s
Iscas Intelectuais
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Estamos protagonizando uma revolução nas mídias, com ...

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Um Podcast Café Brasil com quase três horas de duração ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

Isolamento social, ideologia e privilégio de classe
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
A linguagem é dialética. Para apreender toda a extensão do que é dito, é preciso captar não só o seu significado explícito, mas também o que se oculta. Todos sabemos: em período de pandemia, é ...

Ver mais

Polêmica indesejável
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Polêmica indesejável “Eu sou o que me cerca. Se eu não preservar o que me cerca, eu não me preservo.” José Ortega y Gasset A aprovação do marco regulatório do saneamento pelo Senado, no dia 24 de ...

Ver mais

O fenômeno da fraude acadêmica no Brasil
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Existe um fenômeno curioso na cultura brasileira: a falsificação de credenciais acadêmicas. A mentira do novo ex-ministro da Educação, Carlos Decotelli, que afirma ter concluído um doutorado que ...

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Os dias de incertezas que hoje vivemos, estão repletos ...

Ver mais

Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Empatia positiva. Saborear a sensação boa do outro não ...

Ver mais

Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Se você tem acesso a informações que outras pessoas não ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

Boycott

Boycott

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Tudo começou com Charles Cunningham Boycott, militar inglês que, aposentado, foi tentar a vida como representante de um rico proprietário de terras na Irlanda, em 1872. As coisas iam bem, até que um dia os camponeses locais foram até ele reclamar do alto valor cobrado pelo arrendamento das terras; eram tempos difíceis, e os agricultores não estavam conseguindo pagar o preço combinado.

Charles, exatamente como um certo juiz federal há uns dias, disse aos camponeses que “não estava nem aí” e manteria os valores inalterados. Pior: quem não pagasse perderia o arrendamento e devolveria as terras ao proprietário que ele representava, Lorde Erne. Em resposta, os agricultores, revoltados com a insensibilidade de Charles, uniram-se contra ele em 1880, liderando uma retirada em massa dos trabalhadores que garantiam a colheita e demais cuidados na conservação dos bens de Erne. A intenção era proteger os pobres irlandeses da exploração, assegurando um aluguel justo sobre as terras, bem como o direito à venda livre – Charles e seu patrão impediam a prática do livre mercado, obrigando os camponeses a vender seus produtos a eles, e somente eles.

Furioso, Charles Boycott tentou impedir a campanha, e os camponeses, em resposta, passaram a isolá-lo na comunidade local; ninguém falava com ele nas ruas ou na igreja, ninguém o servia no comércio. Todos os ignoravam. O caso ficou famoso e os jornais da Europa passaram a acompanhar o caso. Acuado, Charles deixou a Irlanda em no final do mesmo ano. Seu sobrenome legou à língua inglesa o verbo to boycott, que significa “colocar em esquecimento, ou em ostracismo”, sem violência. Daí veio o nosso “boicote” e seu verbo correspondente.

Só que aqui andam exagerando na conjugação. O boicote, ou mesmo agressão a artistas em geral, em razão de suas atitudes político-partidárias, virou bagunça. Tanto por parte dos “boicotantes” quanto dos “boicotados”.

Em 2002, a atriz Regina Duarte declarou em alto e bom som seu medo de Lula, como cidadã. Não obstante estar certa, agindo e falando como eleitora, foi não apenas boicotada como agredida, xingada, ameaçada e enxovalhada pelos lulistas e seus fanáticos seguidores. Nunca pediram desculpas a ela, e justificaram as agressões com os clichês de sempre. Pois é.

Lobão, cantor/compositor/escritor, é sui generis, pois sofreu boicote (e coisas piores) dos lados: Em 1989 foi boicotado até pela Rede Globo por apoiar Lula entusiasticamente no Domingão do Faustão, ao vivo; Roberto Marinho ficou furioso. Depois, Lobão mudou de lado e passou a demonstrar, com argumentos imbatíveis, como ele e tantos outros milhões haviam sido iludidos pela lavagem cerebral lulista. Mais lavagem que cerebral. Aí ficou feio; lulista acha que “boicote” é jogar ovos, agredir, xingar, ameaçar, esquartejar, matar a família do inimigo. São as Suzane Richtofen da pseudopolítica fanático-messiânica, mas adoram pregar discursinho de tolerância. Aham. Sei. Resultado: Ameaçam e pregam a morte de Lobão diariamente.

Mas o boicote, como pensado no nascedouro, sem violência, é válido sim para qualquer político, empresa ou artista, embora esta última classe se ache acima do bem e do mal (exatamente como os lulistas e seu demiurgo), principalmente se for de esquerda – algo que abrange uns 70% deles. O problema é que muitos cantores, compositores, atores, cineastas e demais lulistas do ramo se acham injustiçadíssimos por serem boicotados pelo público em geral. Errado, senhores. Quando usaram não só a cidadania e a liberdade, mas também sua fama e dinheiro (muitas vezes público) para alçar seu candidato analfabeto e a “presidenta” ensacadora de vento à condição de super heróis divinos, convencendo incautos a votar nessa gente, a terceira lei de Newton garantiu a vocês o retorno não só imaginado, mas também esperado. Não adianta chiar.

Os muitos que, em shows lotados, pediram votos ao lulismo, vendendo a seita como o paraíso, deram a cara pra bater. Agora aguentem. Não fizeram isso como eleitores, mas como figuras públicas. Alguns já perceberam o quanto isso é errado – ou desonesto, para dizer o mínimo, e se fingem de desentendidos, saindo de fininho. Menos mal.

Defender este ou aquele candidato é normal. Mas louvá-los como semideuses não dá. Pior ainda é insistir, mesmo provadas e comprovadas todas as falcatruas do ídolo de pés de barro e boca de cachaça. Aí não é escolha, é fanatismo mesmo. Portanto, não reclamem da inevitável reação popular e do boicote. Mesmo no tapete vermelho da chiquérrima Cannes, Soninha querida.

Aos mais chorosos cabe fugir do país, como fez Boycott. Cuba, Venezuela e Coreia do Norte não deixam de ser opções. Afinal, sejam coerentes com seus conselhos e esqueçam o dinheiro e o fugidio sucesso. Vivam de ideologia, camaradas, e peçam demissão da Rede Globo e demais empresas imperialistas que afligem o pobre povo por pura maldade. Boicote na Irlanda dos outros é refresco, camaradas.

Vamos ver se têm a mesma coragem dos irlandeses em 1880. Truco, vagabundo.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes