s
Iscas Intelectuais
Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Palestra Planejamento Antifrágil
Palestra Planejamento Antifrágil
Aproveite o embalo, pois além de ouvir a história, você ...

Ver mais

Como se proteger da manipulação das mídias
Como se proteger da manipulação das mídias
Descubra o passo a passo para se proteger das mentiras, ...

Ver mais

Café Brasil 774 – Adversário x Inimigo
Café Brasil 774 – Adversário x Inimigo
Publiquei um post em minha página do Facebook, dizendo ...

Ver mais

Café Brasil 773 – Falando sobre nação – Revisitado
Café Brasil 773 – Falando sobre nação – Revisitado
O Brasil é um grande país, que precisa de um povo unido ...

Ver mais

Café Brasil 772 – ComunicaAgro – Live com Tejon
Café Brasil 772 – ComunicaAgro – Live com Tejon
Um dia, descobri que grande parte dos ouvintes do ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
E a educação brasileira, como é que vai, hein? Mal, não ...

Ver mais

Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Da mesma forma como o Youtube joga no colo da gente um ...

Ver mais

Café Brasil 758 – LíderCast César Menotti
Café Brasil 758 – LíderCast César Menotti
Há muito tempo tínhamos a ideia de trazer para o ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Entulho? Só quando convém
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Nestes tempos estranhos, algumas expressões da moda são muito ridículas, reverberadas principalmente pelas redes sociais; as politicamente corretas geralmente são as piores. Mas há outras, como o ...

Ver mais

Conhecendo a história do Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Conhecendo a história do Brasil… por meio dos que contaram a história “A história é a justiça imparcial, mas tem a mania de chegar tarde.” Roberto Campos[1] Em artigo intitulado Livros para ...

Ver mais

Tributo a Jaime Lerner
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Tributo a Jaime Lerner Recebi, com enorme tristeza, a notícia do falecimento de Jaime Lerner, ocorrido em Curitiba, dia 27 de maio. Seu trabalho como urbanista é merecedor de reconhecimento tanto ...

Ver mais

Macrotendências
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Macrotendências: mudanças em curso  “As mortes totais causadas pelo terrorismo em todo o mundo despencaram 59% desde seu pico em 2014. No Ocidente, a ameaça presente é menos da violência islâmica ...

Ver mais

Cafezinho 395 – Ervas daninhas
Cafezinho 395 – Ervas daninhas
Afinal, em que tipo de solo você acha que brota a ...

Ver mais

Cafezinho 394 – Seu trabalho não nos interessa
Cafezinho 394 – Seu trabalho não nos interessa
Isso é o que eu chamo de “celebrar o fracasso”: ...

Ver mais

Cafezinho 393 – Velhos Ranzinzas
Cafezinho 393 – Velhos Ranzinzas
Se no reino animal é a degeneração física que torna os ...

Ver mais

Cafezinho 392 – Eu vou matar a rainha
Cafezinho 392 – Eu vou matar a rainha
Tem tanta mentira em volta da gente, que acabamos ...

Ver mais

Brasis

Brasis

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Brasis

 “Quanto tempo um homem deve virar a cabeça,

fingindo não ver o que está vendo?”

Bob Dylan

Minha primeira lembrança pra valer do que vou focalizar neste artigo é de quando li Os dos Brasis, de Jacques Lambert. Escrevendo em 1957, o jurista, sociólogo e demógrafo francês descrevia as particularidades e as diversas formas de disparidades e contrastes de um país de dimensões continentais e repleto de diversidade como o Brasil, começando pelo isolamento do país em relação aos países que foram colonizados pela Espanha, a maior parte dos quais voltada para o Oceano Pacífico:

As dificuldades de transportes e comunicações dividiram a América do Sul em duas metades que se voltaram uma para o Oceano Atlântico e a outra para o Pacífico; são dois mundos de costas um para o outro e entre os quais o intercâmbio de pessoas e, sobretudo, de mercadorias, depois de ter sido impossível durante longo tempo, é ainda hoje em dia muito difícil.

Mais tarde, constatei que muito tempo antes, Machado de Assis chamara a atenção para o Brasil real e o Brasil oficial. “O país real, esse é bom, revela os melhores instintos; mas o país oficial, esse é caricato e burlesco”, dizia ele.

Quem se referiu muitas vezes a essa diferença registrada por Machado de Assis foi Ariano Suassuna, para quem “o país oficial é o nosso, dos privilegiados, da elite; o país real é o do povo”.

Gilberto Freyre também abordou magistralmente o tema em Casa grande & senzala, um dos clássicos da historiografia brasileira.

Em 1974, o economista Edmar Bacha cunhou a expressão Belíndia, para se referir aos contrastes existentes no Brasil, onde coexistia uma parcela que possuía padrões de vida comparáveis aos da Bélgica com outra parcela, mais numerosa, que possuía padrões de pobreza e miséria comparáveis aos da Índia.

Deparei-me também com manifestações geniais como as de Ary Barroso exaltando em 1939 as qualidades e a grandiosidade do país em Aquarela do Brasil[1], e a de Aldir Blanc e Mauricio Tapajós, que, na letra de Querelas do Brasil, afirmavam que “o Brasil não conhece o Brasil”.

Surgiram variações da Belíndia, de Edmar Bacha, entre as quais Italordânia, publicada em 2014 pela revista The Economist que afirmava que mais do que reunir características da Bélgica e da Índia o Brasil havia se transformado e ficado mais parecido com a Itália e a Jordânia. O ex-ministro Delfim Netto, por sua vez, criou a expressão Ingana para se referir ao país que tinha impostos da Inglaterra com serviços de Gana.

Gustavo Franco, ex-presidente do Banco Central, utilizou e expressão “vários Brasis” em sua coluna no jornal O Estado de S. Paulo do dia 31 de maio, ao se reportar à heterogeneidade nos comportamentos dos estados brasileiros diante da epidemia do coronavírus. Examinando o contraste considerando o número de mortos por milhão de habitantes, ele cita a disparidade entre os estados do sul relativamente aos do norte do país e dos estados do sudeste em relação a alguns estados do nordeste, porém chama a atenção para uma exceção relevante: “Um estado que tem a cara do Brasil, pela extensão territorial e diversidade, como MG, exibe um número particularmente baixo: 4,56”.

Em todas essas – e muitas outras fontes – o foco central recai nas profundas desigualdades há muito existentes e ainda persistentes em nosso país. Embora todos nós soubéssemos disso, tivéssemos lido e estudado sobre isso e nos deparássemos frequentemente com exemplos disso, preferíamos, por comodidade ou descaso, passar por cima, como se não tivéssemos nada com isso.

Em recente entrevista à UOL, Delfim Netto afirmou que “ao colocar o pobre na televisão, a crise do Covid-19 tornou visível a enorme desigualdade no Brasil”.

Encerro este breve artigo com uma afirmação adicional: a crise do Covid-19 vem mostrando como é difícil enfrentar uma situação dessa natureza quando não há a menor coordenação entre os discursos, as diretrizes e as ações das diferentes esferas de governo.

Iscas para quem quiser se aprofundar no assunto

Referências bibliográficas e webgráficas

CALEIRO, João Pedro. Brasil era Belíndia e virou Italordânia, diz The Economist. Disponível em https://exame.com/economia/brasil-era-belindia-e-virou-italordania-diz-the-economist/.

DELFIM NETTO, Antonio. Coronavírus tornou visível a desigualdade no Brasil. Disponível em https://economia.uol.com.br/videos/2020/04/13/delfim-netto-coronavirus-tornou-visivel-a-desigualdade-no-brasil.htm.

FRANCO, Gustavo. 80 dias de corona. O Estado de S. Paulo, 31 de maio de 2020, p. B 6.

FREYRE, Gilberto. Casa grande & senzala. Rio de Janeiro: Global Editora, 2006.

LAMBERT, Jacques. Os dois Brasis. São Paulo: Brasiliana, 1972.

Referências musicais

Aquarela do Brasil. Letra e música de Ary Barroso. Disponível na interpretação de Gal Costa em https://www.youtube.com/watch?v=CA7N-CsY1os.

Blowin’ in the wind. Letra e música de Bob Dylan. Tradução e interpretação de Diana Pequeno. Disponível em https://www.letras.mus.br/diana-pequeno/1058692/.

Querelas do Brasil. Letra de Aldir Blanc e Maurício Tapajós, imortalizada pela brilhante interpretação de Elis Regina. Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=bkENNwwCqgM.

[1] De acordo com o ECAD (Escritório Central de Arrecadação e Distribuição), o órgão responsável por captar e distribuir valores pagos pela execução de canções em eventos e nos mais diversos tipos de mídia, Aquarela do Brasil, de Ary Barroso, é a música brasileira com o maior número de regravações, com 399 gravações, seguida por Carinhoso, de Pixinguinha e João de Barro (389 gravações), Garota de Ipanema, de Tom Jobim e Vinícius de Moraes (376 gravações) e Asa Branca, de Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira (304 gravações),

 

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado