s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Bate o pé, arrebita, arrebita

Bate o pé, arrebita, arrebita

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Já pregava o filósofo do cotidiano, Homer Simpson: “A culpa é minha e ponho ela em quem eu quiser!” Sábias, tais palavras realmente não são… Mas, extremamente reveladoras do pensamento inerente ao safado que foge às responsabilidades culpando o incauto mais à mão.

Dessa prática, Lula é recorrente. Nunca um sujeito lançou tanto esse argumento podre, pós-doutorado em tirar o corpo fora. Lula não se corrige; motivo de riso (antigamente) e de desprezo (atualmente) em todo o mundo evoluído, parece não se dar conta da plena estupidez exibida em seus surtos de demência – ou embriaguez total, sabe-se lá. A gama é variada; da ocasião na qual disse que Napoleão esteve na China várias vezes, passando pela explicação de que a poluição não seria problema se a Terra fosse quadrada, ou afirmando que a Bolívia não faz fronteira com o Brasil, até a novidade de que o Atlântico separa EUA e nosso País. Melhor nem comentar sua imbecilidade no plano econômico.

Mas o duende inova, e junta sua ignorância à mania de culpar os outros pela própria desídia: Noutro arroubo dialético, zurrado em Madri na última sexta (dia 11), debitou aos portugueses a desgraça da Educação brazuca. Para o sujeitinho, nosso ensino sofrível é culpa dos portugas, que teriam demorado a instalar aqui a 1ª universidade; de acordo com as informações fornecidas por seu cérebro baleado pelo álcool e pelo esquerdismo caviar, só em 1922 teríamos inaugurado a primeira. Pelas barbas de Heródoto, quanta asneira!

O governo luso ainda não se pronunciou, mas a imprensa e a mídia de lá caíram de pau, sem dó; dançaram um fado na cabeça do ignorante. Informativos como Observador e Diário de Notícias, entre outros, tanto quanto jornais e redes sociais, brincaram de Roberto Leal na apodrecida moral desse morto vivo político, que só espera a visita do japonês da Polícia Federal pra deitar pra sempre.

A ironia (sempre há uma!) é que foram justamente os portugas que ofertaram ao apedeuta seu primeiro título honoris causa, mesmo sem haver causa – muito menos honra. Castigo? Talvez. É o preço que se paga por afagar o ego monstruoso de quem deveria discursar apenas em reunião no pátio da cadeia durante o banho de sol.

E pior: Tudo isso saindo da boca de esgoto de um sujeitinho que não apenas se julgava merecedor, mas alardeava que seria eleito secretário geral da ONU e merecia o Nobel da Paz; chegou a prometer a solução para o conflito no Oriente Médio apenas com suas arengas de estupidez abissal. Delírios de egolatria espantosa até mesmo para ele.

Três dias depois do escândalo e de muita indignação pelo mundo, Lula se acadelou: “Fui mal interpretado.” É tão ignorante quanto covarde. Não entra em bola dividida e tem um discurso pra cada plateia… Embora às vezes erre o discurso da plateia. Deve ser a marvada.

Resumindo: Nossos primos portugas não têm culpa da falência de nossa educação; têm, e muita, em dar ouvidos a esse sujeitinho, adulando-o no passado. Porém, considerando as atuais investigações da polícia portuguesa, a redenção desse pecadilho está tão próxima quanto a publicidade das ligações espúrias entre Lula e seu amigo e comparsa (hoje presidiário) lisboeta, o ex-premiê português José Sócrates. Em lugar de cátedras, podem oferecer a ambos uma cela contígua, a embalar suas tertúlias penitenciárias; vão concluir que a culpa de nosso naufrágio econômico é dos fenícios, vikings ou dos hititas. A mamulenga concorda, “diuturna e noturnamente”. Bate o pé, arrebita.

***

Falando na mamulenga Dilma e sua “nova matriz econômica”, espelhada na nossa desgraça econômica e na falência venezuelana, basta esse trecho de Roberto Campos:

No meu dicionário, ‘socialista’ é o cara que alardeia intenções e dispensa resultados, adora ser generoso com o dinheiro alheio, e prega igualdade social, mas se considera mais igual que os outros… – Segundo Marx, para acabar com os males do mundo, bastava distribuir. Foi fatal. Os socialistas nunca mais entenderam a escassez. – Os socialistas, e em especial os marxistas, sempre pensaram que existia um estado natural de abundância. Nada mais simples, portanto, que a economia de Robin Hood: tirar dos ricos para dar aos pobres. – Os esquerdistas, contumazes idólatras do fracasso, recusam-se a admitir que as riquezas são criadas pela diligência dos indivíduos, e não pela clarividência do Estado.”

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes