s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cansei de escritórios divertidos

Cansei de escritórios divertidos

Mauro Segura - Transformação -

Um dos meus primeiros empregos foi numa indústria no subúrbio do Rio de Janeiro. Eu trabalhava com pessoas maravilhosas que me ensinaram muito, com camaradagem e generosidade, todas simples e com um sorriso eterno no rosto. Meu chefe era um sujeito complexo, cheio de manias, mas tinha um coração maior que ele próprio. O lugar era pequeno, espartano, mal iluminado, com máquinas antigas, algumas obsoletas, e limpeza não era um grande destaque. Apesar de tudo, eu adorava aquilo. Até hoje essa experiência ocupa um lugar carinhoso na minha memória.

Nos últimos anos, a grande mídia passou a publicar matérias celebrando locais de trabalho alternativos, alguns repletos de equipamentos para diversão, até com escorregadores, mesas de jogos e puffs em formatos bem estranhos. Em alguns escritórios rola até comida grátis ao longo do dia. Tudo isso é muito bacana. Eu realmente acho legal e acredito que muitos considerarão isso como um enorme diferencial para escolher um lugar para trabalhar. O que me incomoda é a supervalorização dada a esse mundo de entretenimento e lazer. Afinal, as paredes coloridas não valem de nada se os seus colegas de trabalho são cinza.

Recentemente, dentro do avião, numa ponte área do Rio para Sampa, li uma matéria na revista da Gol número 171 chamada “Aqui é trabalho!”. A matéria começa assim: “Imagine trabalhar olhando para o mar azul transparente das Filipinas, com direito a mergulhos esporádicos entre um e-mail e outro. Parece bom demais para ser verdade. Pois foi assim que o casal de publicitários Manoela Pontual e Raphael Rotta, 27 anos, decidiu viver. Eles não tiraram um ano sabático nem largaram tudo. Apenas perceberam que, graças à tecnologia, poderiam fazer seu trabalho de qualquer canto do mundo”. A matéria segue falando de gente que trabalha em lugares diferentes, com jornada hiper blaster flexível no trabalho, home office e ambientes de trabalho super transados. A matéria basicamente louva a flexibilidade no trabalho e enaltece quem pode ser dono do próprio tempo e não ter a presença de um chefe.

Obviamente que escritórios com espaços para diversão e home office são coisas legais, realmente agregam mais qualidade de vida e satisfação no trabalho, mas não são tão essenciais quanto todas essas matérias falam. Trabalhar num lugar com móveis transados é bacana, mas o importante não é o lugar onde você trabalha, mas é com quem você trabalha, e qual é o real propósito da empresa na qual você sua a camisa todos os dias. Essas são as partes mais importantes da equação.

Um artigo chamado Para Modernizar as Organizações, Precisamos Muito Mais do que Paredes Coloridas e Comida Grátis, assinado por Ligia Zotini, faz uma reflexão maravilhosa e traduz exatamente o que penso a respeito dessa ode exagerada às paredes coloridas. De que valem as paredes e o mobiliário moderno sem as pessoas? Na verdade, o que faz o ambiente de trabalho ficar colorido são as pessoas.

São as pessoas que devem ser coloridas e divertidas. Pessoas alegres, confiantes e com propósito são capazes de colorir qualquer ambiente cinza. Você trabalha em um lugar que te permite se desenvolver profissionalmente? Existe um ambiente saudável de confiança e relacionamento? O seu chefe é seu parceiro nos bons e maus momentos? A empresa na qual trabalha tem um propósito digno que vai muito além de meramente buscar o lucro? O seu trabalho ajuda você a se tornar um ser humano melhor? Essas são questões importantes, independentemente da cor da parede e do estilo da cadeira.

Portanto, prometi a mim mesmo que não vou mais ler matérias sobre escritórios molico, paredes coloridas no trabalho, bilhares, comida grátis e escritórios no mar azul das Filipinas. Já deu! Em vez de ler sobre paredes coloridas, eu quero ler sobre pessoas coloridas.

Ver Todos os artigos de Mauro Segura