s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cabeça de brasileiro

Cabeça de brasileiro

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

                          Há 15 anos, o então governador Orestes Quercia conseguiu um fato inédito: Quebrou o Banespa (Banco do Estado de São Paulo) através de todas as falcatruas possíveis, tais como as famigeradas ARO – Antecipação de Receita Orçamentária. Desviava dinheiro através do famigerado Baneser, entupindo os envolvidos, com milhões dos cofres públicos; seja através de empréstimos fraudulentos, seja desvio puro e simples. O quê fizeram, à época, sindicatos e entidades representativas em defesa do Banespa? Nada.

                          Em 1991 Fleury, amigão e sucessor de Quercia, assumiu o governo de São Paulo. A frase ficou famosa: “Quebrei o Banespa, mas elegi meu sucessor”. Era a pura verdade; o Banespa estava na lona por pura corrupção, que continuou por mais quatro anos, nas mãos do super amigo quercista. O quê fizeram sindicatos e entidades? Nada.

                          Em 1996 Mário Covas, eleito governador, disse em público o que todos sabiam no particular: O Banespa estava quebrado e não havia dinheiro público que o salvasse. E mesmo havendo, seria um desperdício inaceitável. A única solução seria a venda do banco, paraestatal. O quê fizeram sindicatos e entidades em “defesa” do banco? Urraram de ódio, fizeram greves e passeatas, pondo a culpa toda em Covas, acusando-o de louco, ladrão, o diabo. Muito interessante.

                          Em 2005 começou a brotar o escândalo nos Correios; aparelhado até o talo pelo maldito lulismo, a maior (em dimensão) e melhor empresa pública do Brasil estava corroída pela corrupção. O plano era aparelhar com amiguinhos os altos escalões e desviar todo o dinheiro possível para as esbórnias ideológico-bolivarianas e os bolsos dos amigos do rei Menas I – que se afirmam comunistas mas gostam mesmo é de caviar e férias em Paris. O que fizeram os sindicatos, entidades e etc em defesa dos Correios? Nada.

                          A coisa piorou muito. O aparelhamento bolivariano-afanador-marxista decidiu que o fundo de pensão dos funcionários, o Postalis, deveria investir em papéis venezuelanos e argentinos, todos (papéis e países) sem lastro, à beira da falência; uma insanidade inaceitável. Tais papéis evidentemente deram um tremendo prejuízo, afundando o Postalis. O Quê fizeram sindicatos e entidades fidelistas-marxistas-guevaristas-lulistas? Nada.

                          Agora o fundo de pensão está em déficit gigantesco, e os funcionários terão de pagar pelo rombo do próprio bolso. Quê fizeram sindicatos e entidades sem-terristas-cubanistas-stalinistas? Babam de ódio e dizem que o “governo” (ahn?!) tem de pagar a conta, jogando a culpa em alguém que não sabem dizer quem é. E como se o “governo” (que eles apóiam com unhas vermelhas e dentes idem) fosse uma entidade etérea, onde plantando moedinhas se colhem cédulas, e não um mero recolhedor de impostos… NOSSO dinheiro.

                          Na Petrobrás foi a mesma coisa, com o Petrolão. Durante todos os anos do lulismo e de sua fantocha, os bolivarianos tupiniquins encheram bolsos, cuecas, bancos estrangeiros, ditaduras, com dinheiro público. E quê fizeram sindicatos, associações grevistas-chavistas-passeatistas-gramcistas e etc? Nada.

                          Agora, com a outrora riquíssima Petrobrás no chão, desfeita a ilusão imbecil do Pré-Sal, o petróleo em queda no mundo inteiro (menos no Brasil, com a gasolina mais cara do mundo, e de péssima qualidade)… que fazem os sindicatos e entidades lulistas-guevaristas-ilusionistas-fidelistas de sempre? Jogam a culpa na crise internacional (só rindo pra não chorar) e na oposição. Inacreditável.

                          Nesses exemplos, o que sobressai é de uma simplicidade acaciana: O brasileiro não se importa em ser roubado… desde que não atinja – diretamente – o seu bolso. O mais engraçado é que o lulismo, filhote bastardo e arrivista do chavismo, diz defender a coletividade. Impressionante. Eles privatizam o lucro e socializam o prejuízo. E o brasileiro acha natural – ao menos os que têm a mente obnubilada pela névoa vermelha ou as cuecas forradas com as verdinhas do Tio Sam. Aliás… já notaram como lulista diz odiar os EUA, mas a-d-o-r-a dólares?

                          Essa cegueira, essa estupidez encomendada se restringe à sociopatia lulista? Não mesmo. Observemos o exemplo dos motoqueiros.

                          Diariamente, motoqueiros do Brasil todo se entregam a uma imprudência praticamente suicida em ruas e estradas; circulam entre os carros, sobem em calçadas, invadem preferenciais, rodam grudados uns nos outros e nos automóveis, mudam de faixa sem sinalizar, cortam a frente de qualquer um, enfim: desafiam impunemente todo o Código de Trânsito. O que dizem os sindicatos e entidades do ramo? Nada.

                          Resultado: Uma infinidade de feridos e mortos nessa guerra civil sobre duas rodas; o seguro obrigatório indeniza aleijados, viúvas e, como a matemática ainda não foi revogada pelo lulismo, essas indenizações se multiplicam e o preço do seguro aumenta, óbvio. Quê fazem sindicatos e etc? Exigem um trânsito decente e motoqueiros minimamente preparados? Não. Exigem que alguém (jamais eles) pague a conta dessa insanidade, ou que se baixe o custo do seguro na marra. Coisa de doido.

                          Basicamente, é como encher os cornos de cachaça querendo ficar sóbrio e depois culpar o dono do alambique pela ressaca fenomenal. Sem pagar a conta do boteco, claro.

                          É isso. O Brasil é um país de moral coletiva bêbada.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes