez um filme de discussão brasileira honestamente intelectual, olhando pra frente, sem ficar no lengalenga do sentir pena de si mesmos. O filme viajou o Brasil e o mundo em exibições em várias escolas brasileiras de muitos estados e em algumas das mais importantes universidades do mundo.

Ver Todos os artigos de Adalberto Piotto