s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 799 – Essa tal meritocracia
Café Brasil 799 – Essa tal meritocracia
Meritocracia, meritocracia... meritocracia... como tem ...

Ver mais

Café Brasil 798 – Raciocínios Perigosos – Revisitado
Café Brasil 798 – Raciocínios Perigosos – Revisitado
O Café Brasil de hoje é a releitura de um programa de ...

Ver mais

Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Tenho feito uma série de lives que chamei de ‘Bora pra ...

Ver mais

Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Outro daqueles acidentes estúpidos vitimou mais uma ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 5 – Proposições e sua Expressão Gramatical (parte 1)
Alexandre Gomes
DEFINIÇÕES E DISTINÇÕES Proposição e relação de termos. A proposição AFIRMA uma relação de termos. Em uma estrutura de palavras compostas de: um sujeito, uma cópula e um predicado. Os termos ...

Ver mais

A catástrofe circular da escola brasileira
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
A catástrofe circular da nossa escola: temos professores de fraca formação acadêmica, com salários miseráveis. Eles oferecem aos seus alunos pouca cultura e, por isso, não os elevam acima da ...

Ver mais

Quadrinhos em alta
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Quadrinhos em alta Apesar do início com publicações periódicas impressas para públicos específicos, as HQs não se limitam a atender às crianças. Há quadrinhos para adultos, de muita qualidade, em ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Tipos e Regras de Divisão Lógica (parte 7)
Alexandre Gomes
Antes de tratar das regras da divisão lógica – pois pode parecer mais importante saber as regras de divisão que os tipos de divisão – será útil revisar alguns tópicos já tratados para ...

Ver mais

Cafezinho 444 – Congestão mental
Cafezinho 444 – Congestão mental
Quanto de alimento intelectual você consegue entuchar ...

Ver mais

Cafezinho 443 –  O crime nosso de cada dia
Cafezinho 443 –  O crime nosso de cada dia
A sociedade norte americana está doente. E eles somos ...

Ver mais

Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
A cultura é boa porque influencia diretamente a forma ...

Ver mais

Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
A baixa cultura faz crescer a bunda, melhorar o ...

Ver mais

Brasis

Brasis

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Brasis

 “Quanto tempo um homem deve virar a cabeça,

fingindo não ver o que está vendo?”

Bob Dylan

Minha primeira lembrança pra valer do que vou focalizar neste artigo é de quando li Os dos Brasis, de Jacques Lambert. Escrevendo em 1957, o jurista, sociólogo e demógrafo francês descrevia as particularidades e as diversas formas de disparidades e contrastes de um país de dimensões continentais e repleto de diversidade como o Brasil, começando pelo isolamento do país em relação aos países que foram colonizados pela Espanha, a maior parte dos quais voltada para o Oceano Pacífico:

As dificuldades de transportes e comunicações dividiram a América do Sul em duas metades que se voltaram uma para o Oceano Atlântico e a outra para o Pacífico; são dois mundos de costas um para o outro e entre os quais o intercâmbio de pessoas e, sobretudo, de mercadorias, depois de ter sido impossível durante longo tempo, é ainda hoje em dia muito difícil.

Mais tarde, constatei que muito tempo antes, Machado de Assis chamara a atenção para o Brasil real e o Brasil oficial. “O país real, esse é bom, revela os melhores instintos; mas o país oficial, esse é caricato e burlesco”, dizia ele.

Quem se referiu muitas vezes a essa diferença registrada por Machado de Assis foi Ariano Suassuna, para quem “o país oficial é o nosso, dos privilegiados, da elite; o país real é o do povo”.

Gilberto Freyre também abordou magistralmente o tema em Casa grande & senzala, um dos clássicos da historiografia brasileira.

Em 1974, o economista Edmar Bacha cunhou a expressão Belíndia, para se referir aos contrastes existentes no Brasil, onde coexistia uma parcela que possuía padrões de vida comparáveis aos da Bélgica com outra parcela, mais numerosa, que possuía padrões de pobreza e miséria comparáveis aos da Índia.

Deparei-me também com manifestações geniais como as de Ary Barroso exaltando em 1939 as qualidades e a grandiosidade do país em Aquarela do Brasil[1], e a de Aldir Blanc e Mauricio Tapajós, que, na letra de Querelas do Brasil, afirmavam que “o Brasil não conhece o Brasil”.

Surgiram variações da Belíndia, de Edmar Bacha, entre as quais Italordânia, publicada em 2014 pela revista The Economist que afirmava que mais do que reunir características da Bélgica e da Índia o Brasil havia se transformado e ficado mais parecido com a Itália e a Jordânia. O ex-ministro Delfim Netto, por sua vez, criou a expressão Ingana para se referir ao país que tinha impostos da Inglaterra com serviços de Gana.

Gustavo Franco, ex-presidente do Banco Central, utilizou e expressão “vários Brasis” em sua coluna no jornal O Estado de S. Paulo do dia 31 de maio, ao se reportar à heterogeneidade nos comportamentos dos estados brasileiros diante da epidemia do coronavírus. Examinando o contraste considerando o número de mortos por milhão de habitantes, ele cita a disparidade entre os estados do sul relativamente aos do norte do país e dos estados do sudeste em relação a alguns estados do nordeste, porém chama a atenção para uma exceção relevante: “Um estado que tem a cara do Brasil, pela extensão territorial e diversidade, como MG, exibe um número particularmente baixo: 4,56”.

Em todas essas – e muitas outras fontes – o foco central recai nas profundas desigualdades há muito existentes e ainda persistentes em nosso país. Embora todos nós soubéssemos disso, tivéssemos lido e estudado sobre isso e nos deparássemos frequentemente com exemplos disso, preferíamos, por comodidade ou descaso, passar por cima, como se não tivéssemos nada com isso.

Em recente entrevista à UOL, Delfim Netto afirmou que “ao colocar o pobre na televisão, a crise do Covid-19 tornou visível a enorme desigualdade no Brasil”.

Encerro este breve artigo com uma afirmação adicional: a crise do Covid-19 vem mostrando como é difícil enfrentar uma situação dessa natureza quando não há a menor coordenação entre os discursos, as diretrizes e as ações das diferentes esferas de governo.

Iscas para quem quiser se aprofundar no assunto

Referências bibliográficas e webgráficas

CALEIRO, João Pedro. Brasil era Belíndia e virou Italordânia, diz The Economist. Disponível em https://exame.com/economia/brasil-era-belindia-e-virou-italordania-diz-the-economist/.

DELFIM NETTO, Antonio. Coronavírus tornou visível a desigualdade no Brasil. Disponível em https://economia.uol.com.br/videos/2020/04/13/delfim-netto-coronavirus-tornou-visivel-a-desigualdade-no-brasil.htm.

FRANCO, Gustavo. 80 dias de corona. O Estado de S. Paulo, 31 de maio de 2020, p. B 6.

FREYRE, Gilberto. Casa grande & senzala. Rio de Janeiro: Global Editora, 2006.

LAMBERT, Jacques. Os dois Brasis. São Paulo: Brasiliana, 1972.

Referências musicais

Aquarela do Brasil. Letra e música de Ary Barroso. Disponível na interpretação de Gal Costa em https://www.youtube.com/watch?v=CA7N-CsY1os.

Blowin’ in the wind. Letra e música de Bob Dylan. Tradução e interpretação de Diana Pequeno. Disponível em https://www.letras.mus.br/diana-pequeno/1058692/.

Querelas do Brasil. Letra de Aldir Blanc e Maurício Tapajós, imortalizada pela brilhante interpretação de Elis Regina. Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=bkENNwwCqgM.

[1] De acordo com o ECAD (Escritório Central de Arrecadação e Distribuição), o órgão responsável por captar e distribuir valores pagos pela execução de canções em eventos e nos mais diversos tipos de mídia, Aquarela do Brasil, de Ary Barroso, é a música brasileira com o maior número de regravações, com 399 gravações, seguida por Carinhoso, de Pixinguinha e João de Barro (389 gravações), Garota de Ipanema, de Tom Jobim e Vinícius de Moraes (376 gravações) e Asa Branca, de Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira (304 gravações),

 

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado