s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

Birra cara

Birra cara

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

                Saudades de JK, que era fissurado apenas em rabo-de-saia. A presidonta Dilma é internacionalmente conhecida pela birra. A sujeita não pode ser contrariada que já toma isso por ofensa pessoal, reduzindo o interlocutor a cocô do cavalo do bandido diante da fúria da gerentona. Os casos somam-se às dezenas, dos ideológicos aos puramente psiquiátricos, mas o caso da Indonésia passou de qualquer limite aceitável.

                A história todo mundo conhece; aquele país tem leis duríssimas contra tráfico de drogas e condenou dois traficantes brasileiros à morte. Um foi executado, o outro aguarda a decisão final. Dilma ficou irritadíssima, defendendo os traficantes nacionais como se fossem dois São Francisco; só falta declarar guerra ao governo indonésio. Pouco importa se são criminosos incorrigíveis, e a severa lei antidrogas era de pleno conhecimento de ambos. Traficaram sabendo do risco, e levando a morte, doença e miséria a centenas de jovens de lá. Ponto final. Mas Dilminha não concorda. Ela exige que sua vontadezinha jeca seja acatada. Pura birrinha de madame contrariada.

                Dilma se acha muito poderosa e importante, ilusão que seu antecessor, mentor e criador também alimentava, embora ambos sejam motivo de piada ou desprezo (às vezes os dois) em qualquer país minimamente decente. Até seus aliados internacionais os desprezam, mal disfarçando, como os sul-americanos Mujica, Maduro e Cristina Kirchner, a doida de chupar meia. Apesar disso, não descem do mísero degrau que galgaram, crendo ser uma montanha. Lula, ao menos, tenta fingir que é simpático. Dilma só falta pedir que os mortais ajoelhem ante sua divina figura. É a arrogância personificada. Falta-lhe um Coliseu pra chamar de seu, decidindo com o polegar quem vive ou morre.

                Pra mostrar ao governo “inimigo” que está muito bravinha, atropelou a diplomacia, desprezou o Itamaraty e expôs o embaixador de lá ao ridículo, recusando suas credenciais em cerimônia pública; coisa de adolescenta revoltadinha. Showzinho desnecessário… e caro.

                A Indonésia não quer levar (outro) desaforo pra casa; chamou de volta o embaixador defenestrado publicamente e anunciou que pensa recusar nossas exportações, que somaram US$ 2,2 bilhões só em 2014, ano em que esses dois países alcançaram um total de US$ 4 bilhões em comércio bilateral. Nada desprezível para o Brasil, que rola ladeira abaixo sem nenhum arbusto pra agarrar. Pior: nossos desafetos por ordem dilmística podem desistir dos 16 aviões de combate EMB-314 Super Tucano que iam comprar da Embraer. Iam. E Dilma? Só falta cuspir na sopa deles. Ela se lixa para o País; o que importa mesmo é sua birrinha. Quer impor sua vontade a um país de leis próprias e cultura diferente, mas aceita que a Bolívia nos roube duas refinarias da Petrobrás e ainda dá beijinhos no ladrão Evo Morales. Se isso não é a maior demonstração de birrinha internacional da História da Diplomacia, que apontem alguma outra pro páreo.

                Dilma tá se lixando para os traficantes brasileiros, assim como se lixa para os 60 mil assassinatos ocorridos todos anos aqui na Banânia. Ou com os assassinatos promovidos pelos “governos” de Venezuela e Cuba. Esses têm, segundo ela, permissão para matar, como um 007 bolivariano. Essa gente tem uma arrogância patológica, típica de quem precisa esconder sua incapacidade, achando que a disfarça sob uma face artificialmente severa. Que coisa ridícula, infantil.

                Pela estranha régua birrenta do lulismo, um traficante vale muito mais que um cidadão honesto. E nós pagamos a conta, como sempre. Cara, cara, cara.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes